Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

CINEMA NO BLOG

ME EXCITA, DROGA! (2011)
Få meg på, for faen


FICHA TÉCNICA
Outros Títulos:
Turn me on! (França)
Turn Me On, Dammit! (USA, UK)
Ta' mig (Dinamarca) 
Pais:
Noruega
Gênero:
Comédia
Direção:
Jannicke Systad Jacobsen
Roteiro:
Jannicke Systad Jacobsen
Produção:
Brede Hovland
Música Original:
Ginge Anvik
Direção Musical:
Johan Husvik
Fotografia:
Marianne Bakke
Edição:
Zaklina Stojcevska
Direção de Arte:
Sunniva Rostad
Guarda-Roupa:
Sabina Cavenius, Henriette Næss
Maquiagem:
Janne Røhmen
Efeitos Sonoros:
Andrew Windtwood, Ingar Asdahl, Thomas Alveberg e outros
Efeitos Visuais:
Kjetil Haugen

ELENCO
Helene Bergsholm
Alma
Malin Bjørhovde
Sara
Beate Støfring
Ingrid
Matias Myren
Artur
Lars Nordtveit Listau
Kjartan
Henriette Steenstrup
Mãe de Alma
Jon Bleiklie Devik
Sebjørn
Julia Bache-Wiig
Maria
Julia Schacht
Elisabeth
Arthur Berning
Terje
Hilde-Gunn Ommedal
Magda
Ole Johan Skjelbred-Knutsen
Dono da Fábrica Turnip
Finn Tokvam
Professor de matemática
Ronny Brede Aase
Caminhoneiro
Thomas Opheim
Børre
Arve Guggedal
Einar
Inger Elisabeth Mingen
Kari
Merete Red
Irmã de Artur
Linda Ørnes
Jovem na bicicleta
Line Sand
Jovem na bicicleta


PRÊMIOS
Prêmios Amanda - Festival de Haugesund, Noruega:
Amanda de Melhor Filme (Brede Hovland, Sigve Endresen)
Amanda de Melhor Fotografia
Amanda de Melhor Trilha Sonora
Amanda de Melhor Atriz (Helene Bergsholm)

INDICAÇÕES
Prêmios Amanda - Festival de Haugesund, Noruega:
Amanda de Melhor Roteiro (Jannicke Systad Jacobsen)
Amanda de Melhor Ator ou Atriz Coadjuvante (Malin Bjørhovde)
Festival Internacional de Cinema de Estocolmo, Suécia:
Prêmio Cavalo de Bronze de Melhor Longa-Metragem (Jannicke Systad Jacobsen)

VÍDEO

SINOPSE
Alma é uma bela jovem de 15 anos que mora com a mãe, na pequena vila de Skoddeheimen, situada na famosa região dos fiordes da Noruega. Seus hormônios sexuais acham-se à flor da pele. Com certa frequência, aproveitando a ausência da mãe, ela liga para um telefone especializado em sexo, deita-se no chão e, enquanto ouve a voz sedutora do operador, masturba-se. Por outro lado, muitas vezes ao se encontrar deitada em sua cama, ela sonha com o jovem Artur vindo até ela para acariciá-la. Suas melhores amigas e colegas de escola são as irmãs Sara e Ingrid. Juntas, elas pegam o mesmo ônibus, tomam cervejas e vão a festinhas. Numa dessas festinhas, no Centro para a Juventude, Alma deixa suas amigas e sai um pouco para tomar um ar fresco, quando é assediada por Artur, que sem qualquer razão aparente, abre o zíper de sua calça, retira seu pênis e o esfrega contra as coxas da jovem. Ainda surpresa, ela corre para contar o ocorrido às amigas. Ingrid, que tem um rabicho por ele, recusa-se a acreditar na amiga e ainda chama Artur que, na frente das três, nega o ocorrido. Tal fato faz com que Alma, de uma hora para outra, passe a ser hostilizada por todos os colegas da escola. Até sua melhor amiga, Sara, passa a evitá-la para não ser vista a seu lado. Os estudantes dão-lhe o apelido de “Dick-Alma”, que a acompanha por onde ela anda, exceto em sua casa, onde sua mãe ignora completamente o inferno em que sua filha está vivendo. Até Artur, que dela abusou sexualmente, recusa-se a falar com ela. Algum tempo depois, entretanto, ao voltar da escola, Alma salta na parada de sempre, onde encontra Artur que a acompanha até sua casa. Como a mãe dela acha-se ausente, os dois vão para o quarto onde fazem amor. No dia seguinte, Alma e Sara se encontram na parada do ônibus e conversam animadamente, com a ressalva de Sara de que, uma vez na escola, manterá o afastamento acordado com a turma. No dia seguinte, após sua mãe reclamar do alto custo da conta telefônica, face às inúmeras ligações feitas por Alma para o Tele-sexo, esta procura e consegue um emprego de Caixa numa Loja de Conveniências. Entretanto, dias depois, sem avisar sua mãe, ela pega uma carona na estrada e vai até Oslo, onde se hospeda na república onde vive Maria, irmã de Sara e Ingrid, que estuda sociologia na Universidade da capital.  Bem recebida por todos, depois de esfriar a cabeça, Alma volta para casa onde sua mãe lhe comunica que, tendo seu chefe lhe proporcionado uma semana de folga, ela vai viajar com seu namorado para Paris.  No dia seguinte, quando Alma desce do ônibus, defronte à escola, ela vê uma enorme faixa onde se acha escrito: “Cutuquei a Alma com meu Páu – Artur”, deduzindo que se trata de uma confissão de Artur a respeito do ato por ele praticado, no passado, que resultou em toda a hostilidade por ela sofrida.

COMENTÁRIOS
Adaptação de um livro de Olaug Nilssen, “Me Excita, Droga!” marca a estréia da cineasta norueguesa, Jannicke Systad Jacobsen, como diretora e roteirista de um longa-metragem. Até então, todo o seu trabalho era dedicado à produção de documentários. Sua trama gira em torno de uma bela jovem de 15 anos, com seus hormônios à flor da pele, despertando para sua vida sexual. Trata-se, sem dúvida alguma, de uma visão sobre a sexualidade das adolescentes sob a ótica da mulher. É interessante notar que um filme, em princípio sem maiores pretensões, consiga prender o espectador da primeira à última cena. Um outro ponto interessante a ser destacado é que os quatro principais atores, Helene Bergsholm, Malin Bjørhovde, Beate Støfring e Matias Myren, respectivamente nos papeis de Alma, Sara, Ingrid e Artur, jamais haviam participado de um filme, quer no cinema, quer na televisão, tendo a primeira ganho o prêmio de melhor atriz do Festival Haugesund da Noruega, enquanto a segunda foi indicada ao prêmio de melhor atriz coadjuvante do mesmo Festival. Enfim, “Me Excita, Droga!” é um filme que nos surpreende positivamente em diversos aspectos e que, por consequência, merece ser visto.

por Carlos Augusto de Araújo


Nenhum comentário: