Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

terça-feira, 20 de junho de 2017

RAPIDINHAS DO BLOG...

GASTO BRASILEIRO COM PREVIDÊNCIA É O MAIS ALTO ENTRE PAÍSES DE POPULAÇÃO JOVEM
O Brasil é o país com população jovem que mais gasta com Previdência. Essa situação coloca o Brasil como uma exceção à regra de que os gastos da Previdência são maiores em países com população mais velha. O Brasil tem despesas com aposentadorias e pensões próximas à de nações com populações mais envelhecidas, mostram dados do Banco Mundial (Bird) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Somadas todas as despesas com aposentadorias, pensões por morte, benefícios assistenciais e acidentários do INSS e de servidores da União, o Brasil gastou com Previdência em torno de 13% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2016, segundo dados do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Já na média dos países da OCDE, o gasto médio alcançou 12,4% do PIB, patamar próximo ao da Alemanha, Dinamarca e Japão. O governo federal propôs uma reforma da Previdência, que cria uma idade mínima para a aposentadoria e muda o cálculo do benefício. O texto está em análise na Câmara e precisa ser aprovado por deputados e senadores para entrar em vigor.

POPULAÇÃO JOVEM
Atualmente, apenas 8% da população brasileira possui mais de 65 anos de idade, nível próximo ao de países com demografia jovem como Turquia, México e Chile, apontam os dados mais recentes do Banco Mundial, de 2015. Por ter gasto elevado e população ainda jovem, o Brasil é exceção à regra, comenta o economista e especialista em Previdência Paulo Tafner. “A literatura considera que gastos previdenciários acima de 13% ou 14% são elevados e, mais importante, associados a países envelhecidos", diz. Um estudo da assessoria econômica do ministério do Planejamento, de 2015, mostra o Brasil como uma “notável exceção à regra” da “estreita relação entre os gastos previdenciários e a proporção da população acima de 65 anos”.
ENVELHECIMENTO ACELERADO
Por ser considerado um país de população ainda jovem, o Brasil está em situação favorável quanto à proporção entre o número de idosos e adultos em idade economicamente ativa, a chamada razão de dependência demográfica (RDD). Mas o ritmo de envelhecimento da população tende a se acelerar mais rapidamente nos próximos anos, invertendo essa relação. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a razão de dependência no Brasil vai saltar dos 11% atuais para 36% até 2050. Ou seja, para cada 100 adultos aptos a contribuir no mercado de trabalho – "braços" –, o país terá 36 idosos (ou "bocas") para alimentar. Um estudo do Fundo Monetário Internacional (FMI), de dezembro do ano passado, previa que os gastos previdenciários do Brasil, somando INSS e servidores, vão crescer para cerca de 26% até 2050. “As razões são novamente o envelhecimento da população e as regras de aumento dos benefícios”, aponta o órgão.
DESCOMPASSO
O peso dos gastos previdenciários nas contas públicas e a tendência de envelhecimento da população são os principais argumentos em defesa da reforma da Previdência, que está em análise no plenário da Câmara dos Deputados. A proposta cria uma idade mínima de aposentadoria que, na prática, fará com que os segurados se aposentem mais tarde. O diretor de pós-graduação em direito Previdenciário da PUC/SP, Wagner Balera, defende que o descompasso entre gasto com Previdência e o perfil etário se deve a um atraso de duas décadas na agenda de reformas do sistema. “Países mais avançados fizeram suas reformas a partir da década de 1980”, afirma. Na avaliação de Balera, quanto mais tempo a reforma demorar para sair, mais penosos serão seus efeitos. Para o especialista em Previdência do Instituto Brasileiro de Edições Pedagógicas (IBEP), Theodoro Vicente Agostinho, não se pode comparar a realidade brasileira à de países ricos e menores como os europeus como argumento para modificar o sistema previdenciário. Agostinho acredita que um dos motivos para o gasto elevado do sistema brasileiro é a aposentadoria por tempo de contribuição, que permitiu a uma boa parcela da população se aposentar com idade precoce e continuar trabalhando para receber um complemento de renda. “Sou favorável a uma readequação do sistema previdenciário, já que a população viverá mais e terá mais qualidade de vida. Mas há outras formas de atacar o gasto elevado que não estão sendo discutidas”, diz. O especialista em Previdência considera que as mudanças propostas na Previdência deveriam vir acompanhadas não só da criação de uma idade mínima, mas também de uma política pública de empregabilidade para adequar as regras às condições do mercado de trabalho e garantir o equilíbrio entre gasto e arrecadação. “Poderiam também incentivar meios de arrecadação, como aumentar o poder de fiscalização da Receita, ter leis mais rígidas para estados e municípios e estimular a população a contribuir para a Previdência”, afirma Agostinho.
PONTOS DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA
Entre os principais pontos da proposta de reforma da Previdência que deverá ser votada no plenário da Câmara estão a idade mínima de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres para aposentadoria pelo INSS, além da exigência de pelo menos 25 anos de tempo de contribuição. A proposta cria ainda uma regra de transição para quem já está no mercado de trabalho. Por se tratar de uma proposta de alteração na Constituição, a proposta precisará de pelo menos 308 votos, em dois turnos de votação, no plenário da Câmara.

UM A CADA SEIS IDOSOS SOFRE ALGUM TIPO DE ABUSO, DIZ ESTUDO APOIADO PELA OMS
Uma a cada seis pessoas com 60 anos ou mais sofre algum tipo de abuso, de acordo com revisão apoiada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgada na semana passada.O novo estudo foi publicado pela revista "Lancet Global Health" e se baseia nas evidências de 52 pesquisas feitas em 28 países de diferentes regiões, incluindo 12 países com média e baixa renda. De acordo com os resultados, 11,6% dos idosos passa por abusos psicológicos; 6,8% por abusos financeiros; 4,2% por negligência; 2,6% por abuso físico; e 0,9% por abuso sexual. "O abuso das pessoas mais velhas está em ascensão para os 141 milhões de idoso em todo o mundo, e isso tem sérios custos individuais e sociais", disse Alana Officer, do Departamento de Envelhecimento e Curso de Vida da OMS. "Devemos fazer muito mais para prevenir e responder à crescente frequência desses diferentes tipos de abuso", completou. Em 2050, o número de pessoas com idade igual ou superior a 60 anos deverá dobrar para 2 bilhões, e a maioria delas deverá viver em países com baixa e média renda, de acordo com a OMS.

INCIDENTES DE SEGURANÇA EM INTERNET BANKING REPRESENTAM PREJUÍZO DE US$ 1,8 MILHÃO PARA BANCOS
O mais recente relatório da Kaspersky Lab sobre ameaças de segurança virtual no setor financeiro apresentou implicações financeiras proibitivas dos incidentes de segurança em bancos online. O relatório mostra que o custo médio de um acidente envolvendo serviços de internet banking é de US$ 1.754.000, praticamente o dobro do preço da recuperação de um incidente com malware, cuja solução custa em média US$ 825.000. O estudo mostra que 61% dos incidentes de segurança virtual que afetam bancos online acarretam custos adicionais para a instituição atingida, como prejuízos por perda de dados, danos à reputação da marca/empresa, vazamento de informações confidenciais e outros. Essas constatações, juntamente com outras conclusões do relatório, exigem que as instituições financeiras comecem a considerar as consequências financeiras das ameaças de segurança virtual, e adotem medidas apropriadas para se proteger e a seus clientes contra os incidentes em bancos online, especialmente de ataques DDoS, que podem por esses serviços em risco.  Em muitos casos, ataques DDoS contra instituições financeiras são criados para impossibilitar o funcionamento de sites de bancos. O relatório mostra que, quando ocorre um ataque DDoS, os recursos para os clientes dos bancos sofrem mais do que em qualquer outro setor. Por exemplo, 49% dos bancos que já sofreram um ataque DDoS tiveram seu site público afetado (em comparação com 41% das instituições não financeiras), e 48% tiveram seu sistema de banco online afetado por ataques DDoS. Os bancos se preocupam com os ataques a seus serviços online mais do que com muitas outras ameaças. Porém, de acordo com o relatório, o DDoS está apenas em terceiro lugar nessa lista de preocupações, sendo superado pelo malware e pelos ataques direcionados, apesar dos custos de recuperação de ataques DDoS serem maiores que os de ataques de malware.  A recuperação de ataques DDoS também é mais custosa para os bancos do que para instituições não financeiras. O relatório mostra que a recuperação de um incidente com DDoS pode custar US$ 1.172.000 para instituições financeiras, em comparação com US$ 952.000 para empresas de outros setores. Como a consequência de um incidente virtual mais temida por quase um quinto (17%) das instituições financeiras são os prejuízos à reputação da marca/empresa, a Kaspersky Lab insiste que as empresas desse segmento precisam se conscientizar sobre os perigos que enfrentam para poder proteger seus serviços, seus clientes e suas marcas de qualquer perigo. “No setor bancário, a reputação da instituição é fundamental, e a segurança corre em paralelo. Se os serviços online do banco sofrem um ataque, é difícil para os clientes confiarem seu dinheiro à instituição. Assim, é fácil entender por que qualquer ataque seria tão devastador. Para que os bancos possam se proteger efetivamente dos prejuízos de um incidente de segurança virtual em seu serviço online, primeiro precisam se preparar melhor contra os perigos que os ataques DDoS representam a esses serviços. Essa ameaça deveria estar em uma posição mais alta na lista de prioridades de segurança dos bancos”, diz Kirill Ilganaev, Head de Kaspersky DDoS Protection.

Nenhum comentário: