Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

quarta-feira, 28 de junho de 2017

CINEMA NO BLOG

REVELAÇÕES (2003)
The human stain


FICHA TÉCNICA
Outros Títulos:
Der menschliche makel (Alemanha)
La couleur du mensonge (França)
La macchia umana (Itália)
La mancha humana (Espanha) 
Pais:
Estados Unidos, Alemanha, França
Gênero:
Romance, Suspense
Direção:
Robert Benton
Roteiro:
Nicholas Meyer
Produção:
Tom Rosenberg, Gary Lucchesi, Scott Steindorff
Design Produção:
David Gropman
Música Original:
Rachel Portman
Coreografia:
Patricia Birch
Fotografia:
Jean-Yves Escoffier
Edição:
Christopher Tellefsen
Direção de Arte:
Zoé Sakellaropoulo
Figurino:
Rita Ryack
Guarda-Roupa:
Josée Boisvert, Fabienne April, Heather Holbrook e outros
Maquiagem:
Robert McCann, Benjamin Robin, Tricia Heine e outros
Efeitos Sonoros:
Warren Shaw, Danny Michael, Harry Higgins e outros
Efeitos Especiais:
Louis Craig, Éric Hébert, Pierre Rivard
Efeitos Visuais:
James McQuaide, Payam Shohadai e outros

ELENCO
Anthony Hopkins
Coleman Silk
Nicole Kidman
Faunia Farley
Ed Harris
Lester Farley
Gary Sinise
Nathan Zuckerman
Margo Martindale
Psicóloga
Anna Deavere Smith
Sra. Silk
Wentworth Miller
Coleman Silk, quando jovem
Jacinda Barrett
Steena Paulsson
Harry J. Lennix
Sr. Silk
Clark Gregg
Nelson Primus
Phyllis Newman
Iris Silk
Lizan Mitchell
Ernestine
Kerry Washington
Ellie
Ron Canada
Herb Kebble
Kristen Blevins
Ernestine, quando jovem
Anne Dudek
Lisa Silk
Mimi Kuzyk
Professora Delphine Roux
Robert Higden
Jeff Silk
Peter Cunningham
Boxeador
Kate Whitney
Sra. Primus

VIDEOCLIPES

SINOPSE
Coleman Silk é um eminente professor e reitor de uma Universidade de prestígio da Nova Inglaterra, cuja vida profissional é destruída ao ser injustamente acusado de ter cometido um ato de racismo.  Sentindo-se obrigado a pedir demissão, ele chega em casa e conta o ocorrido à mulher que, não conformada com a injustiça, afirma que eles devem entrar com um processo contra a Universidade e, em sua exaltação, passa mal e morre. Com sua carreira e reputação em ruínas, Silk começa um esforço para se levantar através de dois novos relacionamentos: o primeiro, com o escritor Nathan Zuckerman, a quem ele procura para propor que escreva um livro sobre sua vida, e o outro com uma jovem mulher de 34 anos, Faunia, com quem passa a ter um escandaloso 'affair'. Faunia, por outro lado, vinha de uma família muito rica, mas que, com a morte do pai, passou a ser molestada pelo padrasto, o que a obrigou a sair de casa e a tentar sobreviver aceitando pequenos ou mesmo sub-empregos, como os de faxineira e de encarregada da ordenhação de vacas.  Sua vida, que começara a ruir com a morte do pai, passa por uma nova tragédia quando, casada com  Lester Farley, um homem violento e mentalmente doente, perde suas duas filhas ao ter sua casa incendiada. Em princípio, Zuckerman rejeita a idéia do livro.  De qualquer forma, a amizade com Silk cresce com o tempo, oportunidade em que ele vai tomando conhecimento de todo o passado do professor, inclusive de um segredo que o mesmo conseguira esconder de sua mulher e de seus colegas ao longo de 50 anos.  Entretanto, quando uma nova tragédia atinge Silk e Faunia, Zuckerman decide escrever a biografia desse homem especial.

COMENTÁRIOS
"Revelações", embora não mereça o grau de excelência, é certamente um bom filme.  Iniciando no final dos anos 90, no auge do escândalo Clinton-Lewinsky, o diretor Robert Benton consegue fazer um bom trabalho de 'flashbacks' para montar todo o passado do professor Coleman Silk. Anthony Hopkins apresenta uma forte e convincente interpretação, como o professor acusado de ter feito um comentário racista.  A exemplo de Hopkins, Nicole Kidman igualmente apresenta uma ótima performance como a jovem mulher sofrida.  Merecem destaques, ainda, as atuações de Wentworth Miller, no papel de Silk, aos vinte e poucos anos, Gary Sinise  e Ed Harris, estes dois últimos em papéis menores.  As químicas entre Kidman e Hopkins (especialmente na cena em que ela dança para ele) e entre Hopkins e Sinise (principalmente quando os dois dançam 'Cheek to Cheek') são perfeitas.

por Carlos Augusto de Araújo

Nenhum comentário: