Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

sexta-feira, 30 de junho de 2017

CITAÇÃO DO DIA

“É na crise que surge a invenção, a descoberta, a reflexão e as grandes estratégias do marketing do amor. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar superado, e quem pendura no gancho da crise seus fracassos e lamúrias, violenta o seu próprio talento e tem mais respeito a problemas que soluções. A crise é uma farsa, a não ser a crise da incompetência, pois o problema de pessoas e países é o de autogerência. Sem crise não há desafios, e sem desafios a vida é uma rotina que leva ao túmulo. Sem crise ninguém tem méritos. É só na crise que você mostra que é bom, pois sem crise todo vento é carícia. Por isso, falar da crise é promovê-la e calar na crise é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhe duro, desinflacione a crise de você mesmo e acabe de uma vez com a única crise ameaçadora: a da tragédia de não saber por onde começar. Se o momento é de crise, crie. Pior do que a crise é a falta de coragem para enfrentá-la.” (RIVALCIR LIBERATO)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL BAIXA META CENTRAL DE INFLAÇÃO PARA 4,25% EM 2019 E 4% EM 2020
O Conselho Monetário Nacional (CMN) anunciou na quinta-feira (29), após reunião em Brasília, que a meta central de inflação será de 4,25% em 2019 e de 4% em 2020. A decisão significa a primeira redução na meta central de inflação desde 2005. De lá para cá, a meta, que tem que ser perseguida pelo Banco Central, permaneceu em 4,5% ao ano - índice considerado alto para padrões internacionais. A meta de 4,5% vai vigorar até 2018. A redução da meta indica, portanto, que o governo vai perseguir uma inflação mais baixa nos próximos anos e cria a expectativa de preços mais estáveis no futuro. Isso tende a trazer benefícios imediatos para os consumidores e as empresas, na formação dos preços e também nas taxas de juros cobradas pelos bancos. Entretanto, se a inflação não se comportar conforme o previsto, o Banco Central pode ser obrigado a elevar os juros ou deixá-los em um patamar mais alto, para cumprir as metas mais baixas.  Além da meta central, o sistema brasileiro de meta de inflação prevê um intervalo de tolerância, para cima e para baixo, que foi mantido pelo CMN nesta quinta em 1,5 ponto percentual. Com isso, o Banco Central cumprirá a meta se a inflação oscilar entre 2,75% e 5,75%, em 2019, e entre 2,5% e 5,5%, em 2020. Nos últimos cinco anos, o IPCA tem ficado bem distante do centro da meta de 4,5% e mais próximo ao teto de 6,5%. Entre 2012 e 2016, a inflação variou de 5,84% a 10,67%.
DEFINIÇÃO DOS JUROS BÁSICOS
O Conselho Monetário Nacional é formado pelos ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, além do presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn. Eles definem a meta de inflação e quem deve cumpri-la é o BC. O principal instrumento usado pelo Banco Central para cumprir a meta de inflação é a taxa básica de juros da economia brasileira, a chamada Selic. Quando a inflação está alta e foge da meta, o BC sobe a Selic para tornar o crédito mais caro e inibir o consumo, o que tende a fazer os preços baixarem. Quando a inflação está em linha com as metas de inflação, o BC pode reduzir os juros. Apesar de ter efeito benéfico de controlar a inflação, a alta dos juros prejudica a economia do país ao encarecer o consumo. Nos últimos meses, com a queda da inflação, a Banco Central vem reduzindo a Selic. Na sua mais recente reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom), do BC, cortou a taxa em 1 ponto percentual, para 10,25%. Foi o sexto corte seguido. A redução da Selic é comemorada pelo comércio e pelo setor produtivo pois tende a baratear o crédito e estimular a retomada do consumo num momento em que o pais enfrenta crise econômica e alto desemprego.
META E EXPECTATIVA DO MERCADO
Em entrevista nesta quinta, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, justificou a redução apontando que as novas metas estão em linha com as expectativas do mercado para a inflação nos próximos anos. Instituições financeiras ouvidas pelo Banco Central na semana passada estimaram que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, ficará em 3,48% neste ano, em 4,3% em 2018 e em 4,25% em 2019 e 2020. "Temos uma convergência natural da formação de preços para esses patamares. A indexação é uma das razões que justificam essa convergência gradual. A montagem é ótima pois assegura convergência da inflação, crescimento potencial e assegurando a manutenção do poder de compra da população", disse Meirelles. O presidente do BC, Ilan Goldfajn, afirmou que a fixação de uma meta de inflação menor para 2019 e 2020 vai levar a juros mais longos, no mercado futuro, menores desde que as metas sejam criveis. "Temos observado que as expectativas estejam ancoradas nas metas. A expectativa para 2019 já está em 4,25% e isso provavelmente vai levar a taxa de juros longa menor", acrescentou.

NOVO ESTUDO DIZ QUE NÃO HÁ LIMITE MÁXIMO DE VIDA ESTABELECIDO PARA SERES HUMANOS
Um novo estudo publicado pela revista "Nature" na quarta-feira (28) diz que não está estabelecido -- pelo menos até agora -- um limite de tempo de vida para os seres humanos. O artigo contradiz um outro trabalho publicado pela mesma revista em outubro de 2016, que dizia que ninguém é capaz de bater o recorde de 122 anos e que o limite deve girar em torno dos 115 anos. Desta vez, os pesquisadores Bryan G. Hughes e Siegfried Hekimi trazem histórias como a da italiana Emma Morano, que faleceu em abril deste ano, e da francesa Jeanne Calment, com 122 anos. Além disso, analisaram o tempo de vida dos indivíduos mais velhos registrados nos Estados Unidos, Reuno Unido, França e Japão desde 1968. Hughes e Hekimi dizem não ter encontrado evidências de que haja um limite de tempo de vida e que, caso ele exista, ele nunca foi alcançado ou identificado. "Nós simplesmente não sabemos qual é o limite de idade. De fato, ao ampliar as linhas de tendência de vida, conseguimos mostrar que a expectativa de vida máxima e a média poderiam continuar a aumentar até o futuro", disse Hekimi. O artigo mostra a evolução da expectativa de vida no Canadá: em 1920, um cidadão do país esperava viver até os 60 anos; em 1980, a ideia era morrer até os 76 anos; hoje, até os 82 anos. De acordo com esse novo estudo, o tempo máximo de vida dos humanos segue a mesma tendência. Segundo Hekimi, é impossível prever a expectativa de vida dos seres humanos no futuro. Ele lembra que alguns cientistas argumentam usando a tecnologia, as intervenções médicas, e as melhorias nas condições de vida como fatores que podem ajudar a aumentar o limite máximo de idade. "É difícil adivinhar", avalia Hekimi. "Trezentos anos atrás, muitas pessoas tinham apenas vidas curtas. Se alguém dissesse que um dia a maioria dos seres humanos iria chegar aos 100 anos, eles diriam que a pessoa estava louca".

WHATSAPP INDICA FUNÇÃO PARA APAGAR MENSAGENS ENVIADAS
O Whatsapp publicou em seu site de suporte nesta semana instruções para um novo recurso, que permite apagar mensagens já enviadas. No entanto, o aplicativo de conversas deletou a página pouco tempo depois, então não é possível saber quando a função se tornará disponível para os usuários. O recurso é chamado de Anular, e permitirá que mensagens sejam apagadas até cinco minutos depois de enviadas. As mensagens escolhidas aparecerão como "Esta mensagem foi anulada" dentro da conversa. A função estará disponível para aparelhos com Android ou Windows Phone e iPhones, mas é necessário que tanto o remetente quanto o destinatário estejam com as versões mais recentes do aplicativo.

ARTE NO BLOG

A ARTE DE ÁLVARO DA CUNHA AZZAN – PARTE 02 

Álvaro da Cunha Azzan, nascido em Campinas SP, começou a     desenhar ainda criança, com 4 anos de idade, destes desenhos, que somam  mais  de 300 guardados até hoje, alguns podem ser vistos na exposição permanente do 1º Museu Brasileiro de Arte Infantil no Conservatório Carlos Gomes em Campinas SP. Nos anos de 1984 a 1989 aperfeiçoou técnicas em grafite, aquarela, nanquim, guache e giz-pastel no CAA. A partir dos anos 90 começa a pintar telas. Trabalha com diversas técnicas e atua em vários estilos de desenho e pintura, destacam-se os trabalhos de giz-pastel nos quais apresenta um excelente domínio da técnica.  As atividades artísticas contam com as exposições, a participação em salões e concursos, atualmente desenvolve trabalhos para ilustrações. Iniciou-se em projetos paisagísticos na Floricultura Campineira em 1991, complementou em curso realizado em Barcelona, Espanha em 1994. Na área de arquitetura realizou projetos de adaptação, restauração e conservação arquitetônica tais como: Museu Arquidiocesano de Campinas, Edifício do Jockey Club Campineiro, Biblioteca do Colégio Culto a Ciência, Instituto Baba Toloji. Exerce atividade na área de montagem de exposições de arte e museológicas, seu último trabalho foi no Museu de Arte Contemporânea de Campinas com a exposição realizada pelo CCLA - Centro de Ciências Letras e Artes. Atuante também na área de marketing cultural como coordenador e consultor cultural. Atualmente trabalha em seu atelier chamado Vivaz, onde desenhos e telas agora dividem espaço com os mais diversificados objetos escultóricos. 

Fonte: Saber Cultural 

RECEITA DO BLOG

SPAGUETTI AO FUNGHI E MIGNON 

INGREDIENTES PARA 1 PORÇÃO:
·         200 g espaquete cozido al dente
·         150 g de filé mignon
·         150 g de berinjela
·         50 g de cebola picada
·         50 g de parmesão
·         20 g de alho picado
·         100 ml de azeite
·         1 tomate picado
·         Sal, pimenta-do-reino, salsa e manjericão a gosto

MODO DE PREPARO
1. Cozinhe o macarrão à sua maneira e reserve.
2. Grelhe o filé mignon no azeite, incorpore a berinjela, o tomate, o manjericão, a salsa, e acerte o sal e pimenta-do-reino.
3. Adicione na frigideira o macarrão já cozido e finalize com o parmesão. 

Fonte: Receita de Paulo Novaes, do Sargento Garcia, Rua Padre Luciano, 154, Jardim França, tel. (11) 2953-6090, São Paulo, SP; sargentogarcia.com.br

CIRCULA NA INTERNET

GRUPO ERRADO
Não basta ser "corna", agora tem que ficar sem crédito.

IMAGEM DO DIA

Uma belíssima imagem da nossa amada Praia de Tibau - RN - Brasil.

PIADA DO BLOG

ALFREDÃO NO HOSPITAL
Dois amigos, Borjão e Marcão, do grande filósofo Alfredão,  se encontram no movimentado “Tio Armênio” no Shopping Rio Mar de Fortaleza:
- Borjão você sabe que o nosso amigo Alfredão está hospitalizado? - comenta Marcão.
O Borjão surpreso com a notícia questiona:
- Não pode ser! Ainda ontem eu o encontrei na festa de São João no Clube do Círculo Militar, dançando com uma loira fenomenal...
E o Marcão respondeu:
- Pois é, a Rosicléa mulher do Alfredão também viu...!

TEXTO DO BLOG

DESARMONIA INSTITUCIONAL
por Gaudêncio Torquato*

Por que a corrupção tanto se expandiu no Brasil, nos últimos tempos, se os órgãos de controle do Estado ganharam sólidas estruturas e melhoraram seu desempenho? A questão é instigante e merece reflexão. Certamente, há múltiplas causas para a extensão da criminalidade que age à sombra do Estado.
Por mais que a hipótese possa parecer absurda, uma das fontes do poder oculto é a própria Constituição de 88. Nossa Lei Maior é grande responsável por mazelas, distorções e ilegalidades.
Vamos explicar. Ao abrir o leque de direitos sociais e individuais, a Constituição Cidadã construiu vigas com a argamassa da autonomia, das liberdades e das competências funcionais.
Sistemas e aparelhos se robusteceram para exercer com independência suas tarefas. Estado liberal e Estado social tiveram de convergir na direção do Estado Democrático de Direito. Sob sua égide, o Poder Judiciário assumiu posição de relevo. Hoje, exerce papel preponderante na construção de nossa via de­mocrática.
Como já tivemos oportunidade de mostrar, em razão dos buracos abertos na Constituição – não preenchidos por legislação infraconstitucional – o Poder Judiciário passou a realizar tarefas que caberiam ao Poder Legislativo.
Urge reconhecer: o corpo parlamentar deixou espaços vazios, ao não dar respostas à questões transcendentais. Como não ocupou os imensos vácuos abertos na CF, outro Poder teria de fazê-lo. É o que ocorreu e vem ocorrendo. (A propósito, compete ao Supremo afastar um senador ou autorizar sua prisão?).
Portanto, o teor crítico à judicialização da política deve levar em consideração a ausência de legislação infraconstitucional. Razoável parcela de tensões entre os Poderes pode ser creditada a essa situação.
DISPUTAS E TENSÕES
Mas outras instituições do Estado, voltadas para a defesa do regime democrático, da ordem jurídica e de defesa da sociedade também ganharam impulso. O Ministério Público, alçado à condição de instituição essencial à função jurisdicional do Estado e com acrescida bagagem normativa, incorporou de maneira plena a missão de ser o guardião mor da sociedade. Sua atuação ganhou o respeito dos cidadãos.
Nos últimos tempos, porém, sua atuação passou a ser ques­tionada. Razões: o excesso de exposição pública, o açodamento e pressa em suas ações, certo toque de brilho e vaidade que parece motivar a farta expressão de procuradores na mídia e mesmo uma dose de arrogância.  Ou seja, discrição e comedimento são deixados de lado.
A par de decisões polêmicas como essa do Procurador Geral da República, que aceita um acordo de delação premiada por parte de um personagem que confessa uma infinidade de crimes, mas ganha o perdão por delatar a figura do presidente da República. O fato causa estranheza.  
Já a Polícia Federal ganhou força como órgão encarregado de exercer a segurança pública para pre­servar a ordem e a incolumidade das pessoas e do patrimônio. Passou a agir em parceria com o Judiciário, mas abriu arestas com o MP, com quem parece disputar funções, particularmente no campo da investigação. Sua extensa folha de serviços, alargada por maior profissionalismo, penetra nos cantos obscuros da vida criminosa e nos porões incrustados nas malhas da administração pública. Mas também é criticada por imprimir certa camada de espetacularização nas ações que ganham nomes simbólicos – prisões, condução coercitiva, apreensão de documentos etc. Os papéis foram bem definidos pela CF, que propiciou ao aparelho do Estado a com­petência para organizar estruturas e métodos capazes de garantir a sua segurança e alcançar o equilíbrio social.
INVASÃO DE COMPETÊNCIAS
Outros aparelhos também fazem apurações e controles, como a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o Tribunal de Contas da União (TCU), a Corre­gedoria-Geral da União, além dos instrumentos do Parlamento, como a Comissão Mista de Controle sobre Atividades de Inteligência e Comissões Parlamentares de Inquérito. Em suma, o Estado possui má­quina mais que suficiente para monitorar as retas e curvas das pessoas físicas e jurídicas. Mas há muitas curvas nessas trilhas.
A pletora de órgãos de controle abre imensos espaços, propiciando a interpenetração de funções e competências. Não raro, os membros de cada setor divergem, alguns se queimando no fogo das vaidades. No Estado-Espetáculo, os atores tentam, cada qual a seu modo, chamar a atenção.
E assim, o bem-estar coletivo fica sob a égide do personalismo que caracteriza a atuação dos aparelhos do Estado. Fulanos e sicranos têm seus nomes criticados ou elevados ao Panteão da Pátria. A crise que solapa a base da política afunda os participantes da esfera congressual e dá impulso a membros de outros Poderes.
O juiz Sérgio Moro e o procurador Delton Dellagnol ganham loas da sociedade. Alas e grupos se formam no interior de estruturas disputando posições. Basta ver os nomes – oito – que disputam de maneira aguerrida o cargo de Procurador Geral da República na vaga de Rodrigo Janot.
A desarmonia se expande na esteira das disputas. Os círculos de negócios avançam sobre as estruturas do Estado, formando teias de interesse, cooptando integrantes da burocracia e procurando apoio na esfera política.
A tríade descrita por Roger-Gérard Schwartzenberg mostra-se ativa: esse triângulo liga o poder político,  alta administração e os grupos de negócios. Diz ele: “esses três universos cruzam-se cada vez mais, recortam-se, penetram-se”. Desenvolve-se uma simbiose. E a corrupção acaba se aproveitando desse estado de coisas.
Em paralelo, assiste-se ao declínio dos mecanismos clássicos da política: partidos sem doutrina, parlamento sem força, oposições sem projetos, aderentes/eleitores sem motivação para vida partidária.
A luz no fim do túnel deixa ver o despertar da democracia participativa, alimentada por novos polos de poder: grupos e movimentos organizados, entidades que passam a fazer pressão sobre os Poderes tradicionais. Sob essa radiografia, distinguem-se sinais, mesmo opacos, de esperança. 

(*) Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter @gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
O Ibovespa, principal índice de ações da bolsa de valores brasileiras, fechou em alta na quinta-feira (29), com o mercado ainda adotando cautela devido à crise política. Nesta manhã, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, enviou ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a denúncia da Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer pela acusação de corrupção passiva. No início da tarde, Temer foi notificado oficialmente pela Câmara dos Deputados. O índice encerrou em 62.238 pontos, alta de 0,36% no dia. No ano, o índice tem avanço de 3,34%. Já no mês, o Ibovespa acumula queda de 2,88%. 

COMMODITIES
UNIDADE
COMPRA
VENDA
VARIAÇÃO
Petróleo (Brent)
Barril
US$ 47,060
US$ 47,080
+1,23%
Ouro
Onça troy
US$ 1244,910
US$ 1245,680
+0,03%
Prata
Onça troy
US$ 16,643
US$ 16,648
+0,12%
Platina
Onça troy
US$ 916,990
US$ 924,500
-0,13%
Paládio
Onça troy
US$ 848,250
US$ 854,250
+0,06%

CÂMBIO
COMPRA
VENDA
VARIAÇÃO
Dólar com.
3,3075
3,3080
+0,7%
Dólar tur.
3,2900
3,4800
+0,29%
Euro
3,7776
3,7785
+1,18%
Libra
4,2939
4,2949
+1,22%
Pesos arg.
0,2001
0,2002
0,0%







INDICADORES
VALOR
ATUALIZAÇÃO
Salário Mínimo
R$ 937,00
2017
Global 40
+112,32%
29.Jun.2017
TR
+0,09%
29.Jun.2017
CDI
+10,14%
29.Jun.2017
SELIC
+10,25%
31.mai.2017

INFLAÇÃO
ÍNDICE
MÊS
VALOR
IPCA
Mai.17
+0,31%
IPC-Fipe
Mai.17
-0,06%
IGP-M
Jun.17
-0,67%
INPC
Mai.17
+0,36%


quinta-feira, 29 de junho de 2017

CITAÇÃO DO DIA

“Saber exatamente qual a parte do futuro que pode ser introduzida no presente é o segredo de um bom governo.”  (VICTOR HUGO)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

CONTAS EXTERNAS TÊM MAIOR SUPERÁVIT PARA MESES DE MAIO EM 23 ANOS
As contas externas voltaram a ficar no azul em maio, quando foi registrado um superávit de US$ 2,88 bilhões, informou o Banco Central na terça-feira (27). Foi o terceiro mês seguido de resultado positivo. Esse também foi o melhor resultado para meses de maio desde o início da série histórica do Banco Central, em 1995. Deste modo, foi o melhor mês de maio em 23 anos. A conta de transações correntes é formada pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior). O bom resultado das contas externas em maio está relacionado, novamente, com o saldo positivo da balança comercial brasileira que, em maio passado, apresentou o melhor resultado da série histórica do Ministério da Indústria para o mês.
ACUMULADO DO ANO
No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, porém, as contas externas registraram déficit de US$ 616 milhões. Apesar do resultado negativo, ele foi bem menor que o registrado no mesmo período do ano passado, quando totalizou US$ 5,99 bilhões. O chefe-adjunto do Departamento Econômico do Banco Central, Fernando Rocha, disse que o déficit em transações correntes, no acumulado deste ano, é o melhor resultado para este período desde 2007. Para todo o ano de 2017, o Banco Central revisou para US$ 24 bilhões sua projeção para o déficit em transações correntes, que antes estava em US$ 30 bilhões. No ano passado, o rombo das contas externas somou US$ 23,5 bilhões, melhor resultado para um ano fechado desde 2007.
INVESTIMENTO ESTRANGEIRO
O Banco Central também informou nesta terça-feira que os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira atingiram US$ 2,92 bilhões em maio, com queda frente ao mesmo mês do ano passado, quando os investimentos totalizaram US$ 6,14 bilhões. No acumulado dos cinco primeiros meses deste ano, porém, houve crescimento dos investimentos estrangeiros: US$ 32,45 bilhões, contra US$ 29,91 bilhões no mesmo período do ano passado. Esse resultado foi influenciado pelo aporte recorde de investimentos estrangeiros em janeiro. Para 2017, o Banco Central manteve em US$ 75 bilhões sua estimativa para os investimentos estrangeiros diretos na economia brasileira. Deste modo, os investimentos continuariam suficientes para "financiar" em sua totalidade o déficit das contas externas do período – cuja estimativa do BC é de US$ 24 bilhões neste ano.
COMPONENTES DAS CONTAS EXTERNAS
Os números do BC revelam que o bom resultado das contas externas em maio deste ano está relacionado principalmente com a melhora do resultado da balança comercial. No mês passado, a balança comercial registrou um superávit (exportações maiores que importações) de US$ 7,41 bilhões. No mesmo período de 2016, a balança teve um superávit menor: de US$ 6,22 bilhões. Para 2017, o BC subiu de US$ 51 bilhões para US$ 54 bilhões a sua estimativa para o saldo positivo da balança comercial. Em maio deste ano, a conta de serviços, na qual estão inseridos os gastos de brasileiros no exterior, registrou um déficit de US$ 2,47 bilhões, contra um resultado negativo de US$ 2,48 bilhões no mesmo período de 2016. O BC baixou de US$ 36,7 bilhões para US$ 34 bilhões a estimativa de déficit para conta de serviços neste ano. Ao mesmo tempo, as chamadas "rendas primárias", compostas, entre outros, pelas remessas de juros e lucros ao exterior, tiveram um déficit de US$ 2,26 bilhões em maio neste ano, contra um resultado negativo de US$ 2,82 bilhões no mesmo período do ano passado. Para a conta de rendas, o BC baixou de US$ 47,6 bilhões para US$ 46,8 bilhões sua previsão de déficit para o ano de 2017.

CIENTISTAS REVELAM RARO METEORITO DE 4,5 BILHÕES DE ANOS NA HOLANDA
Cientistas holandeses revelaram nesta semana a descoberta de um meteorito com cerca de 4,5 bilhões de anos de antiguidade, que poderia conter indícios preciosos relativos à criação do nosso sistema solar. "Os meteoritos são muito especiais, visto que não temos rochas desta idade na Terra", declarou o geólogo Leo Kriegsman, do Centro de biodiversidade Naturalis de Leiden, em um vídeo difundido no Youtube. Com o tamanho de um punho fechado e cerca de 500 gramas de peso, o meteorito atravessou com grande velocidade o teto de um alpendre na pequena localidade de Broek, em Waterland, ao norte de Amsterdã, em janeiro passado. Apesar de terem sido realizadas buscas intensas, não foram encontrados outros fragmentos deste meteorito, descoberto por moradores do lugar. Apesar de que a cada quatro anos ocorrem verdadeiras chuvas de meteoritos neste país, as pequenas rochas espaciais são muito difíceis de encontrar. Trata-se apenas do sexto meteorito descoberto na Holanda nos últimos 200 anos. "Podemos aprender mais sobre o que aconteceu no início do sistema solar, quando uma nuvem estelar se fragmentou e começaram a se formar minerais, e então começaram a se criar planetoides pela primeira vez", explica Kriegsman. "Isto nos oferece informação sobre o que ocorreu no começo, quando a Terra se formou", acrescenta. O geólogo estimou que o meteorito provém da região que se estende entre Marte e Júpiter, onde há um grande cinturão de asteroides, com "muitas rochas e pequenos planetas", que às vezes saem das suas órbitas. O Centro de biodiversidade de Leiden realizou testes exaustivos com este meteorito antes revelar sua existência, nesta semana. "Queremos estar 100% seguros da espécie do meteorito, e por isso primeiro devemos realizar pesquisas", explicou Kriegsman à AFP.

A PERGUNTA DE QUASE CEM ANOS SOBRE O MAL DE PARKINSON QUE ACABA DE SER RESPONDIDA
Uma equipe científica diz ter encontrado a primeira evidência direta de que o mal de Parkinson pode ser "autoimune". Segundo cientistas, o sistema imunológico atacaria células do cérebro em pessoas que sofrem da doença. Essa hipótese surgiu pela primeira vez há quase um século, mas até agora não havia informações suficientes para confirmá-la. A descoberta foi publicada em detalhes na revista científica Nature e mostra que medicamentos indicados para o sistema imunológico podem ajudar a controlar a doença. O mal de Parkinson causa danos progressivos no cérebro, que geram tremores e dificuldades de movimento. Em paralelo, o cérebro dos pacientes que sofrem da doença acumula níveis muito altos da proteína alfa-sinucleína. Os pesquisadores do centro médico da Universidade Columbia e do Instituto de La Jolla para Alergia e Imunologia, nos EUA, descobriram que as células-T, que fazem parte do sistema imunológico, atacam a alfa-sinucleína. Isso significa que o sistema imunológico de quem sofre do mal de Parkinson identifica essa proteína como um invasor estranho, como se fosse uma bactéria ou vírus, e ataca-a para defender o organismo. Os cientistas acreditam que, nesse processo, o sistema imunológico acaba matando também células cerebrais boas que acumulam essas proteínas. "A ideia é que uma falha no sistema imunológico contribui para o mal de Parkinson. Isso é algo que já se suspeitava havia quase cem anos", disse à BBC David Sulzer, um dos pesquisadores da Universidade Columbia. "Até agora, porém, ninguém havia conseguido conectar os pontos". A pesquisa foi feita com análise do sangue de 67 pacientes com Parkinson para tentar encontrar evidências de autoimunidade.
OUTRAS HIPÓTESES
Sulzer acredita que esse estudo tem forte elo com outra hipótese sobre o mal de Parkinson: a de que a doença poderia ter início no intestino. "Suspeitamos que as células-T primeiro identificam a alfa-sinucleína no sistema nervoso do intestino, o que não causa nenhum problema. O problema começa quando as células-T entram no cérebro", explicou Sulzer. "Nossos resultados sugerem a possibilidade de utilizar-se uma estratégia com imunoterapia para aumentar a tolerância do sistema imunológico com relação à alfa-sinucleína, o que poderia ajudar a melhorar ou prevenir o agravamento dos sintomas do mal de Parkinson", agregou o médico Alessandro Sette, da La Jolla. Para David Dexter, da organização beneficente Parkinson UK, a descoberta dá maior peso à ideia de que o mal de Parkinson pode envolver uma "falha" ou "confusão" do sistema imunológico, que acaba danificando células boas do cérebro para combater a proteína que identifica como invasora. No entanto, ele faz uma ressalva. "Ainda temos que entender muito mais sobre como esse sistema imune pode estar envolvido na complexa cadeia de eventos que contribuem para o mal de Parkinson". "Essa descoberta apresenta uma nova via para explorar o desenvolvimento de novos tratamentos que podem amenizar ou até controlar o progresso da doença", afirmou Dexter.

RIVISTA DO MINO



Hermínio Macêdo Castelo Branco (Mino) é cearense, natural de Fortaleza. Filho de Francisca Macêdo e Raimundo Castelo Branco, nasceu no dia 3 de maio de 1944. Formado em Direito pela UFC (inscrito na OAB), a lista de suas atribuições é extensa: desenhista, artista plástico, cartunista, programador visual, projetista gráfico, poeta bissexto, livre pensador, autor de histórias, fábulas e contos infantis, ilustrador e publicitário. Trabalhando em agências de publicidade e colaborando com quase todos os jornais de Fortaleza, passou vários anos dedicado ao trabalho de criação de marcas, programação visual e projetos gráficos. Edita sua própria publicação mensal "RIVISTA", distribuída através da editora "RISO" (de sua propriedade) para vários colégios no Ceará. RIVISTA contém toda a diversificação de seu trabalho: fábulas, contos, frases, pensamentos, artigos, poesias, ilustrações e cartuns. O "Blog do Borjão" em homenagem ao Mino disponibiliza às 5ª feiras o tópico "RIVISTA DO MINO".

SAÚDE NO BLOG

FITOTERÁPICOS AJUDAM A COMBATER A DEPRESSÃO E ANSIEDADE 

por Bruna Nastas 

Os tratamentos fitoterápicos são uma ótima alternativa para quem busca fugir da medicina tradicional.  "Os fitoterápicos, que são feitos com plantas e agem de forma semelhante às drogas sintéticas, diferentemente das plantas medicinais. Como todo medicamento, passam por uma série de pesquisas para comprovar sua eficácia. Já as plantas medicinais podem ser usadas de outras maneiras, como no preparo de chás, por exemplo”, explica a nutricionista e fitoterapeuta Ana Paula Moura. No caso de doenças que afetam o sistema nervoso e o equilíbrio emocional, como depressão e ansiedade, esse tipo de tratamento vem ganhando cada vez mais adeptos. "A ansiedade é uma reação normal diante de situações que podem provocar medo, dúvida ou expectativa. Já o transtorno da ansiedade generalizada (TAG), segundo o manual de classificação de doenças mentais (DSM.IV), é um distúrbio caracterizado pela 'preocupação excessiva ou expectativa apreensiva', desproporcional ao fator gerador, persistente e de difícil controle, que perdura por seis meses no mínimo e vem acompanhado por três ou mais dos seguintes sintomas: inquietação, fadiga, irritabilidade, dificuldade de concentração, tensão muscular e perturbação do sono". A profissional ressalta que a maioria das plantas medicinais tem contraindicações e até efeitos colaterais perigosos quando usados incorretamente. Conheça:
1) Melissa (Melissa officinalis) - "Uma superdose de erva cidreira pode acarretar em uma hipotensão, ou seja, baixa da pressão arterial, em indivíduos com pré-disposição".
2) Camomila (Matricaria recutita): "Esta planta medicinal tem raros relatos de contraindicação". É uma ótima alternativa para substituir os calmantes.
3) Erva-de-são-joão (Hypericum perforatum): "É a mais eficiente para combater a depressão, mas não pode ser tomado sem uma prescrição e, principalmente, sem o acompanhamento do profissional habilitado. Contraindicado para crianças, gestantes e lactantes. Não deve ser utilizado juntamente com vários medicamentos alopáticos, pois produz interações medicamentosas prejudiciais (anticoagulantes, alguns antidepressivos, anticoncepcionais orais, entre outros)".
4) Passiflora (Passiflora incarnata): "Essa espécie de maracujá ajuda a controlar crises de ansiedade e depressão. Contraindicado na gestação e no uso concomitante com depressores do sistema nervoso".
5) Valeriana (Valeriana officinalis): Com propriedades extraídas da raiz, é uma ótima alternativa para melhorar o sono. Contraindicado para crianças abaixo de 12 anos, gestantes e lactantes. Em doses altas e uso prolongado pode síndrome de abstinência com a retirada abrupta do fitoterápico".