Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

quarta-feira, 31 de maio de 2017

CITAÇÃO DO DIA

“Política é quase tão excitante quanto a guerra, e quase tão perigosa. Na guerra, você é morto uma vez mas em política, várias vezes.”  (SIR WINSTON CHURCHILL)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG

GOVERNO ADIA VOTAÇÃO DA REFORMA TRABALHISTA NO SENADO
Um acordo entre governistas e oposição adiou para a próxima terça-feira (6) a primeira das quatro votações previstas para a reforma trabalhista no Senado. Com o adiamento, a análise do texto agora está prevista para o mesmo dia que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) marcou o julgamento que pode cassar o presidente Michel Temer. Para o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), a coincidência nas datas não prejudica a tramitação da reforma no Senado. "A reforma não é mais do governo, e sim do Congresso", disse. Os dois lados saíram comemorando vitória. Para Jucá, houve um avanço. "Em vez de ficarmos discutindo questões de ordem ou regimentais, preferimos ir para o debate e encerramos a leitura. Com isso, na terça que vem votamos", disse. Já Lindbergh Farias (PT-RJ) disse que o senador Paulo Paim (PT-RS) firmou acordo mais cedo com o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), Tasso Jereissati (PSDB-CE). Para ele, houve uma "vitória" para a oposição. "Estou esperançoso", disse, sobre o texto não ser aprovado na velocidade que quer o governo. Na semana passada, senadores trocaram agressões e a sessão foi interrompida, impedindo a apresentação do relatório de Ricardo Ferraço (PSDB-ES). Para evitar que a cena se repetisse, governistas e oposicionistas concordaram em concluir a leitura do texto e deixar para votar na próxima semana.
FALTAM VOTOS
Nos bastidores da Comissão, opositores diziam que o governo não teria os votos necessários para aprovar a matéria na sessão na terça, 30. A falta de votos favoráveis à aprovação do texto exatamente como ele foi aprovado na Câmara foi negada por Jucá. "Tínhamos voto. [O acordo] não é medo de perder". Mais cedo, o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, afirmou durante evento em São Paulo com investidores que o projeto seria aprovado na Casa ainda nesta semana. "Não há outra opção no Brasil, a não ser prosseguir e triunfar", disse. O avanço da proposta é prioritário para o presidente Michel Temer como forma de demonstração de força em meio à crise política deflagrada pela delação premiada do empresário Joesley Batista. O Palácio do Planalto pretendia atropelar os protestos da oposição contra o projeto na sessão da CAE desta terça para tentar levar o texto ao plenário ainda nesta semana –estratégia da qual Temer acabou recuando.
DISCUSSÃO
Depois de Ferraço terminar de ler seu relatório, senadores da oposição pediram a palavra para criticar a proposta feita no texto de que o presidente Michel Temer vete alguns pontos da reforma para regulamentá-los posteriormente via medida provisória. O relator e o governo escolheram esse caminho para evitar alterações na proposta que forçariam seu retorno à Câmara dos Deputados, quando a intenção é aprová-la o quanto antes. "Nós vamos mexer nas leis trabalhistas, numa proposta que veio do Executivo. A Câmara fez mais de cem modificações, e o Senado Federal não pode fazer nenhuma, tem de aprovar aquilo que veio da Câmara", ironizou o senador Jorge Viana (PT-AC). "Acho que é de tremenda irresponsabilidade fazermos isso", emendou. Dentre os temas com pedido de veto presidencial estão a permissão para que grávidas e lactantes trabalhem em locais considerados insalubres desde que passem por avaliação de um médico, a possibilidade de acordo individual estabelecer a chamada jornada 12 por 36, a criação do trabalho intermitente e a regulação dos representantes dos empregados em empresas com mais de 200 funcionários, conforme texto que já havia sido disponibilizado por Ferraço na semana passada. Nesta sessão, o relator defendeu a estratégia e afirmou que ela configura uma chance de o Senado fazer valer sua vontade diante do risco de as mudanças serem derrubadas na Câmara caso fossem incorporadas no relatório. "Se incluirmos [esses pontos] no relatório e [ele] voltar para Câmara, como vamos garantir o aperfeiçoamento do debate que fizemos aqui? Não gostaria de ver esses pontos sendo derrotados na Câmara porque os deputados já demonstraram sua opinião", disse Ferraço.

NASA ESTÁ PRESTES A ANUNCIAR NOVA SONDA QUE VAI "TOCAR O SOL"
A NASA marcou para nesta quarta-feira (31) o anúncio de uma sonda que promete "tocar o Sol", de acordo com a própria agência. A nave vai precisar lidar com temperaturas altíssimas e radiação em um nível que nenhuma outra precisou lidar. A ideia é que ela traga informações que nos ajudem a prever tempestades solares e a revelar os segredos da nossa estrela mais próxima. A nova sonda vai chegar mais perto do Sol do que a Helios 2, instrumento lançado em 1976, que chegou a 43 milhões de quilômetros da superfície da estrela. A missão Sonda Solar Plus, estimada em 1,5 milhão de dólares, deve ser lançada em agosto de 2018. A pequena nave treinará na órbita de Vênus por sete anos antes de ficar a seis milhões de quilômetros da superfície do Sol. Parece meio longe, mas é o suficiente para rastrear os campos magnéticos e analisar algumas partículas solares sem derreter por completo. Para Brad Tucker, da Universidade Nacional da Austrália, a grande novidade tecnológica da sonda está no escudo térmico. "Trata-se de um escudo feito de carbono com 11,5 centímetros de espessura, que pode aguentar temperaturas próximas de 1.400°C. O uso dos compostos de carbono estão nos permitindo fazer coisas muito complicadas", informou o cientista ao Science Alert. Segundo o cientista entender as atividades solares é fundamental para que os humanos comecem a explorar o Universo.  A NASA vai transmitir o anúncio oficial ao vivo nesta quarta-feira (31), às 12 horas, pela NASA TV

VOCÊ DEVERIA SEMPRE COBRIR A SUA WEBCAM, AFIRMA DIRETOR DO FBI
Se você tinha dúvidas sobre tampar ou não a webcam do seu computador, fica a declaração do diretor do FBI: todos deveriam fazê-lo sempre. Em conversa com o público em Washington, nos Estados Unidos, James Comey, do Federal Bureau of Investigation, deu essa e algumas outras dicas sobre segurança. Comey afirmou que ele mesmo sempre deixa a webcam de seu notebook coberta com fita ou um pedaço de papel. "Zombaram bastante de mim por conta disso", afirmou o diretor, como aponta o Business Insider. "Mas não é maluco que o diretor do FBI fique ligado em sua segurança pessoal e eu espero que as outras pessoas façam o mesmo. Existem várias coisas com as quais precisamos tomar cuidado e essa é uma delas". O diretor não é o único a ceder à medida de segurança: grandes nomes da tecnologia, como Mark Zuckerberg, do Facebook, cobrem suas webcams para se proteger se possíveis ataques de hackers. Comey aponta ainda que os consumidores devem ler sobre a segurança dos dispositivos que compram e acompanhar as novidades sobre o assunto. "Acredito que as pessoas têm que ser sensatas no que diz respeito à segurança; fazer perguntas e não presumir que alguém cuidará da segurança por elas são alguns passos necessários", disse. 

CINEMA NO BLOG

A MULHER MAIS LINDA DO MUNDO (1955)
La donna più bella del mondo 

FICHA TÉCNICA
Outros Títulos:
A mais bela do mundo (Portugal)
La belle des belles (França, Bélgica)
La mujer más guapa del mundo (Espanha)
La mujer más bella del mundo (Argentina)
Beautiful but dangerous (Estados Unidos, Reino Unido)
Die schönste Frau der Welt (Austria, Alemanha)
Världens vackraste kvinna (Suécia)
De mooiste Vrouw van de Wereld (Holanda) 
Pais:
França, Itália
Gênero:
Comédia Dramática
Direção:
Robert Z. Leonard
Roteiro:
Mario Monicelli, Liana Ferri, Piero Pierotti, Franco Solinas e outros
Produção:
Maleno Malenotti
Música Original:
Renzo Rossellini
Coreografia:
Margarete Wallmann
Fotografia:
Mario Bava
Edição:
Eraldo Da Roma
Direção de Arte:
Alberto Boccianti
Figurino:
Veniero Colasanti, Vittorio Nino Novarese
Maquiagem:
Anacleto Giustini
Efeitos Sonoros:
Mario Messina

ELENCO
Gina Lollobrigida
Lina Cavalieri
Vittorio Gassman
Príncipe Sergei Bariatonsky
Robert Alda
Maestro Doria
Anne Vernon
Carmela
Tamara Lees
Manolita
Gino Sinimberghi
O tenor Silvani
Nanda Primavera
Olimpia, mãe de Lina
Enzo Biliotti
Perret
Marco Tulli
Juiz de um duelo
Rolf Tasna
Lefebre
Peter Trent
Visconde de Turin
Loris Gizzi
Duval
Nico Pepe
Louis
Gianni Baghino
Emilio
Valeria Fabrizi
Silvana
Nicla Di Bruno
Angela
Amina Pirani Maggi
Nora

PRÊMIOS
Prêmios David di Donatello, Itália
David de Melhor Atriz (Gina Lollobrigida)
Prêmios Bambi, Alemanha
Prêmio Bambi de Melhor Atriz Internacional (Gina Lollobrigida)

VIDEOCLIPES

SINOPSE
Lina Cavalieri é uma jovem italiana humilde que, ao ficar órfã aos 15 anos, passa à custódia do Estado, sendo enviada para viver num orfanato católico. Jovem inquieta e ativa, sentindo-se infeliz sob a guarda de freiras, ela foge junto a um grupo de teatro ambulante. Certo dia, durante uma apresentação do grupo teatral, quando a cantora adoece, ela sobe ao palco em seu lugar. Embora vaiada, sua beleza e potencial artístico são vislumbrados pelo príncipe russo Sergei Bariatonsky, que se achava na plateia. O príncipe lhe presenteia com um valioso anel e decide custear-lhe os estudos. Com um extraordinário talento para o canto, ela inicia sua carreira nas mãos do maestro Doria, que a leva à Paris para sua primeira grande apresentação. Desenvolvendo o canto para a ópera, Lina torna-se uma das maiores sopranos de sua época e, aos 26 anos, casa-se com seu primeiro marido, o príncipe Sergei, a quem ela devia tudo que conquistara na vida, principalmente seus estudos.

COMENTÁRIOS
Realizada pelo cineasta americano Robert Z. Leonard, a partir de um roteiro escrito por Mario Monicelli, Liana Ferri, Piero Pierotti e outros, “A Mulher mais linda do Mundo” é uma produção franco-italiana produzida em 1955. Sua trama conta a história da famosa cantora de óperas italiana, Lina Cavalieri, nascida em 1874, e conhecida, no início do século XX, como a mulher mais bela do mundo. Embora não seja extraordinária, a direção de Z. Leonard se mostra bastante segura, bastante clássica. A fotografia, a cargo de Mario Bava, é outro quesito técnico que merece elogios. Merece ainda ser citada, a maravilhosa trilha sonora, assinada por Renzo Rossellini, com músicas de Giuseppe Verdi, Giacomo Puccini, Paolo Tosti, dentre outros. No elenco, o maior destaque é, sem nenhuma dúvida, Gina Lollobrigida, no auge de sua beleza, interpretando com sua própria voz músicas de Giuseppe Verdi, Giacomo Puccini, Paolo Tosti, Renzo Rossellini, dentre outros.


por Carlos Augusto de Araújo

TURISMO NO BLOG

VIAGEM GARANTIDA: 6 DICAS PARA NÃO SER BARRADO EM AEROPORTOS INTERNACIONAIS 

Quem não sente um leve frio na barriga na hora de passar pela imigração de um aeroporto internacional? Notícias de turistas que já foram deportados, a feição geralmente carrancuda dos oficiais, o medo de não poder curtir as tão sonhadas férias… tudo contribui para que o momento seja potencialmente tenso. Siga as seis dicas abaixo e a chance de você ser chamado para a temida salinha de interrogatórios –e, eventualmente, ser mandado de volta para casa– será mínima:
1.   USE ROUPAS APROPRIADAS
Turista não precisa de roupa social. Em vez de impressionar os oficiais, você pode levantar suspeitas. Para eles, isso pode ser um indício de que a pessoa quer usar a boa aparência para evitar interrogatórios e, depois, ficar ilegalmente no país. Mas também não precisa chegar de regata, bermuda puída e chinelos: isso pode fazer os oficiais pensarem que você não tem dinheiro para bancar suas férias e fazê-lo perder tempo com perguntas sobre sua conta bancária.
2.   LEVE MALAS SUFICIENTES
Certa vez, este repórter presenciou um casal brasileiro ser levado do terminal de desembarque de um aeroporto dos Estados Unidos para a sala de interrogatórios. O motivo: depois de passarem pela imigração, os dois pegaram uma quantidade enorme de malas na esteira. Oficiais viram que as bagagens não condiziam com o tempo que o casal afirmou que ficaria de férias (o que levantou a suspeita de que os dois iriam se mudar ilegalmente). E o casal foi conduzido para responder a algumas perguntas. Um pouco mais de parcimônia na hora de montar a mala, com uma quantidade de peças suficiente para usar durante o passeio, teria, provavelmente, evitado isso.
3.   CHEQUE A SITUAÇÃO DE SEU ANFITRIÃO
Se pretende ficar na casa de amigos, verifique como está a situação deles no país. Se o anfitrião for um brasileiro ilegal e o agente de imigração descobrir, você pode ser barrado.
4.   IMPRIMA TUDO
Sempre leve impressas, na bagagem de mão, a passagem aérea de volta e reserva de seu hotel ou do Airbnb (ou os dados de contato e uma carta-convite do amigo ou familiar que irá te hospedar). Diversos países podem exigir que o viajante mostre esta reserva em suas fronteiras. Nações europeias do Espaço Schengen (como Espanha, França, Portugal e Itália) também cobram um seguro-assistência com cobertura mínima de 30 mil euros.
5.   TENHA DINHEIRO NA CARTEIRA
Os oficiais podem pedir para ver se sua carteira está abastecida. Por isso, ter dinheiro vivo e pelo menos um cartão de crédito internacional é essencial. Nas fronteiras do Espaço Schengen, por exemplo, os viajantes podem ser obrigados a provar que têm pelos menos 65 euros para gastar por dia de viagem.
6.   FIQUE DE OLHO NAS EXIGÊNCIAS DO PAÍS
Muitos países adotam regras específicas: a Austrália, por exemplo, pede o certificado de vacina da febre amarela para brasileiros. Já o Líbano impede a entrada de quem tenha o carimbo de ingresso em Israel em seu passaporte (por conta das guerras e crises políticas entre as nações). Em Israel, você tomará uma canseira se disser que vai visitar amigos árabes ou entrar em territórios palestinos, como Ramallah, Jericó e Nablus. Para eles, você será um potencial agitador político pró-Palestina contra o governo. E, claro: verifique sempre se o país exige visto antecipado.

 Fonte: UOL

CIRCULA NA INTERNET

AMOR ESTAMPADO

Com vocês, a camisa do cara mais seguro do mundo:

IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem da aconchegante Natal - RN - Brasil.

PIADA DO BLOG

A VIÚVA DO RABINO
Um rabino, ainda jovem, falece tragicamente num acidente. Como ele vivia em uma comunidade pequena, todos se conhecem e, depois de algum tempo, acabam aconselhando a viúva a que volte a se casar... Na comunidade (kibutz) havia somente um candidato disponível e era um mecânico, simpático, mas com pouca instrução. Embora relutasse no início, pois era habituada a viver com uma pessoa erudita, a viúva finalmente aceita. Após o casamento, na sexta-feira, véspera de Shabat, após o banho ritual no mikve, o mecânico diz à sua nova esposa:
- Minha mãe sempre falou que era uma boa ação praticar sexo antes de ir para a sinagoga.
Foi dito e feito. Voltando da igreja, ele informa:
- Segundo meu pai, é uma santa obrigação fazer sexo antes de acender as velas de Shabat.
Foi dito e feito, de novo. Pouco antes de irem dormir, o mecânico volta ao assunto:
- Meu avô sempre disse que é costume fazer sexo no Shabat.
Resultado: foi dito e feito, mais uma vez. Amanhecendo o dia seguinte, ele diz:
- Minha tia Sarah, muito religiosa, me disse certa vez que um bom judeu não começa a manhã de Shabat sem ter sexo.
Adivinhe o que aconteceu... A viúva, já no domingo, sai para fazer compras. No mercado encontra com várias amigas, que perguntam:
- E aí? Que tal é o novo marido?
- Bom - responde ela - não é tão instruído como o anterior, mas vem de uma família maaaaaraaaaaaaaviiiilhooooooooosaaaaa...

TEXTO DO BLOG

INCENDIAR MINISTÉRIOS É ATO DE TERRORISMO
por Ruth de Aquino*

Talvez, no dia em que chamarmos as coisas pelos nomes que elas têm, fique mais claro saber como agir. Dilapidar patrimônio público, intimidar servidores com rojões e bombas, roubar computadores do Estado, pichar a catedral, colocar fogo na Esplanada dos Ministérios, com o risco de ferir ou matar alguém que nada tem a ver com luta política ou ideológica, não é só baderna de jovens inconsequentes.
Se continuarmos a passar a mão na cabeça mascarada de black blocs ou a tecer teses acadêmicas sobre o desencanto juvenil com a política, sem prender quem vandaliza a democracia e sem identificar quem está por trás desses atos criminosos, correremos o risco de jogar o país na anarquia e na radicalização. Interessa a quem? Não à população, que odeia quebra-quebra.
Estou cansada de ouvir autoridades como o ministro da Defesa, Raul Jungmann, dizer que a manifestação contra Michel Temer “degringolou” porque os ânimos estavam “exacerbados”. Vamos combinar que isso acontece desde 2013, quando as ruas acordaram em protestos contra a corrupção generalizada. O roteiro é o mesmo. A manifestação começa ordeira e pacífica e, de repente, degringola com excessos da Polícia Militar ou de mascarados “infiltrados”.
Num momento em que o presidente é alvo de 13 pedidos de impeachment, um deles da OAB, sob acusação de graves crimes de improbidade, as forças da lei e da ordem não podem ser “surpreendidas” por um bando que escapa à revista dos policiais e sai quebrando os prédios do governo. E só sete são presos e logo liberados? É muita desmoralização do aparato de segurança na capital, Brasília. O protesto nem sequer foi espontâneo. Foi marcado. Quinhentos ônibus levados por centrais sindicais a Brasília. Quando ouço mencionar a “inteligência” de nossas forças de segurança, tenho vontade de rir.
Não me preocupo com os deputados e senadores, que se encarregam de xingar e se agredir uns aos outros, em cenas de black bloc explícitas, sem máscara, uma bagunça de baixo nível. Não dá para esperar muito de um Congresso com tantos investigados por corrupção, propina e desvios. Nossos políticos se igualam aos arruaceiros na ignorância.
E o que dizer de nossa Polícia Militar? Em Brasília, um PM deu tiro no chão e chutou a perna de André Coelho, do jornal O Globo, mesmo após ele se identificar como repórter fotográfico. Vimos o PM gordinho, sem preparo físico nem psicológico, correr atirando com arma de fogo. Queremos mártires para justificar endurecimento do regime? Queremos ficar parecidos com a Venezuela de Nicolás Maduro, que impede opositores e jornalistas críticos de viajar para o exterior, cancelando seus passaportes?
É oportuno lembrar que foi Dilma Rousseff, como presidente, que sancionou em março do ano passado a Lei Antiterrorismo que criminaliza manifestantes. Segundo a lei, depredar e incendiar patrimônio privado e público pode ser considerado ato de terror, inafiançável e passível de condenação de 12 a 30 anos de prisão. A dupla de black blocs que matou com um rojão o cinegrafista Santiago Andrade, em manifestação no Rio de Janeiro em fevereiro de 2014, irá agora a júri popular.
O debate sobre a convocação das Forças Armadas para conter os protestos que haviam saído de controle em Brasília foi contaminado pelo partidarismo e pela histeria. Pouco a pouco, a medida, pontual, foi colocada em contexto. A então presidente Dilma apelou às Forças Armadas para garantir a paz em leilão de pré-sal e em protestos em 2013. O Rio de Janeiro aplaudiu a presença do Exército em várias ocasiões, na ocupação de favelas dominadas por traficantes ou em eventos internacionais como a Olimpíada.
É compreensível o simbolismo negativo de cavalarias e soldados em frente à Esplanada dos Ministérios, num país que sofreu uma ditadura militar. Alguém lembrará que, em 1988, a intervenção do Exército contra uma greve da CSN matou três operários. Mas não consta, em anos recentes, que o Exército tenha abusado de suas prerrogativas quando convocado. Ao contrário. Tem agido na dissuasão da violência e não na promoção do conflito. Muitos brasileiros ficariam mais tranquilos em participar, hoje, de uma manifestação protegida pelo Exército do que pela PM. A maneira como PMs partem para a boçalidade, chegando a montar falsos flagrantes para incriminar manifestantes, compromete a imagem da instituição.
Protestos descambam para a violência também em Paris e Londres. Carros, bancos e lojas são queimados. Mas nunca vi manifestante ameaçar as instalações do Senado, na Rive Gauche de Paris, ou o Parlamento de Westminster, em Londres. Isso só é imaginável por parte de terroristas. Assim a gente chama as coisas pelo que são.

(*) Ruth de Aquino é jornalista com mestrado em Mídia na London School of Economics e tese sobre Ética. Trabalhou na BBC, foi correspondente em Londres e Paris, editora internacional, diretora de redação e redatora-chefe - @ruthdeaquino; raquino@edglobo.com.br

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
A Bovespa fechou em leve alta na terça-feira (30), com investidores de olho na possibilidade de avanço de reformas no Congresso Nacional, mas com o clima de cautela permanecendo ao longo do pregão em meio à crise política. O Ibovespa, principal indicador da bolsa, avançou 0,32%, aos 63.962 pontos, após ter recuado 0,51% na véspera.  

COMMODITIES
UNIDADE
COMPRA
VENDA
VARIAÇÃO
Petróleo (Brent)
Barril
US$ 50,290
US$ 50,310
-1,95%
Ouro
Onça troy
US$ 1263,010
US$ 1263,140
+0,01%
Prata
Onça troy
US$ 17,350
US$ 17,450
+0,11%
Platina
Onça troy
US$ 936,250
US$ 946,250
+0,19%
Paládio
Onça troy
US$ 805,400
US$ 811,400
+0,05%

CÂMBIO
COMPRA
VENDA
VARIAÇÃO
Dólar com.
3,2606
3,2621
-0,23%
Dólar tur.
3,2500
3,4400
+1,48%
Euro
3,6502
3,6519
+0,44%
Libra
4,1928
4,1942
+0,29%
Pesos arg.
0,2013
0,2021
-1,03%







INDICADORES
VALOR
ATUALIZAÇÃO
Salário Mínimo
R$ 937,00
2017
Global 40
+112,32%
30.Mai.2017
TR
+0,09%
30.Mai.2017
CDI
+11,13%
30.Mai.2017
SELIC
+11,25%
12.abr.2017

INFLAÇÃO
ÍNDICE
MÊS
VALOR
IPCA
Abr.17
+0,14%
IPC-Fipe
Abr.17
+0,61%
IGP-M
Mai.17
-0,93%
INPC
Abr.17
+0,08%


terça-feira, 30 de maio de 2017

CITAÇÃO DO DIA

“Aborreça-se com a pessoa amada apenas o tempo de perceberes que felicidade é o que importa e que toda raiva é em vão, por que para um amor de verdade sempre haverá perdão.”  (AUGUSTO BRANCO)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

CONFIANÇA DA INDÚSTRIA AVANÇA EM MAIO, DIZ FGV
Os empresários da indústria estão mais confiantes no início de 2017. O Índice de confiança da indústria (ICI) da Fundação Getulio Vargas (FGV), divulgado na segunda-feira (29), que mede o nível de confiança desse segmento subiu 1,1 ponto em maio de 2017, para 92,3 pontos, maior nível desde abril de 2014 (97 pontos). O aumento da confiança foi observado em 8 de 19 segmentos industriais e atingiu tanto as expectativas quanto as percepções sobre a situação atual. O subíndice de expectativas (IE) avançou 1,3 ponto, para 95,7 pontos, o maior desde abril de 2014, e o subíndice da situação atual (ISA) subiu 0,7 ponto, para 87 pontos. “Apesar de a confiança industrial continuar avançando em maio, os resultados da sondagem ainda indicam insatisfação do setor com o momento presente e manutenção de elevados níveis de ociosidade. As expectativas do setor são um pouco mais favoráveis. Ainda assim, combinam, no momento, uma calibragem para baixo das perspectivas para o ambiente de negócios e para o total de pessoal ocupado no setor com previsão de aceleração da produção no curto prazo”, afirma Tabi Thuler Santos, coordenadora da sondagem da indústria da FGV/IBRE. A melhora das expectativas com a evolução da produção foi a responsável pela alta do IE no mês. O indicador de produção prevista para os três meses seguintes subiu 5,8 pontos, para 99 pontos, o maior nível desde março de 2014 (99,4). Houve aumento da proporção de empresas prevendo produção maior, de 32,1% para 34,7% do total, e queda na das que preveem produção menor, de 22,8% para 18,4% do total. As melhores avaliações do setor sobre a demanda determinaram a alta do ISA em maio. O indicador de nível de demanda subiu 4,7 pontos, para 87,6 pontos, o maior nível desde julho de 2014 (88,3). Houve redução da parcela de empresas que avaliam o nível de demanda como forte entre abril e maio, de 8,3% para 7,7% do total. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), outro indicador analisado na pesquisa, permaneceu estável em 74,7% entre abril e maio.

MORTES VINCULADAS A ALZHEIMER AUMENTARAM 55% EM 15 ANOS NOS EUA
O número de mortes provocadas pelo mal de Alzheimer aumentou 55% entre 1999 e 2014 nos Estados Unidos, segundo as últimas estatísticas dos Centros de Controle e Prevenção de Enfermidades (CDC) publicadas na semana passada. Várias fatores poderiam explicar este aumento: o envelhecimento da população, o aumento do número de pessoas que têm o diagnóstico em um momento inicial da doença e o fato de que um número maior de médicos indicarem o Alzheimer como causa de morte nos certificados de óbitos. Os autores do relatório do CDC reportam também a diminuição da mortalidade de pessoas maiores por outras doenças, como infarto de miocárdio e acidente vascular cerebral. A taxa de mortalidade atribuída ao Alzheimer aumentou de 16,5 por cada 100 mil pessoas em 1999 a 25,4 em 2014, o que representa um aumento de 55%. A maioria dos falecimentos por essa doença cerebral degenerativa que não tem cura acontece em casas de repouso ou em instituições que oferecem cuidados de longo prazo, embora essa tendência tenha diminuído (de 68% em 1999 a 54% em 2014). Um número crescente de pessoas morreu por Alzheimer em casa durante esse período. Essa taxa subiu de 14% em 1999 para 25% em 2014. Isso significa que mais pacientes com Alzheimer são cuidados em casa por membros de sua família. "Milhões de americanos e suas famílias se veem profundamente afetadas pelo mal de Alzheimer", afirma a médica Anne Schuchat, diretora do CDC. "Com o avanço do Alzheimer na população de idade avançada, os cuidados domiciliares se tornam muito importantes", ressaltaram os autores do estudo. O Alzheimer é a sexta causa de morte nos Estados Unidos, representando em 3,6% do total em 2014; e a quinta nos americanos com mais de 65 anos. A idade é o principal fator de risco para a doença. A grande maioria dos pacientes tem mais de 65 anos.

EM CANNES, JÚRI FAZ APELO POR MAIS MULHERES NO CINEMA
As integrantes do júri da 70ª edição do Festival de Cannes lançaram no domingo (28) um claro apelo a favor da maior presença feminina na indústria cinematográfica. "Nós estamos perdendo muitas histórias", lamentou a diretora, roteirista e produtora alemã Maren Ade, que disse que predominância masculina é tão visível que às vezes ela tem a sensação de que o cinema não é lugar para mulheres. A atriz americana Jessica Chastain apoiou o movimento e defendeu que um maior número de filmes assinados por mulheres teria personagens femininos mais autênticos. A competição oficial desta edição, segundo revelou, fez com que ela percebesse que a maneira com que as mulheres são retratadas na telona "é bastante perturbadora, salvo algumas exceções". "Espero que com mais cineastas haja mais mulheres que conheço mais proativas, que não reagem apenas aos homens ao redor delas, mas que têm o seu próprio ponto de vista", apontou. Já a atriz, diretora e cantora francesa Agnès Jaoui, também integrante do júri presidido este ano pelo diretor Pedro Almodóvar, fez nesta semana uma reivindicação bem-humorada no tapete vermelho, ao colocar parte do próprio cabelo em cima da boca, fingindo ser um bigode. A representação feminina na premiação deste ano contou com Sofia Coppola, que venceu na categoria de melhor direção por "The Beguiled". "Fez um magnífico trabalho", resumiu a atriz chinesa Fan Bingbing, que fez parte das deliberações. A escocesa Lynne Ramsay, diretora de "You Were Never Really Here", venceu na categoria de melhor roteiro, junto com o grego Yorgos Lanthimos. Já a alemã Diane Kruger foi considerada a melhor atriz por "In the fade", e Nicole Kidman levou o Prêmio Especial desta edição.