Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

RAPIDINHAS DO BLOG...

POUPANÇA PERDE R$ 10,735 BILHÕES EM JANEIRO, DIZ BANCO CENTRAL
Os saques da caderneta de poupança superaram os depósitos em R$ 10,735 bilhões em janeiro, segundo pior resultado para o mês da série histórica iniciada em 1995, divulgou o Banco Central na segunda-feira (6). O dado veio só não veio mais fraco que janeiro do ano passado, quando houve saída líquida de R$ 12,032 bilhões. No Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), a perda líquida foi de R$ 8,716 bilhões, ao passo que na poupança rural os saques superaram os depósitos em R$ 2,020 bilhões. (por Reuters)

QUEM BEBE CAFÉ TEM MENOS PROBLEMAS CARDÍACOS E VIVE MAIS, DIZ ESTUDO
Quer evitar doenças do coração e aumentar sua longevidade? Continue bebendo aquele sagrado cafezinho. Um estudo publicado na revista Nature mostra que o consumo de café pode reverter a tendência de inflamações crônicas e doenças cardiovasculares que surgem com o avançar da idade. Já era de conhecimento da medicina que mais de 90% das doenças não-transmissíveis do envelhecimento estão associadas à inflamação crônica. Diversos artigos científicos apontam que a inflamação crônica contribui para o aparecimento de diferentes tipos de câncer, mal de Alzheimer e outras demências, osteoartrite e até mesmo depressão, além de doenças cardiovasculares. Muito já foi estudo sobre a contribuição da ingestão de cafeína para a longevidade. Agora, o time de pesquisadores liderados David Furman e Mark Davis, da faculdade de medicina de Stanford, revelaram uma provável associação entre as doenças decorrentes da inflamação, a longevidade e o café. De acordo com o estudo, os ácidos nucleicos - moléculas que servem como tijolos dos nossos genes – sofrem degradação ao longo da velhice. Os "restos" desse metabolismo do gene circulando pelo sangue desencadeiam o processo inflamatório que leva a doenças cardiovasculares e outras doenças. Ao injetarem essas substâncias em ratos, os pesquisadores verificaram o surgimento de inflamações sistêmicas, aumento da pressão arterial e estragos nos rins, dentre outras consequências. Curiosamente, os componentes da cafeína bloqueiam a ação dos ácidos nucleicos. A própria estrutura da cafeína é semelhante à estrutura deles. Assim, o consumo de cafeína reverteria a tendência natural do corpo a inflamações e desenvolvimento de doenças.
O ESTUDO
Para avaliar a associação entre cafeína, inflamação e longevidade, os pesquisadores realizaram análises de amostras de sangue, dados de relatórios médicos e históricos familiares de mais de 100 participantes. Foram vários anos de estudo. Foi revelada, assim, a existência do mecanismo inflamatório associado com o envelhecimento humano em doenças crônicas.
Também foi possível notar que nem todas as pessoas mais velhas eram acometidas pelo processo inflamatório. Para quem não gosta do sabor amargo, chá preto e chocolate escuro contêm compostos semelhantes à cafeína, dizem os pesquisadores.

GOOGLE MUDA BUSCA NO CELULAR PARA MOSTRAR DOENÇAS RELACIONADAS A SINTOMAS PESQUISADOS
Google anunciou nesta semana que vai mudar as buscas feitas no celular para mostrar doenças e informações relacionadas a elas quando os usuários buscarem por sintomas. Ou seja, se alguém pesquisar por "dor no joelho", os resultados mostrarão quais são as doenças que podem causar esse tipo de mal-estar. A iniciativa é resultado de uma parceria entre a empresa e o Hospital Israelita Albert Einstein, iniciada anteriormente, em março de 2016. A nova modalidade de buscas funcionará apenas no smartphone. Segundo Berthier Ribeiro-Neto, diretor do centro de engenharia do Google na América Latina, que fica em Belo Horizonte (MG), as informações são exibidas em cartelas, acima dos outros resultados da busca, que continuam a ser dispostos em links. Esses cartões mostram características das doenças, a ocorrência delas e até os métodos de tratamento ou os primeiros socorros. Segundo o Google, foram compilados entre 150 e 200 sintomas, que apontam para cerca de 400 doenças ou condições. O Brasil é apenas o segundo país a receber a novidade -- o primeiro foi os Estados Unidos. No Brasil, alguns dos sintomas mais buscados no Google são garganta inflamada, dor de cabeça, dor nas costas, dor no peito e taquicardia. A mudança no motor de busca para implantar a novidade foi feita por causa do volume de pesquisas feitas sobre saúde -- uma a cada 20 -- e pela forma como elas são feitas -- 1% de todas as buscas gerais são sobre sintomas.
PESQUISA SAUDÁVEL
"Conversando com o pessoal do Einstein, pois boa parte trabalha no Pronto Socorro, o Google ouviu que o jeito mais natural de trabalhar é diferente. Não é começando pela doença, pois as pessoas contam os sintomas", diz Alessandro Germano, líder de parcerias no Google Brasil. "A internet é um grande e vasto oceano, com informações de alta qualidade e de qualidade mais duvidosa”, afirma Germano. "A gente quis criar uma busca mais saudável". Apesar de o Google, com a criação de um algoritmo, já conseguir capturar informações para ligar doenças aos sintomas buscados a partir dos vários documentos da internet, faltava fechar algumas lacunas. É aí que entra o Albert Einstein. "Esse tipo de solução não tem como ser implementada sem uma autoridade médica de alta reputação", explica Ribeiro-Neto. O hospital atestou as ligações entre alguns sintomas e doenças não captados pelo Google e a prevalência de algumas enfermidades. "[A solução] permite que o paciente entenda sua posição e se deve procurar um médico especialista ou um generalista correto", comenta Sidney Klajner, presidente do Einstein. "Quando a gente coloca o paciente no centro, está contemplado o interesse do hospital, da operadora, de quem fornece os insumos". Com a parceria, assim que uma nova enfermidade ou doença surgir, o sistema é atualizado. Isso já aconteceu no ano passado com Chikungunya e o Vírus da Zika.
CARNAVAL
Para a o período do Carnaval, a busca do Google vai exibir informação sobre contracepção, como, por exemplo, os diversos métodos (desde a camisinha até pílulas anticoncepcionais) e a eficiência de cada um deles. 

Nenhum comentário: