Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

RAPIDINHAS DO BLOG...

PETROBRAS CAPTA US$ 4 BILHÕES NO EXTERIOR
Em uma estratégia para ganhar mais prazo para pagar suas dívidas, a Petrobras captou US$ 4 bilhões em emissão de papéis no mercado internacional na segunda-feira (9), o dobro do valor planejado pela companhia. Os recursos serão usados para recomprar papéis com vencimento até 2020. Investidores terão até 6 de fevereiro para revender títulos à estatal.A Folha apurou que havia demanda para US$ 20 bilhões, sinalizando que a desconfiança dos investidores com as fraudes na Petrobras investigadas pela Operação Lava Jato diminuiu diante das mudanças recentes no comando da companhia. A estatal sofre diversos processos na Justiça americana devido a perdas com corrupção. A companhia pagará juros de 6,125% para US$ 2 bilhões em títulos que vencerão em cinco anos. Os outros US$ 2 bilhões, com vencimento em dez anos, saíram por 7,375%. O preço ficou abaixo do negociado na emissão anterior, em julho de 2016, quando os juros foram de cerca de 8%.

POR QUE SENTIMOS ARREPIO AO OUVIR SONS COMO O DE UNHA RASPANDO NA LOUSA?
Se você é do tipo que não suporta o som de unhas ou giz raspando na lousa ou de isopor, provavelmente deve estar sentindo um arrepio agora só de pensar neles. Por ser fonte de tamanha "aflição" em tantas pessoas, muitos pesquisadores, ao longo dos anos, tentam descobrir porque determinados sons nos deixam tão desconfortáveis. Mas a verdade é que, até agora, nenhum dos estudos chegou ao veredicto final. O que eles têm em comum, no entanto, é que nosso ouvido se incomoda com sons de determinadas faixas de frequência, especialmente entre 2.000 e 5.000 hertz, que inclui o giz e a unha raspando na lousa. Em 2006, uma dessas pesquisas chegou a ganhar o Ig Nobel — uma espécie de sátira do Nobel dedicada a entidades ou cientistas que tiveram ideias curiosas. Três pesquisadores de universidades norte-americanas gravaram o som de um rastelo de grama raspando ao longo de um quadro-negro. Em seguida, remodelaram a gravação, removendo as frequências altas, médias e baixas de diferentes gravações. Depois de apresentar os sons modificados aos voluntários, os pesquisadores descobriram que remover as altas frequências não tornava o som mais agradável. Além disso, perceberam que o ruído das unhas no quadro era parecido com o grito de alerta de um chimpanzé. "Especulamos que o som de unhas em um quadro-negro têm uma característica aversiva quase universal porque provoca em nós um reflexo inconsciente, automático, como se estivéssemos ouvindo um grito de advertência", disse o psicólogo Randolph Blake, um dos participantes do estudo à revista "Medical Press". Uma outra pesquisa, publicada em 2011 no jornal da Sociedade de Acústica Americana, sugeriu que o desconforto acontece por conta do tamanho de nossa orelha e do canal auditivo. Na ocasião, os participantes do estudo avaliaram o desconforto que sentiam ao serem expostos a vários ruídos desagradáveis. Os dois sons classificados como mais irritantes, segundo eles, eram das unhas e de giz arranhando uma lousa. Os pesquisadores, então, criaram variações destes dois sons, modificando certas faixas de frequência. Todos foram expostos aos ruídos enquanto seus indicadores de estresse, como pressão e frequência cardíaca, eram analisados. O resultado foi que, em ambos os grupos, os ruídos mudaram a condutividade elétrica da pele dos ouvintes, o que apontava uma reação de estresse físico significativa. Os pesquisadores perceberam também que as frequências mais "irritantes" estava entre 2.000 e 4.000 Hertz. Com os resultados, um dos pesquisadores que conduziu o estudo, Michael Oehler, professor de mídia e gerenciamento de música na Universidade de Macromedia, na Alemanha, concluiu que o ouvido humano é mais sensível a sons que se enquadram nesta faixa de frequência. Para ele, o canal auditivo humano pode ter evoluído para amplificar as frequências que são importantes para a comunicação e a sobrevivência. Assim, o arrepio causado por esse tipo de ruído seria apenas um efeito colateral do desenvolvimento.
O CÉREBRO COMANDA
Um outro estudo, publicado em 2012 pelo Jornal de Neurociência, sugere que o som da unha raspando em um quadro negro desencadeia um aumento na comunicação entre duas áreas do cérebro —uma envolvida na audição e outra nas emoções. Na pesquisa, conduzida por dois cientistas da Universidade de Newscastle, na Inglaterra, 13 voluntários foram submetidos a 74 tipos de sons considerados desagradáveis enquanto eram monitorados por uma máquina de ressonância magnética. Além dos clássicos giz e unha na lousa, a lista contava com choros de animais e assobios. Os pesquisadores analisaram que, quando os sons eram irritantes, as atividades entre as áreas do cérebro ligadas ao controle das emoções (a amígdala) e o córtex auditivo, que processa o som, eram mais intensas. "É como se fosse um sinal de socorro enviado da amígdala para o córtex auditivo", disse o pesquisador Sukhbinder Kuma. O curioso é que, assim como nos estudos citados acima, de 2011, sons com frequências entre 2.000 e 5.000 Hertz eram classificados como os mais desagradáveis.

COOKIES FACILITAM NAVEGAÇÃO, MAS REDUZEM PRIVACIDADE; VEJA COMO EVITÁ-LOS
Cookies são usados pelo navegador para "lembrar" de coisas a respeito do usuário. Quando você visita um site, esses pequenos arquivos são armazenados em seu computador ou dispositivo móvel. Eles guardam dados sobre configurações, preferências e links clicados, entre outras coisas. Criados para tornar a navegação na web mais fácil, os cookies mantêm um tipo de histórico com fragmentos da troca de informação entre você e os lugares que frequenta e o que consome na internet. Segundo o cientista da computação holandês Andrew Tanenbaum, no livro "Redes de Computadores", cookie é o nome derivado de uma antiga gíria de programadores, "no qual um programa chama um procedimento e recebe de volta algo que talvez precise apresentar mais tarde". Como esses arquivos guardam informações referentes à navegação -- endereços, números de conta, nome de usuário -- e opções relativas à privacidade, os cookies (biscoitos, em inglês) deixam muitas pessoas com a pulga atrás da orelha.
AFINAL, ELES SÃO ALIADOS OU VILÕES?
Esses dados são fundamentais para melhorar os serviços, por indicar quais são os recursos mais usados e aqueles que precisam ser corrigidos ou ajustados. Os cookies são particularmente úteis para a publicidade e ao desenvolvimento de sites. Esses dados montam um perfil de usuário e de navegação. Além de monitorar a eficiência das campanhas publicitárias, os anúncios feitos com essas informações direcionam o usuário a um determinado produto que seja de interesse. Se você acessa muito material esportivo, significa que esse gênero de produto tem importância. Os cookies também ajudam na segurança. O Google, por exemplo, mantém esse tipo de arquivo com assinaturas digitais criptografadas. A combinação de dois cookies usados pelo Google (SID e HSID) e a convergência e a checagem de dados, segundo a empresa, evitam alguns ciberataques.
OCUPA MUITO ESPAÇO?
Cookies são arquivos pequenos, normalmente com menos de 4KB. Eles ficam armazenados por tempo determinado --não ficam na memória para sempre. Caso queria ganhar espaço, que não será muita coisa, basta limpar o histórico de navegação e os cookies regularmente.
OBAMA ME VIGIA
Os cookies também podem ser usados para rastrear, seja um usuário ou uma navegação específica, e podem ser usados para fins maliciosos. Quem se preocupa com a privacidade pode optar por navegação InPrivate (IE), Janela Anônima (Chrome) ou alternativas similares de outros browsers. Também é possível limpar dados de navegação ou, em configurações, impedir que seu computador armazene itens internos e de terceiros. Alguns cookies são inofensivos e não contêm qualquer informação pessoal. Cookies de terceiros são formas de rastrear e analisar seus hábitos particulares de navegação. No Internet Explorer, vá na caixa de opções da Internet e clique na aba "Privacidade" e, em seguida, clique no botão "Avançado". No Chrome, entre em configurações de conteúdo. Com pequenas mudanças, o processo é semelhante em todos os navegadores.
VALE LEMBRAR QUE ALGUNS SITES FUNCIONAM MELHOR COM ARMAZENAMENTO DE COOKIE.
Com ou sem cookies e histórico de navegação, sempre é possível rastrear o seu comportamento na internet. A princípio, não são esses elementos que determinam a sua segurança, mas os lugares que visita, os links que clica e os arquivos que baixa.

Nenhum comentário: