Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

RAPIDINHAS DO BLOG...

POUPANÇA RENDE MAIS QUE A INFLAÇÃO APÓS 21 MESES DE PERDA, DIZ CONSULTORIA 
A poupança teve valorização de 8,33% em outubro, considerando o período de um ano, enquanto a inflação oficial no período foi de 7,87%, segundo dados do IBGE divulgados nesta semana. Assim, a poupança teve ganho real no mês, após 21 meses de perdas. Isso significa que quem guardou suas economias na poupança ao longo deste ano viu seu poder de compra aumentar. A rentabilidade real da poupança (descontada a inflação) em outubro foi positiva em 0,43%. O cálculo foi feito pela consultoria Economatica, com o alerta de que não basta subtrair as porcentagens para chegar ao resultado final. O último mês em que a poupança havia tido ganho real foi dezembro de 2014 (+0,71%). Desde então, foram 21 meses de perdas, a maior delas em novembro do ano passado, com queda de 2,29% no poder aquisitivo. 
SALDO NEGATIVO EM R$ 2,7 BI
A caderneta de poupança perdeu R$ 2,712 bilhões em outubro, marcando o décimo mês seguido no vermelho, segundo o Banco Central. O resultado foi melhor do que o observado em outubro do ano passado, quando havia registrado perda de R$ 3,264 bilhões. No último mês, os saques superaram os depósitos em R$ 1,77 bilhão no Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), enquanto na poupança rural foram sacados R$ 941,88 milhões a mais do que a soma dos depósitos. No acumulado de 2016, a poupança teve perda líquida de R$ 53,251 bilhões. Com o desempenho de outubro, o resultado acumulado em dez meses já é praticamente o mesmo verificado em todo o ano de 2015, quando a saída líquida foi de R$ 53,568 bilhões. As pessoas estão tirando dinheiro da caderneta de poupança, principalmente por causa do aumento do desemprego e alta do endividamento, que acabam consumindo as economias da população. Além disso, com a taxa de juros alta, outros investimentos ficam mais atrativos que a poupança.

DISPOSITIVO FAZ MACACOS VOLTAREM A ANDAR DIAS APÓS LESÃO NA MEDULA
Um estudo publicado na revista Nature pode revolucionar o tratamento de lesões na medula espinhal que causam paralisia. A pesquisa apresenta um dispositivo que retoma o movimento de pernas de macacos poucos dias após o acidente. A melhor notícia é que o equipamento, que nada mais é do que uma interface sem fio que liga o cérebro à espinha, usa componentes que foram aprovados para pesquisa em humanos, segundo os cientistas. A viabilidade do estudo clínico em humanos com lesões na espinha já começou a ser avaliada no centro responsável pelo estudo. "Consigo imaginar pela primeira vez um paciente completamente paralisado ser capaz de recuperar o movimento de suas pernas por meio desta interface", neurocirurgiã Jocelyne Bloch, que participou do estudo. A pesquisa foi conduzida por Grégoire Courtine, do Instituto Federal de Tecnologia a Suíça, e colegas. Os cientistas desenvolveram uma interface que liga o cérebro à espinha e que decodifica sinais do córtex motor do cérebro que orquestra movimentos das pernas. O dispositivo estimula eletrodos implantados em pontos específicos na medula espinhal inferior que modulam a flexão e extensão dos músculos na perna. Na prática, o equipamento funciona como uma "ponte" entre o cérebro e a espinha, passando por cima da lesão. A interfase foi testada em macacos que tiveram apenas uma perna paralisada por uma lesão parcial na medula espinhal. Um dos animais conseguiu, sem treinamento ou fisioterapia, retomar parte do movimento da perna na primeira semana após a lesão, tanto na esteira como no chão. Já o outro macaco testado levou duas semanas para alcançar o mesmo feito. "Esta é a primeira vez que a neurotecnologia restaura a locomoção em primatas. Mas ainda há muitos desafios pela frente e pode levar vários anos antes que os componentes possam ser testados em humanos"- (Grégoire Courtine), um dos autores da pesquisa. Os cientistas mostraram que a interface funciona instantaneamente para lesões parciais, como o que ocorreu com os macacos testados. O dispositivo também deve funcionar para lesões mais severas, provavelmente com o auxílio de agentes farmacológicos. É bom citar que, para lesões parciais, os primatas são capazes de recuperar toda a mobilidade depois de três meses. Esta pesquisa não é o único avanço para pacientes com trauma na espinha. Em agosto, pacientes paraplégicos com antigas lesões na medula espinhal apresentaram melhoras na mobilidade e nas sensações com um treinamento de realidade virtual e o uso da robótica controlada pelo cérebro, em pesquisa conduzida por cientistas liderados pelo brasileiro Miguel Nicolelis.

OPERADORA COMEÇA A VENDER IPHONE 7 NESTE SÁBADO
O iPhone 7, o mais recente lançamento da Apple, começa a ser vendido no sábado, 12, inicialmente nas lojas Oi do Rio e São Paulo. A pré-venda já é realizada no site da operadora. O novo aparelho tem design resistente a água e poeira, alto-falante estéreo e a bateria de maior duração já produzida no iPhone. O consumidor que optar por uma linha da Oi, leva o iPhone 7 de 32 GB por R$ 3.299. No pré-pago, o iPhone 7 estará disponível por R$3.499 no modelo de 32 GB. A Oi recebe o iPhone 6 16GB usado e em bom estado por R$1.200 na compra do iPhone 7. 
APARELHO
O iPhone 7 redefine a experiência com um smartphone, com novos recursos em um design ainda mais fino e leve, com tela de 4.7  polegadas. O telefone possui ainda uma variação: o iPhone 7 Plus, que tem como principal diferencial a câmera dupla. A nova linha de iPhones veio sem entrada para fones de ouvido tradicionais, apenas via bluetooth. O iPhone 7 conta ainda com armazenamento interno a partir de 32 GB, chegando ao máximo de 256 GB de memória interna, contra 128 GB da versão anterior. O novo iPhone está disponível nas cores preto fosco, Jet Black, dourado, rosa e prata. A câmera frontal tem sensor aprimorado, com 7MP (dois a mais do que o iPhone 6S). Além disso, ele conta com estabilização óptica de imagem, ampla captura de cores e permite fazer vídeos em 1080p (Full HD) e câmera Traseira com 12MP. 

Nenhum comentário: