Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

RAPIDINHAS DO BLOG...

INDENIZAÇÕES GARANTEM LUCRO À ELETROBRÁS
A estatal de energia Eletrobrás teve lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 12,7 bilhões no segundo trimestre, ante um prejuízo de R$ 1,36 bilhão no mesmo período de 2015. O resultado positivo foi influenciado principalmente pela contabilização de indenizações bilionárias que a companhia receberá a partir de 2017. A definição de regras para que a Eletrobrás receba a partir do próximo ano bilhões em indenizações por ter renovado antecipadamente e com receita menor contratos de concessão de ativos de transmissão de suas subsidiárias no final de 2012 gerou impacto líquido de R$ 17,04 bilhões no segundo trimestre. Também influenciou positivamente no trimestre a reversão de uma provisão de R$ 1 bilhão referente a processos judiciais, que teve efeito líquido de R$ 394 milhões no resultado do exercício. Por outro lado, a companhia realizou uma provisão de R$ 4,09 bilhões referente a baixa contábil na usina nuclear de Angra 3.

BURACOS NEGROS NÃO SÃO TOTALMENTE ESCUROS, DIZ ESTUDO
Buracos negros podem não ser totalmente escuros, de acordo com um novo estudo feito por um cientista israelense e publicado nesta semana na revista Nature Physics. A pesquisa contradiz a ideia de que nada poderia escapar desses corpos celestes e reforça uma teoria proposta pelo físico britânico Stephen Hawking há mais de 40 anos. Usando um “modelo acústico” de um buraco negro, o autor do estudo, Jeff Steinhauer, do Instituto Tecnológico de Israel, conseguiu observar pela primeira vez um fenômeno análogo à radiação Hawking, que pode ser a única coisa a “vazar” do horizonte de eventos dos buracos negros – o ponto para além do qual a gravidade se torna tão intensa que até mesmo a luz é tragada. Em 1974, Hawking teorizou que, por causa dos efeitos quânticos, os buracos negros não seriam completamente negros, mas deveriam emitir um tipo de radiação. No entanto, a quantidade de radiação é tão ínfima que ela provavelmente nunca será observada em buracos negros reais. O modelo acústico de Steinhauer, porém, permitiu observar em laboratório uma radiação análoga. A ideia de Hawking partia do princípio de que, graças ao caráter aleatório da teoria quântica, não seria possível a existência do vazio absoluto no Universo. Mesmo o vácuo espacial teria flutuações em seus campos energéticos, fazendo com que pares de fótons aparecessem continuamente, destruindo-se mutuamente logo em seguida. Mas esses “fótons virtuais” poderiam se tornar partículas reais, caso o horizonte de eventos de um buraco negro os separasse antes que eles aniquilassem um ao outro. Assim, um fóton seria tragado pelo horizonte de eventos e o outro seria liberado no espaço. Essa seria a radiação Hawking, emitida pelo buraco negro. 

ACÚSTICO 
Essa radiação seria tão sutil que captá-la em um buraco negro real seria praticamente inviável. Mas, depois de sete anos de trabalho solitário em seu laboratório, em Haifa (Israel), Steinhauer desenvolveu um “buraco negro acústico” para observá-la. Para isso, ele usou uma nuvem de átomos de rubídio ultracongelados em um cilindro a uma temperatura ligeiramente acima do zero absoluto (cerca de 275 graus Celsius negativos). Em tal temperatura, esses átomos passam a se comportar de forma diferente, entrando em um estado conhecido como Condensado de Bose-Einstein, que é bastante utilizado em laboratórios para estudar efeitos quânticos em escala macroscópica. Nesse meio, a velocidade do som – que na atmosfera da Terra é de cerca de 340 metros por segundo – passa a ser de apenas meio milímetro por segundo. Steinhauer então acelerou os átomos até que alguns deles viajassem a mais de 1 milímetro por segundo – o que no Condensado de Bose-Einstein é uma velocidade supersônica.  Isso criou uma situação equivalente à de um horizonte de eventos: as ondas sonoras que passavam o ponto do cilindro onde a velocidade se tornava supersônica não podiam mais se mover contra o fluxo, como um nadador que se aproxima de uma cachoeira e não consegue mais nadar rápido o suficiente para escapar dela. Com sua temperatura ultragelada, o Condensado de Bose-Einstein produz sutis flutuações quânticas, semelhantes às que seriam produzidas pelo vácuo. Em vez de pares de fótons, no entanto, o experimento produziu pares de “pacotes” de som, chamados fônons. No cilindro, o pesquisador Steinhauer observou que alguns pares de fônons se separavam: um era tragado pela região supersônica do tubo – o horizonte de eventos do experimento – e o outro formava a radiação Hawking. O estudo em Israel fornece material para que a pesquisa na área prossiga, agora com elementos que podem apontar para a finitude dos buracos negros. 

IDOSOS CONECTADOS GERAM DEMANDA POR INOVAÇÃO
Os idosos brasileiros estão cada vez mais conectados: nada menos que 5,2 milhões de pessoas acima dos 60 anos têm acesso à internet no País – 21% da população que está na terceira idade. É o que revela uma pesquisa recente do Instituto Locomotiva, liderado por Renato Meirelles (ex-Data Popular). No entanto, mais do que o vovô no Facebook ou a vovó que procura receitas na internet, esse é um público que está gerando demanda por novas tecnologias e têm dinheiro no bolso para gastar: o estudo do Locomotiva mostra que a renda anual dos idosos conectados do Brasil chega a R$ 330 bilhões. “O mercado de tecnologia tem dificuldade de entender as pessoas mais velhas”, avalia Renato Meirelles, do Locomotiva. “Os jovens têm o desafio de explicar como usar a tecnologia de uma forma que aqueles que não são nativos digitais entendam.” Ao contrário do público infantil e juvenil, que têm um amplo leque de aplicativos e dispositivos específicos, as empresas prestam pouca atenção nos idosos: procuramos as principais companhias de tecnologia em busca de produtos e serviços para a terceira idade, mas a maioria não respondeu aos pedidos de entrevista ou informou não oferecer nada para esse público. Algumas delas mostraram soluções básicas de acessibilidade, como aumentar o tamanho das letras na tela do celular ou do computador – função disponível nos sistemas Windows, Android e iOS, por exemplo. “As letras e teclas grandes, com sistemas simplificados, não adiantam quase nada, mas são um começo”, avalia Martin Henkel, pesquisador da Senior Lab, consultoria especializada na terceira idade.
OPORTUNIDADE
Com o vácuo deixado pelas grandes empresas, há espaço para startups. Alguns dos poucos dispositivos para idosos em desenvolvimento no País são feitos por elas. Pioneiro, o “botão de socorro” Cuidador Digital é a única opção à venda. Usado pelo idoso como um colar, ele liga para um parente ou amigo quando é pressionado e transmite o som ambiente – mas não permite uma conversa entre os interlocutores, o que mostra uma deficiência no projeto. “Meu pai prestava serviços de remoção médica para idosos e eu pensei em criar um botão para ajudar idosos a pedir ajuda”, diz João Victor Mendes, fundador da Cuidador Digital, cujo produto é vendido por R$ 590. Uma opção mais sofisticada, o relógio inteligente LinCare, elaborado pela startup mineira de mesmo nome, deve chegar às lojas em outubro. O dispositivo deixa o monitoramento na mão dos próprios usuários – mas é capaz de enviar avisos quando a pessoa sofre um desmaio. “Os idosos odeiam ser vigiados pelos parentes. Eles querem ser donos da própria vida”, diz Ana da Mata, cofundadora da startup. O LinCare monitora as atividades cotidianas de seus usuários: com ajuda de inteligência artificial identifica hábitos, como a quantidade de idas ao banheiro, e lembra a pessoa sobre o horário dos remédios. “Se ele tem o costume de ir duas vezes ao banheiro e a frequência aumenta, nós informamos os parentes”, diz Ana. Se o idoso cair, o aparelho emite um alerta aos familiares por mensagem de texto e um atendente do call center da empresa liga para os responsáveis pelo idoso. “Existe um mercado gigantesco, mas é preciso entender o que os idosos querem”, diz Ana da Mata, da LinCare. E o dispositivo depende apenas de uma conexão estável com internet. Outra startup brasileira que aposta nesse filão é a EasyThings: na última semana, a empresa lançou no site de financiamento coletivo Kickante a campanha para financiar a fabricação de 5 mil unidades do EasyGlic, bracelete conectado que poderá ajudar diabéticos a diagnosticar hipoglicemia – falta de açúcar no sangue – pelo menos três minutos antes de um desmaio ou convulsão. O dispositivo monitora a temperatura corporal e o nível de suor para fazer a previsão. “Os idosos e as crianças têm mais dificuldade em identificar os sintomas e comunicar que estão se sentindo mal”, diz Egmar Rocha, sócio-fundador da empresa, que está incubada na Universidade de Brasília. “Para o idoso, é difícil diferenciar a fome ou tontura causada pelos remédios com o estado de hipoglicemia. Queremos ajudar.”
INTERAÇÃO
A principal dificuldade de quem se propõe a criar tecnologias para este público é pensar em como será a interação entre a pessoa e o aplicativo ou dispositivo. Na aceleradora Berrini Ventures, que apoia apenas startups que criam produtos para a área de saúde, o maior desafio é ensinar aos empreendedores como melhorar a eficiência de uso de suas criações. “Se eu faço um aplicativo cuja função é soar um alarme para avisar da hora do remédio, mas o idoso esquece o smartphone no mudo, não cumpri minha função”, diz o diretor da aceleradora, Fernando Cembranelli. “É preciso fazer testes com o público-alvo ativamente.” Criada por três médicos e apoiada por gigantes, como a farmacêutica Pfizer e a administradora de planos de saúde Qualicorp, a empresa já apoiou oito startups e se prepara para um novo ciclo de aceleração. Para transformar uma residência em uma casa conectada – com sensores e recursos automatizados – é preciso avaliar bem a facilidade de uso do sistema antes de seguir com um projeto. “Às vezes, até ligar uma televisão pode ser difícil para um idoso, quanto mais controlar um sistema”, diz José Roberto Muratori, presidente da Associação Brasileira de Automação Residencial (Aureside). Segundo o executivo, tecnologias “pervasivas”, que usam sensores de presença, por exemplo, monitoram idosos sem invadir sua privacidade – e sem exigir que eles interajam diretamente com um aplicativo. É possível, por exemplo, receber um alerta se a pessoa deixar a residência e demorar para voltar. “Na automação residencial, o céu é o limite”, diz Muratori. “Mas com investimento de cerca de R$ 2,5 mil, é possível montar um sistema com dois sensores de presença e um sensor de abertura de portas em locais estratégicos da casa, como a porta de saída e o banheiro.”
EVOLUÇÃO
Há avanços que podem auxiliar a inclusão digital dos idosos: um deles é a popularização de dispositivos com tela sensível ao toque. Depois dos smartphones e tablets, a tecnologia começa a ganhar computadores de mesa e notebooks. “Usar o mouse é uma grande dificuldade na terceira idade. Não é natural usar um dispositivo para mirar e apontar algo na tela”, avalia Gustavo Lang, diretor de Windows no Brasil. “Quando as pessoas tocam na tela, a experiência se torna mais humana”. Outro aspecto que pode auxiliar as pessoas mais velhas são os assistentes pessoais que possuem tecnologia de reconhecimento de voz. Eles já estão presentes no Brasil nos smartphones com Android (Google Now) e iOS (Siri), bem como nos computadores com Windows 10 (Cortana). Com uso de inteligência artificial, esses programas “escutam” o usuário e fazem pesquisas, criam lembretes ou leem e-mails do usuário. Alguns dispositivos que se propõem a ser o “coração” da casa conectada no futuro vão além. É o caso do Amazon Echo e do Google Home, caixas de som inteligentes fabricadas pela Amazon e pelo Google, respectivamente. A primeira, que é vendida apenas nos EUA por US$ 180, utiliza a assistente pessoal Alexa. A segunda não tem previsão de lançamento. Elas prometem tornar tarefas – como acender lâmpadas e, até mesmo, colocar a máquina de lavar para cuidar da roupa suja – tão fáceis quanto conversar com os netos no almoço de domingo, o que deve transformar a interação com a tecnologia. 

Nenhum comentário: