Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

terça-feira, 15 de março de 2016

VOCÊ SABIA?

POR QUE OUVIR MÚSICA TRISTE FAZ A GENTE SE SENTIR MELHOR?
Quando a cantora Adele lançou o clipe da música “Hello”, a internet parou: em menos de 3 meses, o single já tinha batido a marca de 1 bilhão de views no YouTube. Mas por que nós gostamos tanto de ouvir músicas tristes quando há milhares de opções felizes e animadas por aí? Uma pesquisa revelou que, ouvir música muda a química dos nossos cérebros para nos ajudar a superar a dor. De acordo com David Huron, professor de música e responsável pelo estudo na Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, ouvir músicas tristes provoca um aumento de prolactina no cérebro.
“A prolactina é um hormônio proteico utilizado para ajudar a reduzir a dor, sendo liberado durante as atividades humanas básicas, como quando comemos, quando as mulheres ovulam ou amamentam e, talvez o mais importante, quando fazemos sexo”, explica David. Assim, canções melancólicas parecem fazer nosso cérebro produzir mais prolactina, nos deixando bem.
Reuniram cerca de 772 participantes, e cada um respondeu a um questionário com perguntas sobre a frequência com que costumam ouvir canções tristes, em que situações e como se sentem.
Os pesquisadores descobriram que “uma ampla gama de emoções complexas e parcialmente positivas, como nostalgia, paz e ternura” são despertadas quando ouvimos tais canções. Os dados revelaram que a nostalgia era a emoção mais presente, relatada por 76% dos participantes, enquanto, em segundo lugar, ficou a tranquilidade, com 57,7%. Todas essas emoções são saudáveis e fazem com que nos sintamos bem. Liila Taruffi, líder da pesquisa, afirmou que, “para muitas pessoas, ouvir música triste pode levar a efeitos emocionais benéficos. A música também desempenha um papel importante no bem-estar, oferecendo consolo, regulando o humor e as emoções negativas”, conclui. O estudo também revelou que um elevado número de participantes afirmaram ouvir músicas tristes em situações de estresse emocional ou quando estão se sentindo só, como uma espécie de “automedicação”. 


Nenhum comentário: