Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

MENSAGEM DO BLOG


NOTA DO BLOG:
EM VIRTUDE DAS FESTIVIDADES DO NATAL E ANO NOVO, O BLOG DO BORJÃO SOMENTE RECEBERÁ NOVAS ATUALIZAÇÕES A PARTIR DE 11 DE JANEIRO DE 2016. UM GRANDE E CARINHOSO ABRAÇO DO BORJÃO PARA TODOS VOCÊS E "INTÉ" 2016.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

CITAÇÃO DO DIA

“Quando estiver em dificuldade e pensar em desistir, OLHE PARA TRÁS e lembre-se dos obstáculos que já superou. Se tropeçar e cair, levante, não fique prostrado, OLHE PARA FRENTE e esqueça o passado. Ao sentir-se orgulhoso por alguma realização pessoal, OLHE PARA DENTRO e sonde suas motivações. Antes que o egoísmo o domine, enquanto seu coração é sensível, OLHE PARA OS LADOS e socorra os que o cercam. Na escalada rumo às altas posições, no afã de concretizar seus sonhos, OLHE PARA BAIXO e observe se não está pisando em alguém. Em todos os momentos da vida, seja qual for sua atividade, OLHE PARA CIMA e busque a aprovação de DEUS!” (Charles Chaplin) 

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

PLANALTO RECEBE CORTE PELA FITCH COM PREOCUPAÇÃO POR CAUSA DA TAXA DE JURO
O Palácio do Planalto encarou com preocupação o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência de classificação de risco Fitch. Na avaliação de auxiliares da presidente Dilma Rousseff, a ameaça de impeachment e o ambiente de turbulência política influenciaram a retirada de selo de bom pagador do País, ao lado do desemprego, da inflação e das dificuldades fiscais. Para ministros do núcleo político do governo, porém, o maior problema é a trajetória dos juros nominais que atingiu meio trilhão de reais nos últimos 12 meses, valor que é o dobro do registrado um ano atrás. Apesar da apreensão, o governo procurou amenizar os reflexos da decisão da agência Fitch. Em conversas reservadas, ministros disseram não esperar um movimento brusco de retirada de capital, pois quem tinha que fazer isso já tomou essa iniciativa após o primeiro rebaixamento da nota do Brasil. Houve ainda quem lembrasse que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, entrou no governo tendo como uma de suas principais missões justamente impedir o downgrade, mas vem sofrendo derrotas consecutivas dentro do governo. O ministro chegou a dizer que, caso a meta fiscal fosse alterada, estaria "fora", mas depois, cobrado por Dilma, amenizou as declarações. Seus amigos argumentam, porém, que o titular da Fazenda não deve mesmo resistir muito tempo no cargo. Na avaliação de fontes da área econômica, os papéis das empresas brasileiras serão bastante afetados pela perda do grau de investimento pela segunda agência de classificação de risco. Além do custo de captação ficar mais caro para as empresas, há uma pressão de venda dos papéis corporativos e da dívida soberana do País. Cálculos que circulam no mercado financeiro e que chegaram ao governo, preparado por bancos de investimentos, indicam que poderá haver uma saída de mais de US$ 10 bilhões entre títulos soberanos emitidos pelo governo brasileiro e corporativos. A retirada do grau de investimento pelas agências Standard & Poor's e pela Fitch obriga fundos institucionais e grandes investidores a vender os papéis do Brasil. Eles têm regras específicas de aplicação que exigem que o país detentor do investimento tenha o chamado selo de bom pagador de, no mínimo, duas agências. Além da venda passiva dos papéis determinada pelas regras de aplicação, é esperado também que os investidores se desfaçam dos ativos no Brasil por perda de confiança. Uma fonte da equipe econômica admitiu que os Investimentos Diretos no País (IDP) também correm risco de sofrer substancial queda nos próximos anos.

ESTUDO DESVENDA ORIGEM DOS CÃES DOMÉSTICOS
Um novo estudo genético publicado na revista científica Cell Research desvendou a história da migração dos cães domésticos pelo mundo. De acordo com a pesquisa, os cães tiveram origem no sudeste da Ásia, há 33 mil anos. A partir daí, começaram a se espalhar pelo planeta. Sob a liderança de Ya-Ping Zhang, da Academia Chinesa de Ciências, os cientistas sequenciaram os genomas de 58 membros da família dos canídeos, incluindo 12 espécies de lobos, 27 cães primitivos da Ásia e da África e uma coleção de 19 raças de cães de todo o mundo. Com base nas análises dos genomas, os cientistas descobriram que os cães do sudeste da Ásia têm um grau mais alto de diversidade genética que todos os outros animais estudados - e têm o parentesco mais próximo com os lobos. Uma das conclusões da análise genética é que, há cerca de 33 mil anos, em alguma parte do sudeste asiático, os cães se diferenciaram geneticamente dos lobos. Há cerca de 19 mil anos, a última glaciação estava no fim e o recuo das geleiras permitiu que a nova espécie - o cão doméstico - começasse a se espalhar por outras áreas do mundo. O estudo mostra que há cerca de 15 mil anos um subconjunto dos cães originários do sudeste asiático começou a migrar em direção ao Oriente Médio e à África. Os autores acreditam que nessa fase os cães migraram sozinhos, sem participação humana. Os cães chegaram à Europa há cerca de 10 mil anos, segundo o estudo. Mas dessa vez, segundo os autores do estudo, é provável que a migração tenha ocorrido graças a movimentos de populações humanas, que teriam levado os cães com elas. Também há cerca de 10 mil anos, segundo o estudo, uma parte dos cães que havia se estabelecido no Oriente Médio migrou para a China. Ali, esses grupos encontraram cães que haviam migrado diretamente do sudeste da Ásia para a China. Os dois grupos se misturaram. Em data incerta, o novo grupo de cães domésticos que se originou na China, de acordo com o estudo, teria migrado para o Alasca. Os cães começaram então a se espalhar pelas Américas. Segundo os autores, é provável que a domesticação dos cães tenham sido um longo processo que teve início com um grupo de lobos que se tornou vagamente associado aos humanos - possivelmente as duas espécies tiveram benefícios mútuos na hora de caçar. A partir daí, longos processos de cruzamento e uma seleção das características mais favoráveis gradualmente favoreceram a ligação entre cães e humanos - um processo conhecido como "autodomesticação". "Enquanto os cães estabeleciam laços cada vez mais fortes com os humanos - uma tendência possivelmente reforçada pela origem da agricultura no Oriente Médio e na China -, emergia uma forte seleção de genes envolvidos no metabolismo e na morfologia dos animais", diz o artigo. "Nosso estudo, pela primeira vez, começa a revelar uma ampla e complexa paisagem sobre a qual uma cascata de pressão seletiva ocorreu durante a domesticação dos cães. O cão doméstico representa uma das mais belas obras genéticas esculpidas pela natureza e pelo homem", afirmam os autores. No estudo, foram analisados os genomas de oito raças europeias de cães, além de raças da Ásia central (Galgo afegão), do norte da África (Sloughi), da América (Chihuahua), do Tibete (Mastiff tibetano) e do Ártico e da Sibéria (Samoieda, Husky siberiano, Laika, Cão da Groenlândia e Malamute do Alasca).

QUATRO DICAS CERTEIRAS PARA MELHORAR A CONEXÃO WI-FI
Não há nada mais frustrante para quem acessa internet via Wi-Fi do que conexões instáveis ou muito lentas. Muitas vezes, a responsabilidade por estas falhas é da operadora, que nem sempre entrega o serviço estabelecido em contrato. A causa dos problemas, porém, pode estar mais próxima do que se imagina, no roteador mal configurado ou posicionado de forma inadequada. Um jeito de identificar a fonte do problema é conectar o computador ou notebook direto no cabo de rede e usar programas que medem a velocidade da internet, disponíveis em vários sites. Se a velocidade da rede cabeada e no Wi-Fi estiverem muito diferentes, há grandes chances de o problema estar em casa. Para ajudar a solucioná-lo, a reportagem conversou com especialistas para descobrir dicas de como melhorar a qualidade da conexão do Wi-Fi doméstico:
1. COLOQUE O ROTEADOR NO CENTRO DA CASA
A rede Wi-Fi usa ondas de rádio comuns para transmitir dados da internet. Essas ondas são irradiadas em todas as direções pelo roteador, então qualquer obstáculo no meio do caminho – uma parede ou um móvel, por exemplo – pode reduzir drasticamente a potência do sinal. Por isso, não é uma boa ideia esconder o aparelho dentro de um armário, só porque ele não combina com a decoração da sala. Segundo o professor de redes de computadores da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Lourival Aparecido de Gois, apesar de os roteadores alcançarem em média uma cobertura de 90 metros, em condições ideais como no centro de um campo de futebol, dentro de casa esse alcance cai para menos de 30 metros. Como não é possível eliminar tantas barreiras físicas, o ideal é posicionar o equipamento o mais central possível em relação aos usuários. Outra recomendação é colocá-lo no alto para evitar que ele fique no nível dos móveis. Isso também ajuda a distribuir melhor o sinal de Wi-Fi, porque as ondas de rádio descem com mais facilidade do que sobem.
2. ESCOLHA O CANAL MENOS CONGESTIONADO
Em prédios com muitos apartamentos é possível que haja interferência entre as redes dos vizinhos. Isso porque a maioria dos equipamentos de Wi-Fi trabalham em canais de frequência na faixa de 2,4 GHz. Mas os roteadores contam com seis a doze canais para transmitir a conexão de internet, então basta selecionar um equipamento que funcione em outra frequência. “O roteador procura o canal com menos conexões, porém a rede de 2,4 GHz está tão congestionada que mesmo o canal mais livre está sujeito a interferências”, diz o gerente de produto da TP-Link, Fábio Appel. Uma alternativa são os roteadores com tecnologia de 5 GHz que permitem que até 20 redes dividam o mesmo ambiente. Caso a residência tenha mais de um roteador, o ideal é que eles operem em canais diferentes. Além disso, fique de olho em outros aparelhos que podem interferir na qualidade do sinal de Wi-Fi. Telefones sem fio e fornos de micro-ondas, que utilizam faixas de frequência próximas a 2,4 GHz, devem ser mantidos longe do roteador.
3. PROTEJA A REDE DE DISPOSITIVOS INTRUSOS
A velocidade da internet também depende da quantidade de aparelhos conectados. Pode ser que a causa da perda de desempenho de conexão esteja relacionada a outras pessoas que estão se aproveitando da sua rede Wi-Fi, sem autorização. Para impedir, é importante manter o roteador sempre atualizado e reforçar as configurações de segurança. Além de evitar senhas fracas, em geral fáceis de memorizar, é possível ter mais segurança restringindo o acesso a dispositivos confiáveis e ativando recursos de criptografia e de ocultação do nome da rede. “Não há necessidade de todo mundo no prédio saber que a pessoa tem uma conexão Wi-Fi em casa”, diz Gois. Essas opções estão disponíveis no software de configuração dos aparelhos, que possibilita, inclusive, que o usuário veja quais dispositivos estão conectados. Ao identificar um dispositivo intruso, o primeiro passo é trocar a senha do Wi-Fi imediatamente.
4. CONSIDERE INSTALAR OUTRO APARELHO
Se mesmo depois de seguir as sugestões acima não for possível acessar a internet nos cômodos mais distantes do roteador, uma opção é substituir o roteador por um mais potente ou comprar outro aparelho. Outra opção mais acessível é usar um repetidor de sinal. “O repetidor de sinal é uma solução mais simples para levar o sinal para outros cômodos”, diz Appel. Uma vez posicionado em um lugar onde o sinal de Wi-Fi não seja muito fraco, o dispositivo vai se conectar à rede e retransmitir o sinal mais adiante. Há também novos dispositivos no mercado que utilizam a tecnologia Powerline. Conectados ao roteador por meio de um cabo de rede, eles transmitem a conexão de internet por meio da rede elétrica e um dispositivo ligado na tomada do cômodo distante irradia o sinal Wi-Fi. 

ARTE NO BLOG

ARTE DE EUGÈNE-HENRI-PAUL GAUGUIN – PARTE 02 

Eugène-Henri-Paul Gauguin nasceu em Paris, em 7 de junho de 1848. Após a chegada de Napoleão III ao poder, sua família emigrou para Lima, Peru. De volta à França, Gauguin estudou em Orléans e, aos 17 anos, ingressou na marinha mercante e correu mundo. Trabalhou em seguida numa corretora de valores parisiense e, em 1873, casou-se com a dinamarquesa Mette Sophie Gad, com quem teve cinco filhos. Interessado pela pintura, Gauguin tomou aulas e passou a pintar nas horas livres. Incorporou-se ao movimento impressionista francês por meio de Camille Pissarro e Paul Cézanne e expôs pela primeira vez em 1876. Seus companheiros animaram-no a entregar-se cada vez mais à pintura, até que em 1883 decidiu dedicar-se inteiramente à Arte, após a quebra da Bolsa de Paris. Sem emprego e ainda sem vender seu trabalho, Gauguin atravessou desde então uma contínua sucessão de dificuldades econômicas, problemas conjugais, privações e doenças. Após uma temporada com a família da mulher em Copenhague, que acabaria por conduzir ao rompimento do casamento, estabeleceu-se em Pont-Aven, Bretanha, onde sua Arte amadureceu. Posteriormente, conviveu no sul da França com Vincent van Gogh. Uma viagem à Martinica, em 1887, levou Gauguin a renegar o impressionismo e a empreender o "retorno ao princípio", ou seja, à arte primitiva. A exaltação da cor, as formas sintetizadas e os valores simbolistas e decorativos já estão presentes nas obras dessa fase, como "A visão após o sermão" e "O Cristo amarelo". Em busca da arte e da vida primitivas, o pintor foi em 1891 para o Taiti, onde, além de abundante produção escultórica e um livro, "Noa noa", de anotações sobre o povo maori, pintou cerca de uma centena de quadros sobre tipos indígenas, como "Vahiné no te tiare" ("A moça com a flor") e "Mulheres de Taiti". Em 1893 voltou a Paris para expor suas obras e, após uma temporada na Bretanha, fixou-se novamente no Taiti. Nessa segunda fase taitiana criou algumas de suas obras mais importantes, como "De onde viemos? O que somos? Para onde vamos?", uma tela enorme que sintetiza toda sua pintura, realizada antes de uma tentativa de suicídio. Sempre em busca de um paraíso, Gauguin se transferiu, em setembro de 1901, para a ilha Hiva Oa (uma das Marquesas), onde morreu em 8 de maio de 1903.  

Fonte: Saber Cultural

RECEITA DO BLOG

PERU DE NATAL
INGREDIENTES
·         1 peru de 4 a 5 kg
·         1 cebola grande
·         1 lata de cerveja
·         1 colher de chá de açafrão
·         3 dentes de alho
·         4 colheres de sopa de óleo

MODO DE PREPARO
1.     Descongele o peru com um dia de antecedência
2.     Bata, no liquidificador, a cebola, o alho e o óleo
3.     Junte a cerveja e o açafrão
4.     Tempere o peru, deixando-o marinando por 5 horas
5.     Leve ao forno (180º graus), coberto com papel alumínio por cerca de 2 horas
6.     Retire o papel alumínio e aumente a temperatura do forno até corar
Experimente essa delícia e Bom apetite. 

CIRCULA NA INTERNET

TROCA VALIOSA...

IMAGEM DO DIA

Uma  sensacional imagem na nossa amada e bela Praia de Tibau - RN - Brasil.

PIADA DO BLOG

O CARRO DO ALFREDÃO
O genro do grande filósofo Alfredão chega com a sua amante em um motel em Fortaleza-CE e encontra lá o carro do sogro Alfredão estacionado. Indignado com a leviandade do sogro resolveu aplicar-lhe uma lição. Rouba-lhe o “Rádio/CD/DVD/GPS”  do carro e ainda faz alguns riscos nas portas. No dia seguinte vai visitar o sogro Alfredão, que se mostra muito enraivecido.
- Bom dia Sogrão, está com uma cara? Aconteceu alguma coisa?
Ao que o Alfredão puto da vida esclarece:
- Querido genro como não haveria de estar chateado... emprestei o carro à descuidada da tua esposa para ir à missa na Capela Santa Filomena e vê só, roubaram-lhe o “Rádio/CD/DVD/GPS” e ainda por cima riscaram as portas todas, arre égua!!!

TEXTO DO BLOG

A GAZELA, O LEÃO E A GUERRA COTIDIANA
por Gaudêncio Torquato*

Final de ano, momento de reflexão. Pensar sobre a insensatez desses tempos modernos pode ser um bom início para a recauchutagem do espírito. Casos ocorridos nos últimos dias são emblemáticos na ilustração do cotidiano. O soldado Bruno, 26 anos, estava todo animado para comemorar o aniversário de 2 anos da filha. Um dia antes, seu corpo carbonizado foi encontrado dentro de um carro na zona Norte do Rio de Janeiro. Uma mulher grávida, agredida pelo marido, pediu socorro à mãe pelo whatsapp. Em BH, ladrões roubaram o carro de uma funerária com um corpo dentro. Insensatez, loucura, banalização da criminalidade, frieza ou simplesmente um fragmento da brutalidade infernal desses tempos ditos pós-modernos? E o que dizer da violência na sala do Conselho de Ética (?) da Câmara, onde os deputados Zé Geraldo (PT-BA) e Wellington Roberto (PR-PB) quase se atracaram na última quarta feira?
Os fatos têm mais significados que a simples fotografia do cenário de violência a que estamos submetidos. Expressam o estado ilógico, antinômico e alienado de um mundo em que os princípios da eficiência, competitividade a qualquer custo, concorrência e aética, estão tornando as pessoas infelizes, solitárias e menos solidárias. Domenico de Masi, sociólogo italiano, autor de O Futuro do Trabalho, pinça o apólogo do Leão e da Gazela para mostrar a que ponto chega a esquizofrenia bárbara dos ambientes de trabalho, que se transformaram em campos de guerras da modernidade.
A historinha é emblemática: “Toda manhã, na África, uma gazela desperta. Sabe que deverá correr mais depressa do que o leão para não ser devorada. Toda manhã, na África, um leão desperta. Sabe que deverá correr mais que a gazela para não morrer de fome. Quando o sol surge, não importa se você é um leão ou uma gazela: é melhor que comece a correr”. Esse lembrete ainda é exibido em ambientes de trabalho como profissão de fé de executivos e dirigentes empresariais. À primeira vista, parece um bom conselho para quem quer vencer na vida. Trata-se, porém, de uma exaltação à barbárie. Basta intuir que, pelo conselho, “leões humanos” (aspas nossas) são autorizados a agarrar “gazelas humanas” (aspas nossas), que, apavoradas, devem se desdobrar para realizar suas tarefas ou a se esconder para fugir das intempéries do trabalho (ou dos ataques dos leões). É evidente a estimulação ao instinto da violência, ao cultivo dos perfis agressivos, às lutas por espaço e poder, às táticas aéticas e aos golpes traiçoeiros, tudo justificado pela necessidade da competitividade.
Nessa arena de “leões e gazelas”, a alternativa que se apresenta é única: correr ou golpear. E é isso que se vê nos ambientes de trabalho competitivos, no chão das fábricas, nos palácios públicos e nas ruas. Afinal de contas, o ladrão que rouba um caixão de funerária, ele mesmo um “leão faminto” (dinheiro, drogas, satisfação psicológica), é produto de um meio degradado. A estética de medo soma-se à estética de banalização da violência nas ruas. E as razões estão à vista: cidades com seus serviços deteriorados; a violência da miséria que volta a abater a classe C, excluindo milhões de pessoas da mesa de consumo; assassinato de menores pela Polícia Militar; violência contra mulheres; discriminação étnica; a agressão do desemprego etc.
Eis o paradoxo da modernidade. Esse caldeirão, muito quente em função da fogueira que consome as reservas da economia e queima a esfera política,  amortece a sociedade, que assume a imagem de um corpo descrente, dividido em grupos, separado por gigantesco apartheid. De outro lado, a tecnodemocracia forjada pelo interesse das estruturas burocráticas da área pública, e a organodemocracia, essa modelagem que se espraia pelos ambientes do trabalho privado, destroem a ideia da sociedade convivial, voltada para a interação dos cidadãos. Os burocratas não sentem o cheiro das ruas e os dirigentes empresariais só têm olhos para a produtividade, não raro procurando fórmulas para atenuar os golpes furiosos do tacape de impostos governamentais. Assim, não há tempo, interesse ou motivação para tratarem das coisas do espírito.
Onde estão os valores da solidariedade, do companheirismo, da amizade, da comunhão, do jogo em equipe? Dão adeus à Humanidade. Em seu lugar, surge uma modelagem tétrica, um aparato desordeiro, um jogo maléfico, altamente competitivo, que convive prazerosamente com golpes, traições, desprezo à vida. Estamos nos aproximando daquilo que o historiador Samuel P. Huntington chama de paradigma do caos:
- quebra no mundo inteiro da lei e da ordem; Estados fracassados e anarquia crescente em muitas partes; uma onda global de criminalidade; máfias transnacionais e cartéis de droga; número de viciados em drogas se expandindo; debilitamento generalizado da família; declínio na confiança e na solidariedade social; violência étnica, religiosa e civilizacional e a lei do revólver voltando a predominar em praticamente todo o planeta; crise geral de governabilidade.
Para fechar a galeria da insensatez, só resta aparecer bandidos em assaltos usando camisetas com Cristo, Gandhi e Buda, rezando orações para seus santos de veneração. A simbologia é triste, mas a Humanidade caminha em direção ao slogan dos apologistas da pseudo-modernidade: “mate seu companheiro, se ele, de alguma forma, atrapalhar o serviço”. O universo, sem bússola, é um ente alienado, fora do eixo. O fundamentalismo islâmico, que atrai jovens de muitos países, está a desafiar o bom senso. Crianças inocentes, manipuladas, acabam sendo usadas como veículos para carregar bombas. A besta fera do apocalipse (violência extremada) está à espreita. Exagero? Pode ser. Mas as tragédias – humana, cultural, naturais, -, estão se repetindo com muita frequência. Que Deus nos proteja.  

(*) Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter @gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
A Bovespa fechou em alta na quinta-feira (17), após chegar a subir mais de 2%, favorecida pelo cenário externo positivo, com investidores encarando a primeira alta do juro norte-americano em quase uma década como sinal de confiança na maior economia do mundo. Por outro lado, o índice reduziu os ganhos após as ações da Vale e Petrobras passarem a cair. O principal índice de ações da bolsa avançou 0,55%, aos 45.261 pontos. Na semana, a bolsa brasileira está praticamente estável, com variação positiva de 0,002%. No mês de dezembro, o índice sobe 0,31%. Em 2015, acumula queda de 9,49%. 

ÍNDICES DA BM&FBOVESPA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
MÁXIMO (PTS)
MÍNIMO (PTS)
Ibovespa
+0,55%
46.251,30
45.016,16
IBX
+0,58%
19.276,67
18.763,35
IBX50
+0,48%
7.856,25
7.644,54
IEE
+0,44%
25.292,24
24.835,44
IGCX
+0,92%
7.424,10
7.239,85
INDX
+0,48%
12.945,73
12.632,00
ISE
+0,15%
2.224,55
2.172,05
IVBX
+0,61%
7.431,83
7.252,06
17/12/2015 17h40 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
3,8801
3,8811
-1,11%
Euro
4,2095
4,2113
-0,65%
Libra
5,7957
5,7976
-0,50%
Peso Argentino
0,2923
0,2926
-26,09%
17/12/2015 17h39 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
1,01%
INPC IBGE (mês)
54,00%
BR IPC-Fipe Infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
-4,08%
ICV Dieese (mês)
0,93%
11/12/2015 12h57 | Thomson Reuters 

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
14,25%
CDI (ano)
10,80%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
7,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,1717%
Poupança (mês)
0,623%
17/12/2015 17h54 | Thomson Reuters
  
COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
-0,42
13,76
Platina
-
-29,05
844,05
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-21,16
1.051,40
Petróleo Brent
0,00%
0,00
37,75
Paládio
-
-10,80
557,65
17/12/2015 17h54 | Thomson Reuters

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

CITAÇÃO DO DIA

“Nosso espírito é um ser de uma natureza realmente indestrutível, e sua atividade continua de eternidade a eternidade. É como o Sol, que parece se pôr apenas aos nossos olhos terrenos, mas que, na realidade, nunca se põe, antes brilhando sem cessar.”  (GOETHE)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

ANEEL PROPÕE MUDANÇAS EM BANDEIRAS TARIFÁRIAS NA CONTA DE LUZ
As bandeiras tarifárias, que elevam o custo da energia para o consumidor quando há usinas de geração muito caras em funcionamento, passarão por revisão, com mudanças nas regras e valores da cobrança extra a partir de fevereiro de 2016, segundo proposta da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) colocada em audiência pública na terça-feira (15). A proposta, que deverá ser discutida até 17 de janeiro, ocorre em momento em que o governo busca reduzir custos com tarifas para o consumidor, à medida que o cenário climático aponta para uma melhora nos níveis dos reservatórios do Sul, Sudeste após um período de seca.  

A sugestão da agência é de que a bandeira passe de verde (tarifa normal) para amarela – quando passa a haver cobrança extra – se houver térmicas em operação com custo acima de R$ 211 por megawatt-hora, contra R$ 200 atualmente. Já o custo de térmicas que leva ao acionamento da bandeira vermelha, com adicional maior, passaria para R$ 422 por megawatt-hora, ante R$ 388 hoje. Além disso, seria criado um novo patamar de bandeira vermelha, acionado apenas quando houvesse usinas consideradas muito caras ligadas – a Aneel não especificou um valor. Atualmente, a bandeira vermelha representa um acréscimo de R$ 45 por megawatt-hora consumido (ou R$ 4,50 a cada 100 quilowatts-hora), enquanto a amarela significa um custo extra de R$ 25 por megawatt-hora. Na bandeira verde, é praticada a tarifa comum. Segundo a Aneel, o custo extra acionado por cada bandeira será revisto na audiência pública, bem como as faixas de acionamento de cada uma delas, que serão reavaliadas a partir das sugestões apresentadas. Além disso, a partir de 2016 a arrecadação das bandeiras tarifárias também poderá ser utilizada para compensar financeiramente hidrelétricas que tenham perdas devido à falta de água nos reservatórios. As empresas que aderirem a acordo proposto pelo governo federal para compensar perdas de receita das hidrelétricas com a seca em 2015 poderão receber recursos das bandeiras tarifárias para cobrir total ou parcialmente eventuais novas perdas a partir do próximo ano. Atualmente, o sistema opera com bandeira vermelha, ainda que as térmicas mais caras, com Custo Variável Unitário (CVU) médio de mais de R$ 600 por megawatt hora, tenham sido desligadas em agosto. O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou que o governo quer terminar 2016 com usinas com custo acima de R$ 400  por MWh desligadas.

TEMPERATURA DO AR NO ÁRTICO ATINGE SEU MAIOR NÍVEL DESDE 1900
A temperatura do ar no Ártico atingiu um recorde este ano, enquanto que o derretimento das calotas polares tem destruído o habitat das morsas e obrigado alguns peixes a migrar mais para o norte, de acordo com um relatório divulgado na terça-feira (15).  A temperatura do ar Ártico foi de 1,3ºC  acima do nível médio e atingiu o seu "mais alto nível desde que os registros começaram em 1900", informa o Arctic Report Card 2015, publicado pela Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA). O gelo também atingiu sua área máxima anual em 25 de fevereiro, duas semanas mais cedo do que o habitual, formando "a extensão a mais baixa desde que os registros começaram em 1979". "O Ártico está se aquecendo duas vezes mais rápido que outras partes do mundo, e isso tem consequências para a segurança global, clima, comércio e trocas", explicou o cientista-chefe da NOAA, Rick Spinrad, em comunicado. A temperatura média do ar em um ano, a partir de inquéritos tomadas entre outubro de 2014 e setembro de 2015, teve um aumento de 3°C desde o início do século 20.

FBI VOLTA A ATACAR CRIPTOGRAFIA E QUER 'MUDANÇA DE MODELO DE NEGÓCIOS'
Em uma audiência pública no senado norte-americano na semana passada, o diretor do FBI James Comey afirmou que a adoção de criptografia por parte das empresas de tecnologia é uma questão de "modelo de negócios" e que as empresas devem mudar esse modelo para poder cumprir ordens da Justiça. Ele chegou a fazer um apelo para que os consumidores dessem um recado aos fabricantes, pedindo que a tecnologia fosse removida. A criptografia, que consiste em embaralhar dados, funciona em celulares e mensagens para proteger informações de interceptação e para impedir criminosos que roubarem o telefone de ver o que está armazenado. Nem mesmo a fabricante do sistema do celular (como Google ou Apple) pode intervir: as tecnologias que vêm sendo adotadas são realmente inquebráveis sem muitas (milhares) de horas de cálculo em um supercomputador. Até a quebra ocorrer, os dados já não são mais relevantes. Para o FBI, a tecnologia colabora com terroristas, já que não é possível abrir os dados de um telefone apreendido e nem usar grampos para interceptar a comunicação. Comey, no entanto, admitiu que parte do problema não tem solução: usuários mais sofisticados continuarão podendo usar aplicativos com funções criptográficas. É como se Comey advogasse contra a "inclusão criptográfica". Quem sabe usar, que use - até porque nada pode ser feito a respeito -, mas quem não sabe usar deve ficar mais inseguro. O problema é que tecnologias de criptografia são extremamente simples. Elas são abertas e suas fórmulas são conhecidas; pode-se até usá-las de graça. Uma das tecnologias de criptografia mais poderosas existentes, a "one-time pad", pode ser facilmente programada e transformada em aplicativo. Desde que os terroristas possam uma única vez compartilhar uma chave grande - digamos um pen drive cheio -, a comunicação é praticamente inquebrável. A criptografia é um dos maiores embates políticos dentro da área de segurança. O assunto, porém, é por natureza técnico. A facilidade de se obter e usar programas para embaralhar dados precisa entrar na equação. No fundo, é apenas matemática. E também não se pode imaginar que apenas criminosos têm interesse em esconder informações. Executivos precisam proteger dados de suas empresas. Hospitais e médicos precisam resguardar o histórico dos seus pacientes. Bancos precisam ter criptografia em seus dados para manter o sigilo dos correntistas. Colocar uma "chave mestra" em soluções criptográficas na mão dos fabricantes significa que todas essas proteções também ficariam em risco caso o fabricante sofresse um ataque. Temos cada vez mais dados em nossas mãos - nos celulares, nas mensagens que trocamos. É como se todos nós estivéssemos constantemente carregando nosso diário pessoal no bolso. Qualquer um, portanto, merece poder usar criptografia. Ao mesmo tempo, mesmo que ela seja completamente proibida para uso não autorizado, a criptografia é tão dinâmica que não há meio fácil de detectá-la. Proibir comunicações protegidas exigiria que toda nossa infraestrutura seja repensada e isso nem de longe está em discussão no legislativo americano - pelo menos não por enquanto. E isso supõe que as autoridades vão estar mesmo observando as comunicações certas entre milhares de mensagens e ligações feitas todos os dias. Pouco importa se uma mensagem foi transmitida sem proteção se a comunicação não está sendo vigiada. Já há evidências, por exemplo, de que os ataques em Paris foram planejados sem o uso de criptografia, segundo o site "The Intercept". O CEO da Apple Tim Cook já se posicionou contrário a qualquer medida que enfraqueça a criptografia. O Google, o Yahoo e o Facebook também estão com uma postura pró-criptografia. Junto delas estão especialistas de segurança que entendem a fragilidade de se criar uma "chave mestra" em qualquer sistema de criptografia. Se a proibição prática da criptografia para consumidores for levada ao Congresso norte-americano, é possível que as empresas - cuja credibilidade já ficou balançada após as revelações de Edward Snowden - se posicionem contra a medida. Em termos simples, a aposta das autoridades - pelo menos as que estão de boa-fé - é de que o problema da criptografia é sua acessibilidade. Mas se o problema não é a acessibilidade da criptografia, ou seja, se os criminosos que podem se beneficiar com a criptografia já sabem como usá-la, acabar com a "inclusão criptográfica" não vai deixar ninguém mais seguro. Na verdade, o resultado será o oposto. 

RIVISTA DO MINO

SAÚDE NO BLOG

SAIBA QUAIS SÃO AS VITAMINAS E MINERAIS ESSENCIAIS PARA A SAÚDE
A nutricionista lista as vitaminas e minerais que são essenciais para o bom funcionamento do corpo, agindo como reguladores e protetores do metabolismo

por Bruna Nastas

Para equilibrar a alimentação, é importante regular alguns alimentos que são essenciais para a saúde, como as vitaminas e minerais que ajudam no bom funcionamento do corpo, agindo como reguladores e  protetores do metabolismo, prolongando a vida e dando beleza a pele, os fios, fortalecendo a imunidade e até mesmo aumentando a disposição sexual.
Segundo a nutricionista da 'Organofit', Flavia Regina Machado, as vitaminas são divididas em dois grupos: as hidrossolúveis (vitaminas do grupo B e a C), que são eliminadas rapidamente quando consumidas em excesso necessitando que sejam ingeridas diariamente para que não ocorra a carência. E as lipossolúveis (vitaminas A, D, E e K) que possuem reservas no organismo, pois não são eliminadas na urina.
"Atualmente a grande parte da população brasileira é carente de vitamina D, pois para ser sintetizada necessita de exposição solar de pelo menos 20 minutos. Apesar de ser um país tropical, com grande incidência de raios solares, as pessoas se expõem pouco ao sol", diz a profissional.
Já as vitaminas E e C são importantes antioxidantes que previnem a formação de radicais livres que podem desencadear o câncer, além de prevenirem o envelhecimento. "A vitamina A tem grande importância na visão, imunidade e reprodução", diz Flavia. No caso da vitamina K, a nutricionista explica que ela é essencial para a coagulação e são encontradas em alimentos como hortaliças verdes, abacate, morango, laranja, acerola, carnes, nozes, cereais e óleos vegetais.
"Minerais como cálcio, ferro, zinco, fósforo, potássio  e sódio são essenciais para o funcionamento das células , condução de impulsos nervosos, contração de músculos, cicatrização e coagulação, absorção de vitaminas, formação de ossos e dentes e antioxidantes", afirma. Eles podem ser encontrados em frutas, derivados de leite, cereais integrais, frutos do mar e oleaginosas. 

CIRCULA NA INTERNET

SEM MALDADES E DUPLO SENTIDO, ENTENDERAM?

IMAGEM DO DIA

Uma deslumbrante imagem na charmosa Areia Branca - RN - Brasil.

PIADA DO BLOG

TIRANDO PARA DANÇAR
Começou a música e um bêbado levantou-se, cambaleando e trocando as pernas, dirigiu-se a uma senhora de preto e pediu:
- Hiccc...  Madame, me dá o prazer desta dança?
E ouviu a seguinte resposta:
- Não, por 3 motivos: primeiro, o senhor está bêbado em pleno velório! Segundo, porque não se dança o "Hino Nacional" e terceiro porque "madame" é a puta que o pariu ... eu sou o Padreee dessa Paróquia!!!

TEXTO DO BLOG

INJUSTIÇA
por Luis Fernando Verissimo*

O debate político no Brasil entrou no fértil terreno dos hortifrutigranjeiros. Na discussão sobre a formação da comissão que decidirá sobre o impedimento ou não da Dilma, deputados se xingaram de “banana”. E o ar da nossa augusta Assembleia Nacional, onde outrora ecoaram as vozes de grandes oradores em embates históricos, foi entrecortado por epítetos ferozes.
— Banana!
— Banana é vossa excelência!
— É vossa excelência!
Um insulto às bananas. Por alguma razão, “banana” se transformou em sinônimo de burrice, de ingenuidade irreversível. Poderia muito bem ser substituída por outro termo, como “babaca” ou “boca aberta”. Ou por outra fruta ou legume, notoriamente sem conteúdo.
— Chuchu!
— Quiabo!
— Quiabo não!
A banana teve um papel importante na evolução humana, e não apenas pela sua quantidade de potássio. Dizem que descascar uma banana e descobrir seu insuspeitado interior palatável foi uma das primeiras conquistas do homem primitivo. Descascar uma banana e comê-la pode muito bem ter sido um começo, tão importante quanto a invenção da roda, do processo de civilização. Não seria exagero dizer — baseado no que se tem visto no país, nos últimos dias — que a banana tem mais valor histórico e utilidade do que boa parte dos políticos brasileiros.
O debate político no Brasil atual também incorporou um gesto muito comum em filmes americanos de uma certa época: atirar bebida na cara do adversário. O que há tempo não se via no cinema aconteceu há dias em Brasília, se é que não se trata de mais uma notícia sub-reptícia espalhada pelo japonês bonzinho.
A Kátia Abreu atirou vinho na cara do José Serra. Não tenho detalhes do ocorrido (marca do vinho, safra etc). Mas não me surpreendi. Ouvi dizer que na linha de sucessão ao Planalto, se a Dilma e o Temer caírem juntos, o Cunha for preso e alguma coisa acontecer com o Renan, há até o perigo de assumir a Presidência o Tiririca! Nada mais me surpreende.

(*) Luis Fernando Verissimo é escritor.

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
A Bovespa fechou em leve alta na quarta-feira (17), mesmo após a agência de classificação de risco Fitch retirar o grau de investimento do Brasil, em meio às reações iniciais à primeira alta dos juros nos Estados Unidos em quase uma década, destaca a Reuters. O Ibovespa, principal indicador da Bolsa de Valores de São Paulo, subiu 0,32%, a 45.015 pontos. Na mínima do dia, chegou a recuar 1,7%. 
ÍNDICES DA BM&FBOVESPA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
MÁXIMO (PTS)
MÍNIMO (PTS)
Ibovespa
+0,32%
45.098,94
44.094,84
IBX
+0,37%
18.790,72
18.394,79
IBX50
+0,39%
7.656,59
7.487,84
IEE
+1,07%
24.759,59
24.204,34
IGCX
+0,28%
7.245,55
7.096,94
INDX
+0,42%
12.632,35
12.427,46
ISE
+1,01%
2.173,99
2.125,15
IVBX
+0,32%
7.258,05
7.127,05
16/12/2015 17h40 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
3,9056
3,9078
+0,81%
Euro
4,2818
4,2883
+1,22%
Libra
5,8804
5,8841
+1,03%
Peso Argentino
0,4004
0,4007
+1,21%
16/12/2015 17h39 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
1,01%
INPC IBGE (mês)
54,00%
BR IPC-Fipe Infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
-4,08%
ICV Dieese (mês)
0,93%
11/12/2015 12h57 | Thomson Reuters

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
14,25%
CDI (ano)
10,80%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
7,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,1559%
Poupança (mês)
0,623%
16/12/2015 17h39 | Thomson Reuters
  
COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
+0,31
14,06
Platina
-
+13,32
868,35
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
+7,74
1.068,10
Petróleo Brent
0,00%
0,00
37,75
Paládio
-
+0,75
565,47

16/12/2015 17h39 | Thomson Reuters