Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

CITAÇÃO DO DIA

“Uma das pessoas mais importantes me ensinou uma coisa: Tudo no final sempre dá certo, se ainda não deu, é porque não chegou o final. Por isso, acredite sempre na minha família. Acredite no Tempo, na Amizade, na Sabedoria e, principalmente no Amor. Aí, quem sabe um dia, eu, Felicidade, não bato à sua porta? Tenha Tempo para os Sonhos, Eles conduzem sua carruagem para as Estrelas. Realizem no Tempo Presente, muitas Amizades, cultuem a Sabedoria, pratiquem o Amor, assim você estará realizando a sua, Felicidade.” (Rivalcir Liberato)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

CUSTO DO USO DE TÉRMICAS SERÁ DE TODOS
O custo adicional das usinas térmicas passará a ser pago por todos os consumidores brasileiros, e não mais apenas pelos clientes da região onde essas plantas estão localizadas. A proposta beneficia consumidores do Nordeste, que seriam prejudicados por concentrar um parque de termelétricas. Parte significativa dessa energia tem sido enviada a outras regiões. Na semana passada, 23/01, o Nordeste gerou e transmitiu 2,5 mil megawatts médios para o Sudeste e o Centro-Oeste do País. Para corrigir a distorção, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs uma nova forma de rateio dessa despesa a ser aplicada já em janeiro. Em vez de custar R$ 25 no Nordeste e apenas R$ 3,60 no Sudeste e Centro-Oeste, o megawatt/hora terá um adicional de R$ 3,65 neste mês para todos os consumidores do País. O argumento é que o acionamento das térmicas gera um benefício para todo o País, e não apenas para a região onde a usina está localizada. O dinheiro servirá para custear as térmicas mais caras, que superam o novo teto do preço da energia no mercado de curto prazo (PLD), de R$ 388,48 por MWh. Essas usinas são remuneradas pelo chamado Encargo de Serviço do Sistema (ESS), adicional que arrecada a diferença entre esse teto e o custo real de geração da energia. Até então, o ESS era cobrado apenas dos consumidores da região onde a usina estava instalada. Pelas regras em vigor, o Nordeste arcaria com 40% do custo do acionamento dessas usinas, embora consuma apenas 16% da energia em todo o País. "Havia uma distorção no modelo, que passou a existir na medida em que a geração deixou de ser hídrica e passou a avançar sobre outras fontes de energia, sobretudo as térmicas", disse o diretor André Pepitone. "Essa energia beneficia todo o sistema brasileiro, mas quem assumia era apenas o submercado onde térmica ficava. Agora, vamos onerar quem se beneficia, ou seja, o País como um todo". Para o relator da proposta, Tiago de Barros Correia, a proposta apresentada nesta terça-feira teria um impacto significativamente menor. O valor de janeiro, de R$ 3,65 por MWh, já considera o pior cenário e o custo máximo que poderá ser cobrado, que poderá variar mês a mês. Ainda que o novo rateio já valha para este mês, a proposta poderá sofrer alterações durante o período de audiência pública, de 29 de janeiro a 2 de março. "Isso não significa um jogo de cartas marcadas. É possível que se recue, mas é melhor uma regra transitória e aí revermos essa norma do que aplicarmos uma regra que certamente será revista", disse o diretor.  Ao reduzir no ano passado o teto do PLD de R$ 822,83 para R$ 388,48, a Aneel havia proposto que o ESS das térmicas mais caras seria pago apenas pelos agentes expostos, ou seja, sem contratos de compra de energia e que dependiam do mercado à vista. Essa ideia foi extremamente criticada pelo setor e acabou sendo revista. A Aneel adiou novamente o prazo para que as distribuidoras de eletricidade paguem suas despesas com compra de energia feitas no ano passado. O motivo é que o governo ainda não conseguiu fechar o terceiro empréstimo para as distribuidoras. A fatura de novembro vencia em 13 de janeiro, já havia sido postergada para o dia 30. A conta de dezembro vencia em 9 de fevereiro. Agora, a Aneel postergou as duas faturas para "até 31 de março". Para resolver o problema, o governo começou a negociar um novo financiamento com os bancos públicos. A estimativa da Aneel é que sejam necessários R$ 2,6 bilhões. O tempo para fechar essa operação, porém, foi considerado pequeno. Mais de 2 mil empresas estão sem receber pela energia que já venderam. A dívida, porém, será corrigida pela variação da Selic. O diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, disse que a liquidação poderá ser antecipada caso o empréstimo seja viabilizado antes dessa data. "Se a captação ocorrer antes, a gente liquida antes", afirmou. Segundo ele, as negociações para fechar o financiamento não são simples. "Ainda que não esteja totalmente resolvida, é essa a solução que está sinalizada". No ano passado, um consórcio de bancos públicos e privados emprestou R$ 17,8 bilhões para as distribuidoras. Os valores serão pagos por meio de aumentos na conta de luz, que começam a ser repassados ao consumidor já neste ano. Ainda que não aportem recursos na terceira parcela, todos os bancos que já integraram o grupo precisam dar aval à operação. O diretor da Aneel, Tiago de Barros Correia, disse que os custos do fundo do setor elétrico que banca programas sociais serão menores que os inicialmente previstos. Ele não adiantou valores, mas informou que uma revisão nos gastos da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) resultaram em uma conta "significativamente menor" que R$ 23 bilhões inicialmente estimados. A Aneel vai convocar as empresas do setor para explicar as razões dos "apaguinhos" que atingiram diversas regiões do País nos últimos dias. Segundo ele, as distribuidoras que serão alvo da fiscalização serão as que apresentaram um grande aumento no índice de reclamações dos consumidores. Com isso, o repasse dessa despesa para a conta de luz também será menor. "Os custos da ordem de R$ 23 bilhões não se materializaram", afirmou o diretor. Os novos valores serão apresentados na próxima terça-feira, dia 3 de fevereiro. 

COBRAS SURGIRAM HÁ 170 MILHÕES DE ANOS, DIZ ESTUDO DA 'NATURE COMMUNICATIONS'
Ao analisar fósseis de quatro cobras pré-históricas, cientistas descobriram que elas tinham entre 140 milhões e 167 milhões de anos. Isso mostra que o surgimento desses répteis aconteceu pelo menos 70 milhões de anos antes do que os registros anteriores indicavam. A pesquisa, publicada nesta semana na revista Nature Communications, muda completamente a perspectiva dos estudos sobre a origem e a evolução das cobras, segundo os autores. Até agora, só existiam provas de que elas haviam aparecido na Terra há cerca de 100 milhões de anos. Segundo o principal autor do estudo, Michael Caldwell, da Universidade de Alberta (Canadá), o estudo indica que a evolução das cobras é mais complexa do que se pensava. Apesar da descoberta, ainda há uma lacuna no conhecimento a ser preenchida, pois não foram encontrados fósseis no período de 100 milhões a 140 milhões de anos atrás. De acordo com Caldwell, os cientistas já imaginavam que existiam cobras há mais de 100 milhões de anos, mas a ausência de fósseis deixava a impressão de que elas surgiram repentinamente naquele período. Segundo os autores, o estudo mostra que, no período de 167 milhões e 100 milhões de anos atrás, cobras ancestrais já estavam se diferenciando em espécies distintas e evoluindo para adquirir formas semelhantes às das cobras marinhas que viveram de 90 milhões a 100 milhões de anos atrás - até agora consideradas as mais antigas. As cobras marinhas tinham patas traseiras pequenas e desenvolvidas. “Ao que tudo indica, as cobras ancestrais também tinham pernas. Mas as características da cabeça são semelhantes às das cobras modernas. Isso sugere que a evolução das cabeças ocorreu antes de as cobras perderem as patas”. A Eophis underwoodi, achada perto de Kirtlington, sul da Inglaterra, é a cobra com 167 milhões de anos registrada pelo estudo. Segundo Caldwell, a pesquisa indica que há cobras ainda mais antigas do que ela. 

ANAC LIBERA ‘PAU DE SELFIE’ EM BAGAGEM DE MÃO
A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) esclareceu em nota publicada em seu site nesta semana que os “bastões de selfie” (popularmente chamados de “pau de selfie”) agora podem ser transportados na bagagem de mão.  A agência informou que as únicas condições são a de que o peso total da bagagem de mão não exceda 5 kg e a soma das dimensões não ultrapasse 115 cm. Segundo a Anac, passageiros passaram a reclamar que o objeto estava sendo barrado pelos funcionários aeroportuários que, ao enquadrá-lo como “bastões retráteis”, proibiam-no de ser levado na bagagem de mão. Isso porque objetos desta categoria são proibidos de entrar como bagagem de mão pela resolução n° 207 de 2011 – embora sejam permitidos nas malas despachadas. “Sanadas as dúvidas quanto à diferenciação de ‘bastão retrátil’ e ‘bastão de selfie’, a Anac orientou os operadores aeroportuários e aéreos, por meio de ofício, sobre a permissão do acessório, desde que ele respeite as regras da bagagem de mão”, diz a nota.

ARTE NO BLOG

A ARTE DE KÁROLY FERENCZY – PARTE 03
Károly Ferenczy nasceu em 1862 em uma família judia húngara, em Viena, Áustria. Primeiramente ele concluiu uma licenciatura da Faculdade de Economia. Depois, incentivado por sua futura esposa, Olga Fialka, viajou para a Itália para estudar pintura. Posteriormente, em 1887, foi para a “Académie Julien”, em Paris. Casando-se, em 1889 ele e sua esposa estabeleceram-se em Szentendre, uma pequena cidade perto de Budapeste, onde tiveram três filhos. Em 1893, ele levou sua família para Munique, onde viveram até 1896, enquanto estudava com o pintor húngaro Simon Hollósy e um círculo de jovens artistas a seu redor. Retornando para a Hungria em 1896, juntou-se a Ferenczy Réti e Thorma em Nagybánya - a colônia de pintura Baia Mare do movimento de iniciação da pintura húngara moderna - e eles convenceram Hollósy a transferir suas aulas para lá. Essa colônia de artistas é, atualmente, a “Baia Mare” , na Romênia. Mesmo nos primeiros anos, Ferenczy tinha um estúdio em Budapeste durante o inverno, que manteve ao longo de sua carreira. A primeira exposição de Ferenczy em 1903, em Budapeste, marcou a entrada bem-sucedida na sua vida como artista. Em 1906, o pintor foi chamado a exercer o cargo de professor na Escola de Desenho Real Húngaro, atualmente a Universidade Húngara de Belas Artes . Ele voltava a Nagybánya no verão para ensinar, e sempre foi fortemente ligado à colônia. Suas pinturas de estúdio foram as mais importantes para a sua Arte: nus, naturezas-mortas, cenas urbanas de artistas de circo, etc. Por sua própria obra e seu ensino,Ferenczy é considerado o "pai do Impressionismo e pós-Impressionismo na Hungria e o "fundador da pintura húngara moderna". Em seus últimos anos, Frenczy pintou assuntos que vão desde retratos, nus, a cenas bíblicas. Nesse período, "a conciliação do ideal estético abstrato com a beleza sensual tornou-se uma preocupação central de sua Arte". Ferenczy era altamente produtivo, e ele se dedicou a uma variedade enorme de materiais e gêneros. Em novembro de 2011, uma grande exposição retrospectiva foi aberta por seis meses na Galeria Nacional Húngara , com cerca de 150 pinturas e 80 gravuras e desenhos, juntamente com cerca de 50 documentos (fotografias, cartas, catálogos e livros) relacionados com a sua Arte e vida. Foi a primeira grande exposição de seu trabalho em quase um século. As obras foram cedidas por coleções particulares e públicas. Károly Ferenczy morreu em Budapeste em 18 março de 1917.


Fonte: Saber Cultural

RECEITA DO BLOG

FRICASSÉ DE VITELA COM SPAGHETTI AO PESTO DE BARU 

INGREDIENTES PARA 04 PESSOAS
Vitela
·         800 g de carne de vitela limpa, sem osso
·         200 g de espaguete grano duro
·         25 g de farinha de trigo
·         500 ml de creme de leite fresco
·         500 ml de vinho branco seco
·         2 colheres (sopa) de azeite extravirgem
·         2 cebolas
·         1 maço de manjericão
·         1 buquê garni
·         Sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Pesto de baru
·         50 g de queijo parmesão ralado
·         200 ml de azeite
·         1 xícara (chá) de folhas de manjericão fresco
·         3 colheres (chá) de baru sem casca e tostado
·         1 colher (chá) de sal
·         4 dentes de alho
·         Pimenta-do-reino a gosto

MODO DE PREPARO
VITELA
1. Corte a vitela em cubos, coloque em uma panela, cubra com água e leve para ferver por 5 minutos.
2. Deixe esfriar, retirando a espuma que se formar na superfície.
3. Em uma panela, coloque a cebola picada com o azeite e doure, sem deixar queimar.
4. Passe a vitela na farinha de trigo e junte ao refogado.
5. Acrescente o caldo de carne, o vinho, o buquê garni, o sal e a pimenta.
6. Deixe cozinhar por 2 horas, retire a vitela do caldo, coe o líquido, volte ao fogo e deixe reduzir por 10 minutos.
7. Junte o creme de leite fresco e cozinhe por mais 5 minutos.
8. Finalize o molho com o manjericão picado e junte a vitela.
9. Sirva com o espaguete e o pesto de baru.
PESTO DE BARU
Bata todos os ingredientes no liquidificador e reserve.

Fonte: Receita de Andrea Tinoco, do restaurante e bufê Rancho Inn, Rua do Rosário, 74, Centro, tel. (21) 2263-5197, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ; ranchoinn.com.br

CIRCULA NA INTERNET

O DISFARCE MAL SUCEDIDO DE CERVERÓ

IMAGEM DO DIA

Uma beleza deslumbrante de uma noite enluarada na amada Praia de Tibau - RN - Brasil, clicada pela digital da amiga e conterrânea Claudia Vieira.

PIADA DO BLOG

O CASAMENTO DURADOURO DO ALFREDÃO
No “happy hour das sextas” no Sal & Brasa de Fortaleza – CE, o grande filósofo Alfredão em animada mesa com amigos fala bem alto:
- Minha esposa e eu temos o segredo para fazer um casamento durar: 
Aí o Marcão perguntou:
- Conta prá gente qual é esse segredo!
O Alfredão responde:
- Duas vezes por semana, vamos a um ótimo restaurante, com uma comida gostosa, uma boa bebida, e um bom companheirismo. Ela vai as terças-feiras, e eu as quintas. Nós também dormimos em camas separadas. A dela é em Fortaleza e a minha em S. Paulo.

TEXTO DO BLOG

MISSÃO DO PARLAMENTO

Se não é possível avançar em largos passos, que os congressistas tentem cumprir uma agenda mínima de grandes compromissos
por Gaudêncio Torquato*

Dentro de mais alguns dias, o Parlamento abrirá uma nova legislatura. Nesse momento, a indagação que se levanta é: como os senadores e deputados poderão usar o ano em curso para aliviar as sombras que escurecem os horizontes?
As perspectivas para 2015 são sombrias: crescimento pífio, economia em retração, juros subindo, acesso limitado ao consumo, orçamentos cortados, setores produtivos desestimulados, seca devastando o Nordeste e o Sudeste, reservatórios usando seus volumes mortos, ameaça de apagão e por aí vai.
Os brasileiros, claro, querem seu bom dinheirinho no bolso, estrutura de atendimento à saúde, garantia de emprego, maior segurança nas cidades, uma vida em paz. Da parte dos governantes, já se sabe que a palavra crescimento estará fora de seu dicionário.
Se prometerem isto, estarão cometendo mais uma fraude.  E o que poderão fazer os políticos para salvar o ano? Usando suas prerrogativas para fazer coisas possíveis e tentando dar um passo adiante.
Por exemplo, decidindo enfrentar para valer as tão propaladas reformas política e tributária. A crise crônica que assola o país, há décadas, tem como origem velhas práticas clientelistas e uma modelagem tributária, que se mostra perversa e injusta.
Urge lapidar esses dois pilares da vida institucional, arrumando um modelo racional de Estado e uma gestão moderna de democracia.
Interstício entre anos eleitorais, 2015 é o ano ideal para abrir a porta de reformas. Um argumento que pode unir os contrários é o de que as medidas aprovadas só serão aplicadas a partir de 2018.
Haveria, portanto, prazo suficiente para acomodação de posições e de interesses partidários. Por que começar com a reforma do sistema político-eleitoral, com o estabelecimento de uma modelagem mais condizente com o escopo democrático?
A modernização das práticas políticas – sem os vícios e “ismos” que herdamos de nosso processo civilizatório- será a garantia de que o país abandonará o ciclo patrimonialista, oxigenando os pulmões da democracia.
Na frente econômica, o ortodoxo Joaquim Levy abriu seu estoque de ajustes, a partir do pacotaço de impostos que começa a fechar as portas do consumo.
O fato é que diques pontuais para atenuar as ondas da pororoca econômica só serão eficazes se acompanhados de ações mais profundas com foco na reforma do Esta­do.
A par da política e da economia, portanto, outros campos carecem de uma ação reformista, como é o caso do próprio sistema presidencialista, que se ampara em mando excessivo.
O chamado presidencialismo de coalizão expressa forte viés paternalista, estabelecendo humilhante dependência do Legislativo e da planilha partidária situacionista ao Executivo.
O poder da caneta – que nomeia e demite – exerce enorme atração, balizando o exercício parlamentar. 
Em outra ponta, a presidente da República passaria a usar o instrumento excepcional da Medida Provisória exclusivamente em casos comprovados de urgência e relevância. Esta nova ordem imprimiria respeito ao sistema normativo. Com ganhos de todos,  Executivo e Legislativo.
Os corpos parlamentares, da situação e da oposição, tocados pela ideia de que a crise aponta para a ne­cessidade de decisões altaneiras, haverão de encontrar o necessário traço de união.
As conveniências partidárias seriam adiadas para as proximidades de pleitos futuros. Afinal, o país não pode vivenciar climas eleitorais permanentes sob pena de expandir os conflitos para o seio social.
Se não é possível avançar em largos passos, que os congressistas tentem cumprir uma agenda mínima de grandes compromissos. O que não se admite é a in­transigência por motivações grupais e já com vistas ao jogo eleitoral de amanhã.
No que diz respeito ao Judiciário, o que se espera é que o STF leve a cabo, de forma mais célere, o contencioso em torno da Petrobras, julgando os quadros políticos envolvidos na propinagem. Que o ano legislativo de 2015 marque um tento no capítulo das grandes mudanças.

(*) Gaudêncio Torquato é jornalista, professor titular da USP, consultor político e de comunicação Twitter @gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em leve alta na quinta-feira (29), após pregão que alternou movimentos de alta e baixa. O Ibovespa, principal indicador da bolsa paulista, fechou com avanço de 0,14%, aos 47.762 pontos. 

ÍNDICES DA BM&FBOVESPA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
MÁXIMO (PTS)
MÍNIMO (PTS)
Ibovespa
+0,14%
47.893,92
47.006,51
IBX
+0,21%
19.845,67
19.504,76
IBX50
+0,15%
8.141,79
7.997,60
IEE
+2,27%
25.423,00
24.605,85
IGCX
+0,39%
7.585,97
7.462,30
INDX
+1,67%
11.936,34
11.657,93
ISE
+0,24%
2.325,72
2.276,05
IVBX
+1,10%
6.947,96
6.790,65
Ibovespa
+0,14%
47.893,92
47.006,51
IBX
+0,21%
19.845,67
19.504,76
29/01/2015 18h54 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
2,6038
2,6046
+1,07%
Euro
2,9439
2,9467
+1,27%
Libra
3,9204
3,9232
+0,58%
Peso Argentino
0,3015
0,3018
+1,04%
29/01/2015 18h54 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,78%
INPC IBGE (mês)
54,00%
BR IPC-Fipe Infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
-4,08%
ICV Dieese (mês)
0,93%
29/01/2015 18h54 | Thomson Reuters  

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
12,25%
CDI (ano)
10,80%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
5,50%
TR - Taxa referencial (mês)
0,1035%
Poupança (mês)
0,604%
29/01/2015 18h54 | Thomson Reuters
  
COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
-1,10
16,85
Platina
-
-34,50
1.218,50
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-27,45
1.256,90
Petróleo Brent
-1,92%
-0,95
48,65
Paládio
-
-21,50
770,50

29/01/2015 18h54 | Thomson Reuters

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

CITAÇÃO DO DIA

“Há homens que parecem grandes no horizonte da vida privada, e pequenos no meridiano da vida pública.” (Marques de Maricá)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

MOSSORÓ-RN FOI O MAIOR MUNICÍPIO EXPORTADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE EM 2014
Mossoró foi o principal responsável pelo crescimento de 1,4% nas exportações no ano de 2014 no Rio Grande do Norte. O índice dá ao município o título de maior exportador do estado. As informações são levantadas pelo Ministério do Desenvolvimento e Indústria do Comércio Exterior, que apresentou um aumento de 3,13% em relação ao ano anterior para a cidade. O Município fechou 2014 com um total de US$ 75,4 milhões em exportações. Natal vem em segundo lugar com US$ 32,4 milhões, e São Gonçalo do Amarante em terceiro com US$ 30,5 milhões. O destaque do saldo positivo vai para a comercialização de produtos relacionada à fruticultura irrigada como melão, melancia e mamão, que juntos foram responsáveis por 54% das exportações da cidade em 2014. Seguindo no ranking vem a castanha e o sal marinho. Os principais destinos das exportações do Rio Grande do Norte são os Estados Unidos (18%), Holanda (16,7%), Espanha (10,8), Reino Unido (8,6%) e Argentina (4,5%). (Fonte: Thais Galvão)

PETROBRAS FAZ NOVA DESCOBERTA DE PETRÓLEO EM TERRA NO CEARÁ
A Petrobras descobriu novos indícios de petróleo em concessão que possui no território cearense. A notificação foi feita pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) e trata-se de uma descoberta na Fazenda Belém, campo terrestre que se espalha pelos municípios de Icapuí, Aracati e Jaguaruana. A Fazenda Belém se localiza na Bacia Potiguar, que abrange campos no Rio Grande do Norte e Ceará. De acordo com informações da ANP, a descoberta foi feita no poço denominado 3BRSA1277CE. Essa é a segunda notificação de descoberta no mesmo poço em dois meses. Um pouco antes disso, em outubro, a estatal notificou a agência de outra descoberta no poço 3BRSA1275CE, também na Fazenda Belém. Antes destas, a última descoberta de indícios de óleo no Ceará foi em setembro de 2013, em poço marítimo também na Bacia Potiguar, a uma profundidade de 1.924 metros. As descobertas na Fazenda Belém podem ajudar a recuperar a produção no campo, que já sofreu redução de 45%, do volume explorado entre os anos de 2009 e 2013. Por já ser uma área de exploração madura, de vários anos, a queda é considerada normal. Entretanto, a Petrobras está buscando recuperar a produção na área, com um projeto iniciado em março do ano passado, que prevê a perfuração de 72 novos poços no campo. Além de elevar a produção e o fator de recuperação, a petrolífera pretende agregar reservas com essas novas perfurações. O volume de petróleo recuperado na Fazenda Belém voltou a crescer em outubro do ano passado e, de janeiro até novembro, já acumulava incremento de 4,9% sobre o mesmo período de 2013. Caso o mês de dezembro tenha mantido bons resultados - os dados ainda não foram divulgados pela ANP -, o campo reverterá a tendência de declínio, mas ainda estará distante dos volumes registrados em 2003, quando foram produzidos 996,7 mil barris de petróleo. Nos nove primeiros meses do ano passado, a produção terrestre foi de 369,7 mil barris. A estatal também havia informado, em 2013, que estava analisando um projeto para perfuração de cerca de mil novos poços no local, até este ano, o que quase triplicaria a produção de petróleo, em terra da empresa, no campo exploratório. A Petrobras, no entanto, não voltou maia a falar sobre este plano. O campo de Fazenda Belém foi descoberto em março de 1980 e teve sua exploração concedida à Petrobras em 1998. O Ceará terminou o ano de 2013 com 317 poços terrestres, de acordo com dados do Anuário Estatístico 2014 da ANP. A produção terrestre, contudo, só representa 15% do petróleo extraído atualmente no Estado. Todo o restante é produzido em quatro campos marítimos no litoral de Paracuru, na Bacia petrolífera do Ceará.

PROJETO FORTALEZA INTELIGENTE
Fortaleza está entrando no ranking de cidades inteligentes. Através da criação de portais de compartilhamento de dados abertos e de debate, a Prefeitura espera gerar participação popular em questões que interfiram no funcionamento da Capital. Cidade inteligente é um projeto que classifica as cidades segundo a sustentabilidade, racionalidade e eficiência. Enquadrar-se significa compromisso com a diminuição do impacto ambiental, incentivo ao protagonismo da população na gestão política e redução de perdas energéticas. A "inteligência" é medida através do ISO 37120, que faz um ranking das cidades observando o desenvolvimento em economia, educação, energia, segurança, saneamento, inovação, saúde, planejamento urbano e transporte, dentre outros. De acordo com o presidente da Fundação de Ciência, Tecnologia e Inovação de Fortaleza (Citinova), Tarcísio Pequeno, o projeto, que ainda está em sua primeira fase, visa organizar e desenvolver a cidade, se utilizando do sensoriamento já presente na administração municipal. Um dos pontos de ação é através do compartilhamento dos dados. "Fortaleza tem muitos elementos de captação de dados que ainda não são amplamente utilizados. Geralmente são usados pelo órgão que presta o serviço naquele setor e ali ficam. O que a gente está fazendo é colher esses dados, organizá-los e disponibilizá-los em um local", diz. Para facilitar o acesso ao banco de informações do município foi criado o Portal de Dados Abertos (dados.Fortaleza.Ce.Gov.Br), plataforma que abriga arquivos que são disponibilizados para a população sob o incentivo de criação de aplicativos que auxiliem a gestão da cidade e aumentem a participação popular. Atualmente o portal conta com dois apps criados pela startup Thibault Durand - o "Mapa de Ônibus de Fortaleza", que traça os caminhos das linhas de ônibus da capital -, e pelo desenvolvedor da UFC Carlos Caminha Neto - o "Obra Legal", que mostra os licenciamentos fornecidos pela Prefeitura. A ideia é que a própria população dê soluções para os problemas da cidade. Segundo Tarcísio Pequeno, o maior incentivo da Prefeitura ao desenvolvimento dos apps é o fornecimento dos dados de forma prática e rápida, livre de burocracias, o que permite às pessoas exercerem a criatividade, criarem mecanismos funcionais e lucrar em cima deles. Entretanto, o presidente da Citinova ressalta que está previsto dentro do projeto, até o fim do ano, a criação de concursos, chamados de Open innovation, que irão premiar aplicativos que solucionem uma demanda pedida diretamente pelo município. "Um dos efeitos colaterais do projeto é a criação de um ambiente propício à inovação na cidade", explica. O portal ainda está em fase de desenvolvimento e, por enquanto, possui pouco mais do que 80 arquivos de dados abertos (JSON, XML, CSL, ODS, RDF e TXT), porém de forma estática, o que requer atualização do sistema. Entretanto, de acordo com o vice-presidente da Citinova, Vasco Furtado, em breve espera-se que o sistema de compartilhamento também possibilite o recolhimento de informações através de API, que possibilitará a busca de dados diretamente no órgão recolhedor. Para Tarcísio Pequeno, a tendência é que, de acordo com a utilização do projeto, a demanda por dados aumente, bem como a quantidade de informações fornecidas e o compromisso dos órgãos responsáveis pela captação em compartilhá-los. O presidente da Citinova também enxerga o projeto como meio de retorno acadêmico para a sociedade. Com os dados abertos, as universidades serão capazes de desenvolver estudos e levantamentos sobre a cidade com maior facilidade. Dentro do projeto está prevista a maior participação pública em debates de interesses da cidade. Através do portal Fortaleza Participa (participa.fortaleza.ce.gov.br), a população poderá discutir ideias, sugestões, demandas e projetos de interesse social, e até mesmo de aconselhamento da gestão e decisões que afetam a vida da cidade. O primeiro debate, que já está no ar, gira em torno da "Política de Acesso Gratuito à Internet". A ação prevê o acesso gratuito à internet em pontos públicos. Atualmente já existem seis pontos de acesso gratuitos: Praças do Ferreira, Coração de Jesus, José de Alencar, Estação, Passeio Público e Parque das Crianças. A previsão é de que, até dezembro de 2015, a rede esteja disponível em todos os terminais de ônibus da cidade e em alguns pontos turísticos. Já o Novo 156 vincula-se à Secretaria de Conservação e Serviços Públicos e a Central de Operações da Cidade. Implementará nova forma de comunicação do cidadão com a cidade - pelo telefone 156, via internet, redes sociais e smartphones.

RIVISTA DO MINO


SAÚDE NO BLOG

ANOREXIA NERVOSA
por Dr. Alessandro Loiola* 

Anorexia nervosa é um distúrbio psiquiátrico caracterizada por uma redução da ingestão de alimentos devido à uma ansiedade profunda quanto ao ganho de peso. Pessoas com Anorexia Nervosa tendem a se exercitar exageradamente e apresentam padrões bastante peculiares no preparo de sua comida.
A Anorexia Nervosa frequentemente associa-se a fortes problemas emocionais, até mesmo a necessidade de se fazer novos amigos ou as alterações de maturação sexual. As dinâmicas familiares estão sendo reconhecidas como fatores importantes nesta doença – alguns pacientes querem ser “crianças modelo”.
As manifestações da doença podem variar desde leves até casos fatais. Se forçada a comer, a pessoa pode vomitar após a refeição. As perdas de comida levam a uma perda de peso, e nas mulheres a menstruação pode cessar. O corpo anoréxico, em jejum de calorias, começa se alimentar de suas próprias proteínas musculares, levando a irregularidades no ritmo cardíaco ou mesmo insuficiência cardíaca congestiva.
O diagnóstico precoce da anorexia nervosa pode ser difícil. A pessoa, especialmente o adolescente, comumente nega que qualquer coisa esteja errada.
O tratamento começa com medidas que melhores os hábitos alimentares e aumentem o peso do paciente. A isto se segue terapia para superar as bases emocionais do distúrbio. Nos casos mais graves, pode-se necessitar de hospitalização para salvar a vida da pessoa. O tratamento inclui terapia individual, familiar ou em grupo e geralmente é a longo prazo. Antidepressivos podem ser úteis. Deve-se fazer uma avaliação cuidadosa para excluir outros distúrbios psiquiátricos, como a depressão.


(*) Dr. Alessandro Loiola, MD é Médico, especialista em Cirurgia Geral pela Santa Casa de Belo Horizonte,  CRMMG 30.278 -  Staff e Membro da Comissão de Ética do Hospital Nossa Senhora Aparecida, BH. 

CIRCULA NA INTERNET

OS EFEITOS DA ALTA TEMPERATURA

IMAGEM DO DIA

Uma bela paisagem na região de Guaramiranga - CE - Brasil clicada pela digital da amiga Mara Barreira Apolinário.

PIADA DO BLOG

NA CATEQUESE
Na catequese dizia o padre:
- Como vocês sabem, o nosso primeiro pai foi Adão e nossa primeira mãe foi Eva...
Nisto, uma das crianças interrompe:
- Não é verdade.
- Como não é verdade? - pergunta o padre um tanto aborrecido.
- O meu pai diz que nós descendemos do macaco!
- Olha meu filho, os teus problemas de família não me interessam...

TEXTO DO BLOG

E O GETÚLIO?
por Luis Fernando Verissimo*

Em Taquari, interior do Rio Grande do Sul, cidade natal de Costa e Silva, foi destruído um monumento ao general, presidente do regime militar instalado no Brasil pelo golpe de 64. Surgiram outros movimentos no estado e no país com o mesmo objetivo, o de anular homenagens feitas aos presidentes ditatoriais.
O jornal “Zero Hora”, de Porto Alegre, fez um levantamento do número de avenidas, ruas, praças, ginásios, bustos, estátuas etc com o nome dos generais que presidiram o país durante a ditadura, do Castello Branco ao Figueiredo, e chegou a mais de 50, só no estado.
Aí um leitor escreveu para o jornal perguntando por que o nome do Getúlio Vargas não estava na lista. Imagino que muita gente, ao ler a carta, deve ter tido, como eu, um momento “é mesmo!” Não sei qual é a posição política do autor da carta ou seu motivo para levantar a questão, e não interessa.
A pergunta remete para uma questão maior, nunca satisfatoriamente encarada ou adequadamente resolvida. A importância do Getúlio para o progresso do país é indiscutível. A legislação social inédita que ele implantou, naquelas circunstâncias, contra aquelas oligarquias, ainda espanta.
O Brasil se transformou, econômica e politicamente, sob o seu governo, e isto não é opinião, é história. Mas, pelo menos durante oito anos, seu governo foi um governo ditatorial, e Getúlio tem todas as credenciais — salvo a farda e as estrelas de general — para estar na lista.
O Estado Novo que vigorou de 1937 a 1945, inspirado no regime de Salazar em Portugal, tinha os requisitos completos de um estado fechado e repressor. O arbítrio era igual ao que se seguiu ao golpe de 64. O Congresso foi fechado, havia censura à imprensa, prisões ilegais e tortura de presos.
Um nome se destacou entre os que comandavam a repressão, o de Filinto Muller, um admirador do nazismo e o principal responsável pela extradição da mulher do Prestes, a judia Olga Benario, para a Alemanha de Hitler. O Estado Novo acabou em 45, com a destituição de Getúlio.
Ele deixou no seu rastro um movimento popular, o “queremismo”, que acabou levando-o de volta ao poder. Pelo voto, o que para muitos significou uma absolvição do seu passado. Filinto Müller continuou sua carreira politica e morreu num acidente de avião, também absolvido.
Hoje há uma escola com seu nome no interior de São Paulo, e não deve ser a única. Alguém já disse que comédia é tragédia mais tempo. Substitua-se “comédia” por “esquecimento” ou “perdão” e temos uma explicação para o fenômeno Getúlio e para a dificuldade do seu julgamento, a menos que se adote a ideia do ditador no bom sentido.
Ele continua um mito para a esquerda e um enigma para o resto — ou seja, refratário a qualquer definição.  Além disso, imagine o trabalho que daria mudar o nome de todas as avenidas Getúlio Vargas do país.

(*) Luis Fernando Veríssimo é escritor.

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA
A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) fechou em baixa na quarta-feira (28), pressionada pela divulgação do balanço não auditado do terceiro trimestre de 2014 da Petrobras. Sem incluir perdas por denúncias de corrupção, como era esperado, o relatório desagradou investidores. O Ibovespa, principal índice de ações da bolsa paulista, recuou 1,85%, a 47.694 pontos.
ÍNDICES DA BM&FBOVESPA
EMPRESA
CÓDIGO DA AÇÃO
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (R$)
Ibovespa
-1,85%
48.589,22
47.550,17
IBX
-1,63%
20.104,56
19.701,16
IBX50
-1,83%
8.262,79
8.086,25
IEE
+0,27%
24.924,41
24.529,06
IGCX
-1,00%
7.618,05
7.506,36
INDX
-0,02%
11.791,10
11.577,00
ISE
-0,07%
2.317,67
2.273,65
IVBX
-0,38%
6.914,28
6.769,86
Ibovespa
-1,85%
48.589,22
47.550,17
IBX
-1,63%
20.104,56
19.701,16
28/01/2015 18h30 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
-
-
-
Euro
2,9125
2,9145
-0,49%
Libra
3,9019
3,9050
-0,17%
Peso Argentino
0,2983
0,2985
+0,07%
28/01/2015 18h27 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,78%
INPC IBGE (mês)
54,00%
BR IPC-Fipe Infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
-4,08%
ICV Dieese (mês)
0,93%
28/01/2015 18h39 | Thomson Reuters  

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
12,25%
CDI (ano)
10,80%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
5,50%
TR - Taxa referencial (mês)
0,0906%
Poupança (mês)
0,591%
28/01/2015 18h39 | Thomson Reuters
  
COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
-0,08
17,94
Platina
-
-7,26
1.251,49
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-8,47
1.283,61
Petróleo Brent
0,00%
0,00
50,17
Paládio
-
+14,65
792,65

28/01/2015 18h39 | Thomson Reuters