Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

MENSAGEM DO BLOG

Neste Natal vamos pedir ao menino Jesus que nos traga paz, amor, compreensão e acima de tudo saúde. Por tudo de bom que vocês possam representar... Desejamos que Deus esteja sempre no vosso caminho... Que os Anjos estejam sempre ao vosso redor, que tudo de bom possa acontecer com vocês... Que ao receberem este pequeno gesto de carinho, vocês lembrem o quanto é importante para nós... Que as distâncias sejam superadas... Por algo que não se mede, nem pelo tempo, nem pelo espaço... Mas mesmo ao longe nossos pensamentos caminham lado a lado em busca de um novo dia... Um novo amanhã! Portanto, recebam o nosso eterno abraço bem apertado e saibam que vocês vão estar sempre aqui no nosso coração.  UM FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO.

CITAÇÃO DO DIA

“Nessa época festiva, nos tornamos mais sensíveis e suscetíveis a reconhecer o valor das pessoas, por isso aproveitamos  a ocasião para agradecer por vossa amizade. A amizade é uma dádiva e não há presente, Papai Noel, árvore ou ceia que supere isso. Nesse Natal, desejamos tudo de mais belo e verdadeiro. Que vossa família esteja unida como manda o verdadeiro espírito natalino e que nossa amizade se perpetue por muitas e muitas festas como essa. O Natal é tempo de paz, amor e esperança e o Blog não poderia viver esses sentimentos sem compartilhar com amigos como vocês. Feliz Natal, próspero Ano Novo e tudo de muito bom, meus queridos amigos!” (Blog do Borjão)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

SANTA LUZIA - PADROEIRA DE MOSSORÓ
Hoje, 13 de dezembro, os mossoroenses católicos festejam a sua padroeira Santa Luzia. Estes festejos se repetem desde que a Capela de Santa Luzia foi elevada à categoria de Matriz. Seu primeiro vigário foi o Pe. Antonio Joaquim Rodrigues. Foram 50 anos dedicados à paróquia. A construção da Capela, atualmente Catedral, foi o cumprimento de uma promessa de dona Rosa Fernandes, esposa de Souza Machado – proprietário da Fazenda Santa Luzia que se transformou, com o passar dos anos, no centro de nossa cidade. Esta festa se equipara, em grau de importância, ao Natal. Muitas pessoas aproveitam o feriado para rever os familiares, seja em suas próprias casas ou na procissão – que percorre as oito principais ruas e avenidas centrais e de dois bairros próximos ao local onde está situada a Catedral que abriga a imagem da reverenciada Santa. Vejamos, agora, um pouco da história da nossa padroeira:
Na realidade, o seu verdadeiro nome é Lúcia. No entanto, esta jovem siciliana, que nasceu em 283, é mais conhecida por Santa Luzia de Siracusa. Bastante venerada pelos católicos como virgem e mártir, morreu por volta de 304 durante as perseguições de Diocleciano em Siracusa. Era uma jovem de família abastada. Foi prometida para se casar com um rico concidadão. Como ela não aceitou, pois tencionava ser freira, o seu pretendente a denunciou como professora, no seu entender, da “falsa fé cristã”. Sua mãe adoeceu gravemente. Após fervorosas orações de Luzia, ela recuperou a saúde. Muito agradecida, acabou concordando em satisfazer a vontade da filha, permitindo, inclusive, que ela distribuísse aos pobres os bens equivalentes ao seu dote. Luzia foi presa, torturada (em uma das torturas, arrancaram-lhe os olhos) e morta por um golpe de espada que cortou sua cabeça. A relação de seu nome com a visão está vinculada à própria origem do mesmo: Lúcia deriva de lux (forma latina equivalente à luz), cujo sentido também se estende à faculdade espiritual de apreender a realidade sobrenatural. Isto justifica o fato de Dante Alighieri, na Divina Comédia, ter atribuído a ela a função de graça de alumiação. (por Josselene Marques)

TOMBINI: BRASIL ENFRENTARÁ BEM NOVO CENÁRIO EXTERNO
O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, avaliou nesta quinta-feira, 12, que o Brasil está bem posicionado para passar pelo atual momento de transição da economia mundial. "O Brasil tomou várias medidas ao longo do tempo, levantou algumas defesas importantes, e vai transitar nesse período para fazer com que ali na frente a economia possa se beneficiar desse quadro internacional melhor", disse. "Temos sentido o gostinho dessa volatilidade que se instalou nos mercados internacionais, principalmente desde meados de maio, com altas e baixas. Mas eu diria que é uma volatilidade do bem, no sentido de que isso vem em função do início de um processo de normalização, depois de tanto tempo de exceção nas condições financeiras e monetárias internacionais". Segundo Tombini, 2013 foi um ano de desafios, mas foi possível crescer mais do que em 2012 e a inflação vem caindo, principalmente nos últimos cinco meses. "Temos conseguido trazer a inflação para baixo nos últimos cinco meses e esse processo vai continuar", afirmou. "O BC tem estado vigilante por todo esse período, no sentido de fazer isso acontecer", acrescentou. Sobre o trabalho do BC, o presidente destacou que a instituição possui suas próprias políticas e deu ênfase à monetária e à missão da estabilização do sistema financeiro. "Temos feito um trabalho cuidadoso para assegurar ambos objetivos e temos usado nossa capacidade acumulada para entregar nesse período de transição uma situação mais tranquila possível à frente". Tombini participa de um café da manhã com jornalistas, para um balanço sobre as atividades do BC neste ano e perspectivas para 2014.

SMARTPHONES BIOMÉTRICOS SERÃO COMUNS EM 2014, DIZ PESQUISA
Smartphones biométricos devem se tornar comuns no ano que vem à medida que as principais fabricantes de celulares seguem os passos da Apple em tecnologia de reconhecimento de impressão digital, segundo um relatório da Ericsson sobre tendências de consumidores divulgado nesta semana. Em setembro, a Apple lançou seu iPhone 5S, primeiro smartphone com sensor para reconhecer impressões digitais, aprimorando a segurança e a facilidade de uso. "Um total de 74% acreditam que os smartphones biométricos se tornarão comuns em 2014", disse a Ericsson, a maior fabricante de equipamento para redes de telefonia móvel do mundo, em seu relatório. O uso mais disseminado da tecnologia biométrica será uma boa notícia para as empresas suecas Fingerprint Cards e Precise Biometrics, que são as fornecedoras líderes do setor. A Fingerprint fabrica sensores enquanto que a Precise Biometrics desenvolve software para tais sensores. Em uma entrevista recente à Reuters, o presidente-executivo da Fingerprint disse esperar que entre 7 ou 8 das maiores fabricantes de celulares do mundo, incluindo a Samsung, lancem telefones usando a tecnologia no ano que vem. A Ericsson entrevistou mais de 100 mil pessoas em mais de 40 países como parte da pesquisa.

ARTE NO BLOG

A ARTE DE FRANÇOIS BOUCHER 

The Triumph of Venus
François Boucher, 1740
Nationalmuseum, Stockholm, Sweden

A cena do quadro é encantadora, exuberante e descontraída, com seres aquáticos se divertindo. Vênus, segundo a Mitologia, nasceu do mar.  Ela paira sobre um dossel de madrepérola e estofados em seda rosa e cinza-pérola, onde é mantida por ventos e cupidos. Venus é assistida por náiades brancas e tritões bronzeados. Deuses. golfinhos, tecidos, água e nuvens formam juntos um turbilhão que Boucher pintou em cores frias. Tanto a composição quanto as cores pertencem ao estilo Rococó. O mar se funde a um céu azul-acinzentado e o  horizonte não é facilmente distinguível.


Fonte: Saber Cultural

RECEITA DO BLOG

TIRAS DE FILÉ DE FRANGO GRATINADAS 

INGREDIENTES
4 colheres de sopa de Qualy Cremosa 

1 embalagem de Filé de Peito de Frango Congelado Sadia 
2 talos de Alho-poró picados em rodelas 
2 colheres de sopa de Farinha de Trigo 
2 xícaras de chá de Leite 
3/4 xícara de chá de Queijo Parmesão ralado 
1/2 lata de Creme de leite 
Sal a gosto


MODO DE PREPARO
Descongele o peito de frango mantendo-o na geladeira por 24 horas.
Corte os filés em tiras e numa frigideira grande, frite-os em 3 colheres de sopa de margarina até dourar. Transfira para uma travessa e mantenha aquecido. Na mesma frigideira, frite o alho-poró e espalhe sobre o frango.
Preaqueça o forno em temperatura média alta (210º C).
Usando ainda a mesma frigideira, derreta a margarina restante e junte a farinha de trigo. Aos poucos, adicione o leite, mexendo sem parar até formar um molho espesso e uniforme. Junte ½ colher de sopa de queijo parmesão e o creme de leite e ajuste o sal. Espalhe essa mistura sobre o frango, cubra com o queijo parmesão restante e leve para gratinar por 25 minutos. Sirva em seguida. 

CIRCULA NA INTERNET


IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem de uma residência praiana de um casal amigo do Borjão & Lucinha na amada e aprazível Praia de Tibau - RN - Brasil.

PIADA DO BLOG

ALFREDÃO EM BUSCA DE EMOÇÕES
O grande filósofo Alfredão saiu lá pelas 23:00 h do seu happy hour das sextas no “Sal & Brasa” em Fortaleza – CE, já com dezenas de doses de OLD PARR dirigindo o seu possante veículo quando avistou na esquina da Abolição com a Frei Mansueto uma daquelas famosas “GP” (garota de programa) e encostou o veículo próximo a GP e ela rapidamente aproximou-se do veículo do Alfredão e foi logo falando:
- E aí coroa está precisando de uma boa companhia para o fim de noite?
O Alfredão todo empolgado disse:
- Claro meu “cheiro de mel”, quanto vai custar essa sua agradável companhia?
A garota mascando o seu chiclete respondeu:
- R$ 100,00 (cem reais).
O Alfredão acostumado só com cartão de crédito & débito, deu uma busca na sua carteira e tinha apenas uma cédula de R$ 5,00 (cinco reais) e falou todo desconfiado:
- Minha querida eu só tenho aqui R$ 5,00 (cinco reais) topas?
Aí a garota com um sorriso bem acentuado respondeu:
- Olha aqui seu “coroa de meia tigela” eu estou vendendo é “PRIQUITO”´,  não é TOTOLEC não, cai fora! 

TEXTO DO BLOG

A BABÁ DE BORGADO
por Gaudêncio Torquato*

Quem diria, hein? O Paraguai, cantado em prosa e verso como o território da muamba, foi capaz de oferecer uma das mais vigorosas lições de cidadania nesta região tão pouco afeita ao civismo, à ética e à racionalidade. Na semana passada, a sociedade civil desse pequeno país de 6,5 milhões de habitantes, na onda da mobilização social que começa a sacudir o continente, decidiu realizar o mais veemente protesto contra a corrupção ao proibir a entrada de um grupo de políticos em bares, restaurantes, cinemas, supermercados, postos de gasolina e até em hospitais particulares. Isso porque 23 congressistas votaram contra a perda de imunidade do senador Victor Borgado, do Partido Colorado, denunciado pela Justiça por contratar com dinheiro público a babá de seus filhos. 
A fogueira que se formou no rastilho da expulsão de senadores de alguns ambientes – aos gritos de “fora, ladrão!” – correu o país, multiplicando reações e induzindo garçons, vendedores, frentistas, etc., a não oferecer seus serviços a “corruptos”, sob a percepção de que era necessário não apenas punir os agentes de um caso concreto, mas eliminar a impunidade.
A mobilização paraguaia assume extraordinária importância porquanto nosso vizinho exibe o estereótipo de terra do contrabando. Na linguagem das comparações em torno de objetos de consumo, o “relógio paraguaio” assume o sinônimo de falso, tosco, sem qualidade, imagem que ganhou força por estas bandas no enredo de novelas como Avenida Brasil ou de músicas como Muamba, de Bezerra da Silva: “Muamba, olha, quem vai querer muamba?/ Tô vendendo barato, malandro, quem vai?/ Tô levando minha sogra pra vender no Paraguai”.
É verdade que os movimentos de junho, que abriram as portas da indignação em quase todas as regiões do nosso país, continham elevada taxa de repúdio a padrões e costumes da velha política, incluindo o combate ao nepotismo, um dos alvos da “guerra paraguaia”. Ali, denúncias deram conta de centenas de familiares contratados para servir a S. Exas. os congressistas em funções tão desimportantes quanto singulares, como preparar-lhes o tereré, o popular chá de mate e água fria. Aqui não chegamos a esse passo avançado de democracia participativa, simbolizado pela decisão social de coibir a políticos o uso de serviços de lazer e alimentação.
A experiência do nosso vizinho, somada à semente cívica que se planta por estas plagas, permite vislumbrar cenários promissores no entorno da democracia participativa, que se expande no continente. Emerge, primeiro, a impressão de que a região fura a redoma da inércia e da tradição patrimonialista que por décadas tem impregnado sua cultura política. A paisagem calcinada de desconfiança e ódio, tão bem descrita por Simón Bolívar meses antes de morrer de tuberculose, em 1830, na região de Santa Marta, na Colômbia, não mudou por completo, mas permite enxergar avanços daquela visão pessimista: “Não há boa-fé na América, nem entre os homens nem entre as nações; os tratados são papéis; as Constituições são livros; a liberdade é anarquia e a vida, um tormento”.
A boa-fé já se faz presente no sistema de parcerias e integração que caracteriza um bloco de países, como bem o demonstram organismos como o Mercosul, a Unasul e a Celac. Confiança também se observa no ingresso de novos parceiros na frente comercial, como é o caso da China, cujo efeito se dá por aqui na reversão da deterioração histórica de preços de produtos primários e na geração de superávits comerciais.
É patente a melhoria de condições de vida, apesar de remanescerem na região traços de populismo, demagogia e autoritarismo, como os que se observam na República Bolivariana da Venezuela, onde o falecido comandante Hugo Chávez elevou ao altar da veneração o Libertador Bolívar. Registre-se, ainda, a tendência de governos a incentivar um nacionalismo populista, vinculado a um capitalismo de Estado, a par da adoção dos fundamentos macroeconômicos neoliberais. Apesar de abrigar ainda cerca de 50 milhões de latino-americanos vivendo em condições precárias de alimentação, moradia, saúde e educação, merecem destaque políticas de inclusão social, a começar pela experiência brasileira, base de uma sociedade mais solidária.
Nesse desenho é possível divisar sinais de forte empuxo popular na direção do centro da política e um caminhar gradual, apesar de lento, na esfera participativa. Reformas lideram o vocabulário das ruas, como atestam pesquisas no Brasil – mesmo com 41% aprovando o governo Dilma Rousseff, 66% dos entrevistados, segundo o Datafolha, pedem mudanças na próxima administração. Na Argentina, passados dez anos de protecionismo, duras políticas fiscais e cambiais e reservas descendo a um piso de US$ 32 bilhões (eram US$ 52 bilhões em 2010), o kirchnerismo ameaça ruir.
A aprendizagem democrática obedece a um processo irreversível. As nações reconquistaram o direito de escolher seus governantes – equatorianos em 1979, peruanos em 1980, argentinos em 1983, uruguaios e bolivianos em 1985, paraguaios e chilenos em 1989, e no final desse ano também os brasileiros puderam escolher diretamente seu presidente. Tentativas golpistas, na Venezuela e no Peru, em 1992, foram frustradas. Maior transparência das administrações e combate ao poder invisível que age nas entranhas do Estado são ferramentas da modernização institucional. Órgãos em defesa da sociedade, a começar do Ministério Público, esforçam-se para extirpar os cancros que corroem governos.
As populações escancararam a vista, apontam o dedo para os malfeitos, chegando a fechar portas para corruptos. Maneira de evitar que helicópteros, lotados de cocaína, sejam abastecidos com o nosso “rico” dinheirinho. Ou que o povo paraguaio use seus parcos guaranis para pagar os serviços da babá do senador Borgado.

(*) Jornalista, professor titular da USP, é consultor político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA 

BOLSAS DO MUNDO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
TOTAL (PTS)
Dow Jones - Estados Unidos
-0,66%
-104,10
15.739,43
S&P 500 - Estados Unidos
-0,38%
-6,72
1.775,50
NASDAQ COMPOSITE
-0,14%
-5,41
3.998,40
DAX Frankfurt - Alemanha
-0,66%
-60,11
9.017,00
CAC 40 - França
-0,43%
-17,74
4.069,12
Euro Stoxx 50 - Europa
-0,65%
-19,19
2.928,12
Merval - Argentina
+0,71%
+36,99
5.223,31
Nikkei 225 - Japão
-1,12%
-173,24
15.341,82
SSE Composite - China
-0,06%
-1,37
2.202,80
Hang Seng - China
-0,51%
-120,12
23.218,12
12/12/2013 21h09 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
2,3335
2,3351
-0,15%
Euro
3,2099
3,2131
+0,08%
Libra
3,8149
3,8183
+0,07%
Peso Argentino
0,3718
0,3721
+0,11%
12/12/2013 21h09 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,54%
INPC IBGE (mês)
-0,07%
BR IPC-FIPE infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,08%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
0,00%
ICV Dieese (mês)
0,93%
12/12/2013 21h09 | Thomson Reuters

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
10,00%
CDI (ano)
9,76%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
5,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,0717%
Poupança (mês)
0,572%
12/12/2013 21h13 | Thomson Reuters

COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
-0,03
19,42
Platina
-
-3,05
1.355,70
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-19,10
1.204,50
Petróleo Brent
-1,01%
-1,11
108,59
Paládio
-
-4,72
710,00

12/12/2013 21h12 | Thomson Reuters 

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

CITAÇÃO DO DIA

“O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e moralidade, com que se pratica, do que das grandes inovações e belas reformas que se lhe consagrem.” (Rui Barbosa)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

ELETROBRÁS INVESTE 43% DO PREVISTO ESTE ANO E FRUSTRA RESULTADO DE ESTATAIS
O governo federal apela, faz reuniões e cobra o setor privado para investir mais para turbinar o crescimento econômico. Mas os resultados da economia teriam sido melhores se as empresas estatais federais tivessem investido mais até agora. O maior exemplo desse desempenho abaixo das expectativas é o grupo Eletrobrás. Segundo relatório do Ministério do Planejamento, as 19 empresas do grupo desembolsaram de janeiro a outubro apenas 43% da meta de R$ 10,24 bilhões para este ano. Em 2012, a Eletrobrás fechou o ano com 69% de execução - ou R$ 5,9 bilhões de R$ 8,5 bilhões. A Eletrobrás justifica o baixo desempenho dos investimentos pela diferença de critérios utilizados. Em seu balanço, inclui projetos desenvolvidos com parceiros, e não apenas os corporativos (nos quais é majoritária), considerados pelo governo. Por esse parâmetro mais abrangente, os gastos chegaram a 52% do previsto para este ano. Ainda assim, distante do programado. A estatal está tendo um ano difícil. No terceiro trimestre, teve prejuízo líquido de R$ 915 milhões, ante um lucro de R$ 1 bilhão no mesmo período do ano passado. O faturamento caiu 9,2%, para R$ 6 bilhões. Essas mudanças provocaram forte queda na geração de caixa (Ebitda). De janeiro a setembro, a geração de caixa caiu 70% ante o mesmo período do ano passado. Segundo a empresa informou na época da divulgação dos resultados, a queda refletiu as novas tarifas de geração e transmissão dos ativos cujas concessões foram renovadas pelo governo no programa de redução da conta de luz. As estatais estão investindo até agora menos do que nos anos anteriores. Desde 2006, aplicaram, em média, 82,3% da meta de investimentos de janeiro a outubro. Este ano, neste período, investiram 75% da meta de R$ 111 bilhões - foram R$ 83 bilhões. Mantido o atual ritmo de investimentos, R$ 10 bilhões das estatais devem permanecer em caixa sem aplicação, justamente em um momento de necessidade de reforço nesses desembolsos. No ano passado, a "sobra" ficou em R$ 7,7 bilhões. Em 2011, foram R$ 21,4 bilhões. Para 2014, o governo reduziu a previsão de investimento das estatais para R$ 105,6 bilhões. O peso dos investimentos das estatais na economia cresceu nos últimos anos. A pedido o Ministério do Planejamento calculou que os desembolsos dessas empresas, de janeiro a setembro, cresceram de 4,1% para 11,2% do total da taxa de investimento entre 2000 e 2013. Na comparação anual - de janeiro a dezembro -, a fatia subiu de 5% para 12,3% no período de 2000 a 2012. O ministério diz que os gastos dependem da "dinâmica de cada projeto", incluindo fatores como licenças ambientais e licitações, e "imprevistos" como chuvas, ajustes em projetos e prestadores de serviço. Especialistas, no entanto, veem interferência da piora fiscal nos resultados. "Melhor seria se não usasse isso para fazer superávit primário, já que atrasa e encarece os projetos", diz a economista Cristina de Borja Reis, professora da Universidade Federal do ABC (UFABC) em temas de investimentos públicos. Outras estatais também contribuíram para o desempenho negativo até aqui. As sete companhias Docas, sob a nova direção da Secretaria de Portos, investiram até outubro só 22% do previsto para o ano. A secretaria informou que não comentaria o desempenho. O Banco do Brasil, cuja execução até outubro ficou em 30,4% do previsto, informou que contabiliza 68% dos recursos para melhoria das agências, tecnologia da informação e sistemas de comunicação e segurança. "Faltam só R$ 531 milhões, que estão em processo de licitação", diz o diretor de Controladoria do BB, Gustavo Souza. Em 2012, o BB fechou com 69% do previsto, ou R$ 2,08 bilhões. Especialista em finanças públicas, o economista José Roberto Afonso faz um paralelo com o período pós-crise. Em 2009, lembra, foi fundamental a captação de crédito - e excepcional, porque recuou a seguir e, em todos anos, ficou claro o descasamento entre endividamento e esforço de investimento. Em 2010, o evento excepcional foi a capitalização da Petrobrás.

DEPENDÊNCIA AMEAÇA O BRASIL NO ESPAÇO
O Programa Espacial Brasileiro, maduro de 53 anos, sofre com a falta de recursos. Com as dotações adequadas, as agências do País construiriam seus próprios veículos lançadores, ofereceriam serviços e ganhariam dinheiro em um mercado internacional estimado em US$ 30 bilhões. Com dinheiro curto, resta amargar por 10 anos a tragédia de agosto de 2003, quando a explosão de um dos motores do VLS-1/V03 na plataforma da base de Alcântara, no Maranhão, matou 21 técnicos e transformou em metal esturricado o objetivo de uma geração inteira de pesquisadores. De 1994 até o desastre de 2003, o governo havia investido magros R$ 73 milhões no projeto do foguete de quatro estágios, 50 toneladas e possibilidade de colocar sua carga útil no espaço a até mil quilômetros de distância. O caso da China era visto ontem à noite, no meio da Defesa, como alerta para os riscos da dependência. Militares assinalaram que a área é prioritária na agenda de assuntos estratégicos da presidente Dilma Rousseff. (por Roberto Godoy)

VIBER LANÇA SERVIÇO DE CHAMADAS PELA INTERNET
Foi em maio deste ano que o aplicativo de mensagens Viber deu um passo definitivo para se tornar concorrente direto do Skype, da Microsoft, com o lançamento de uma versão do seu famoso serviço de mensagens de texto e ligações para desktop. Mas ainda faltava um detalhe: o Viber até agora só permitia realizar chamadas gratuitas entre dois usuários do aplicativo. Isso mudou na terça-feira, 10, com o lançamento de um novo aplicativo para iOS e sistema Android munidos do novo serviço Viber Out. O recurso oferece a possibilidade de realizar ligações para números que não tenham aplicativo instalado, por meio de crédito pré-pagos adquiridos de forma semelhante ao Skype. O Viber Out já havia sido testado nas Filipinas após o tufão que devastou o país. Nesta terça-feira, a empresa lançou o serviço mundialmente para os cerca de 200 milhões de usuários dos 193 países onde atua. “O Viber Out dá a milhões de usuários uma nova forma de usar o Viber e a certeza de que eles poderão entrar em contato com quem quiserem a qualquer hora, e vamos sempre tentar manter as taxas mais baratas possíveis para isso”, disse por meio de comunicado o CEO da empresa, Talmon Marco. Na estreia do serviço o Viber também divulgou em seu site uma tabela comparando seus preços ao do concorrente Skype. Embora o Brasil não esteja na lista, o site da ferramenta indica que o minuto da ligação para telefones fixos por meio da plataforma é de R$0,06 e de R$ 0,50 para celular. Em entrevista  em maio, Marco afirmou que pretende ser melhor do que o Skype. “O Skype até tem um aplicativo, mas não é uma empresa com foco no mercado móvel como nós”, disse. Ele também revelou planos de abrir um escritório no Brasil, um dos países com crescimento mais rápido dentro da plataforma. Para acessar o Viber Out, clique na aba mais do aplicativo e escolha o serviço. Os créditos para fazer ligações podem ser adquiridos no site do Viber ou dentro do próprio aplicativo.


RIVISTA DO MINO


SAÚDE NO BLOG

BURSITE É MAIS FREQUENTE NAS GRANDES ARTICULAÇÕES, COMO OMBROS E JOELHOS

Doença comum, a bursite se caracteriza pela inflamação da bursa, “bolsa” com líquido sinovial cuja função é evitar que os ossos das articulações tenham atrito com os tendões e os desgastem. Movimentos repetitivos e má postura corporal estão entre as causas. Se o sintoma inicial, dor de intensidade variável, persistir, consulte um médico e se trate, assim evita que o quadro se complique.

por Fabiano Rebouças Ribeiro*

Bursite é a inflamação da bursa, uma espécie de bolsa com líquido sinovial existente em várias partes do corpo, principalmente próximo das grandes articulações, como ombros, joelhos, cotovelos, quadris e tornozelos. A função da bursa é evitar que os ossos tenham atrito com os tendões e os desgastem. Também ajuda no deslizamento do conjunto ossos/ligamentos/tendões, além de proteger as pontas dos ossos, como os dos cotovelos, joelhos e quadris. Infelizmente, nem sempre a proteção é eficaz. Os ossos atingem os tendões, os ferem ou os desgastam e aparece a inflamação.
A bursite é comum em especial nos ombros. Manifesta-se em homens e mulheres. Pode ocorrer a qualquer momento da vida. Algumas das causas são: esforços e/ou movimentos repetitivos tanto ao trabalhar ao computador ou dirigir veículos quanto ao praticar atividades físicas; falta de alongamento no dia a dia e também antes de realizar atividades físicas; apoio de articulações por tempo demasiado em uma superfície lisa e dura, como a mesa; traumas por acidentes; lesões de tendões e/ou de ligamentos; má postura corporal; e doenças como artrose e outros reumatismos.
O sintoma inicial é dor quando a pessoa movimenta a articulação. Pode haver ainda aumento do volume e da temperatura na articulação, além de vermelhidão. Nas situações em que já aumentou muito o líquido sinovial, o paciente tem dor mesmo em repouso, o que indica um processo inflamatório intenso. Os movimentos articulares ficam limitados. Quando o atrito dos ossos com os tendões dos ombros, por exemplo, persiste por anos seguidos, os tendões podem se romper, o que leva à perda da força e limita o movimento do braço correspondente. Com isso, as pessoas comuns às vezes são obrigadas a se afastar do trabalho e os atletas, a interromper suas atividades.
O ideal é evitar a bursite. Para isso, não fique por muito tempo com as articulações apoiadas ou pressionadas a superfícies duras. Faça atividades físicas regularmente. Não exagere nos exercícios. Faça alongamento e aquecimento antes deles. Incômodos discretos casuais são normais, por exemplo, após atividades físicas. Geralmente se resolvem com a aplicação de uma bolsa de gelo no local. Se não melhoram ou até mesmo se agravam, consulte um ortopedista.
O diagnóstico inicial é clínico. O médico conversa com o paciente, examina-o até sentindo a temperatura da articulação e a movimenta para ver se há alguma restrição. Em caso de dúvida, pode comprovar a doença com radiografia, ultrassom ou ressonância magnética. Os exames servem também para saber a extensão da bursite e se há doenças associadas.
Os casos mais simples de início são tratados com aplicação de gelo. Também se deve deixar a articulação acometida em repouso durante o tratamento. Combate-se a inflamação com anti-inflamatórios. Nas situações mais graves, além de tudo isso, usa-se fisioterapia para diminuir a inflamação e alongar a musculatura e os tendões. Recorrese à cirurgia nos casos em que a doença retorna de tempos em tempos ou se torna crônica. Consiste em retirar a bursa doente. Em geral, ela se forma novamente. E sem a inflamação.


(*) Fabiano Rebouças Ribeiro (CRM-SP 83606), mestre em Medicina/Ortopedia pelo IAMSPE e ortopedista do Centro Médico Berrini, na capital paulista e preceptor de ensino da residência médica (Grupo de Ombro e Cotovelo) do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo / membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia -SBOT / membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Ombro e Cotovelo - SBCOC. www.drfabianoreboucas.com.br

CIRCULA NA INTERNET

EM COMUM...

IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem na pitoresca praia de Canoa Quebrada - Aracati - CE - Brasil, clicada pela digital de Livio Victorius,

PIADA DO BLOG

BOLSA FAMÍLIA
Um homem tinha quatro filhos. O Governo anunciou que as famílias que tivessem cinco filhos teriam R$ 1.500,00 por mês, de ajuda (abono de família) para sustentar a família. 
O homem disse à sua esposa imediatamente:
- Amor, eu devo admitir... Eu tenho um filho com minha amante e eu vou trazê-lo. 
Ela olhou para ele chocada, mas ele não podia esperar e saiu correndo para ir buscar o filho.
Quando ele voltou, ficou surpreso ao ver apenas dois de seus filhos e perguntou à sua esposa: 
- Querida, onde estão os outros dois filhos?
Ela respondeu:
- Você não foi a única pessoa que ouviu o anúncio... O pai deles veio buscá-los.

TEXTO DO BLOG

SABEDORIA REVISADA
por Luis Fernando Veríssimo*

Pode-se chamar de “sabedoria pronta” as opiniões, conclusões e certezas que passam por verdades só porque ninguém se lembra de contestá-las, ou pelo menos atualizá-las. Exemplo: há algum tempo, quando se dizia que a Terceira Guerra Mundial seria entre comunistas e homossexuais, era uma piada, mas não exatamente um exagero. A evidência era incontestável.
Hoje, depois da morte do Niemeyer, ficou difícil encontrar um comunista autêntico. Homossexuais não faltam (nada contra, cada um gerencie o seu corpo como quiser), mas se eles tiverem que brigar com alguém pelo domínio do mundo não encontrarão inimigos, fora, talvez, seitas evangélicas e baratas. A guerra contra os comunistas eles ganharam por WO.
Não sei quem seriam os adversários numa hipotética guerra final, hoje, mas meu palpite é que o conflito teria alguma coisa a ver com celulares e similares. Cresce no mundo o número de pessoas que não podem viver sem seus “phones” e “tablets” e não se importam com o incômodo que provocam nos outros. 
E os “outros” são cada vez menos, mas cada vez mais ressentidos. Não demora se organizarão e irão para a luta. Prevejo que surgirão bolsões de anticelulares dispostos a resistir à proliferação das malditas maquininhas. Haverá confronto, talvez mortes, e estaremos a um passo da guerra. Ou da guerrilha, pois, se nossas forças forem insuficientes para resistir, partiremos para as montanhas.
Outra sabedoria pronta que precisa ser revisada diz respeito ao futebol. Convencionou-se que o futebol paulista, por ser mais rico, sério e organizado do que o dos outros estados, fatalmente dominaria todos os campeonatos nacionais, colocando sempre no mínimo dois clubes entre os quatro melhores.
Basta olhar a tabela do atual Campeonato Brasileiro para ver que esta convenção acabou, ou está em suspenso. O time paulista mais bem colocado este ano é o Santos — que está lá embaixo. Assim passam as glórias do mundo.

(*) Luis Fernando Verissimo romancista e cronista brasileiro nasceu em 26-09-1936 em Porto Alegre - RS, é filho do grande escritor Érico Veríssimo. 

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA 

BOLSAS DO MUNDO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
TOTAL (PTS)
Dow Jones - Estados Unidos
-0,81%
-129,60
15.843,53
S&P 500 - Estados Unidos
-1,13%
-20,40
1.782,22
NASDAQ COMPOSITE
-1,40%
-56,68
4.003,81
DAX Frankfurt - Alemanha
-0,41%
-37,33
9.077,11
CAC 40 - França
-0,10%
-4,28
4.086,86
Euro Stoxx 50 - Europa
-0,46%
-13,55
2.947,31
Merval - Argentina
-0,72%
-37,92
5.186,32
Nikkei 225 - Japão
-0,62%
-96,25
15.515,06
SSE Composite - China
-1,49%
-33,33
2.204,17
Hang Seng - China
-1,71%
-405,95
23.338,24
11/12/2013 22h24 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
2,3418
2,3429
+1,48%
Euro
3,2268
3,2293
-0,01%
Libra
3,8326
3,8360
-0,01%
Peso Argentino
0,3729
0,3733
-0,03%
11/12/2013 22h24 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,54%
INPC IBGE (mês)
-0,07%
BR IPC-FIPE infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,08%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
0,00%
ICV Dieese (mês)
0,93%
11/12/2013 22h24 | Thomson Reuters

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
10,00%
CDI (ano)
9,76%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
5,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,0667%
Poupança (mês)
0,567%
11/12/2013 22h24 | Thomson Reuters

COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
+0,03
20,30
Platina
-
+0,50
1.380,25
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
+1,75
1.253,10
Petróleo Brent
+0,14%
+0,15
109,53
Paládio
-
-2,50
732,75

11/12/2013 22h24 | Thomson Reuters