Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

domingo, 30 de junho de 2013

DICA DO BORJÃO

A “Dica do Borjão” de hoje, 30 de junho de 2013, proporciona um belo encontro de duas maravilhosas vozes:Tony Bennett & Alejandro Sanzinterpretando a “cul music”  YESTERDAY I HEARD THE RAIN - Esta Tarde Vi Llover (Armando Manzanero and Gene Lees). Um excelente domingo para todos vocês e até a próxima “Dica do Borjão”.

YESTERDAY I HEARD THE RAIN
(Armando Manzanero and Gene Lees)


Yesterday I heard the rain whispering your name
Asking where you'd gone
It fell softly from the clouds on the silent crowds
As I wandered on
Out of doorways black umbrellas came to pursue me
Faceless people as they passed were looking through me
No one knew me...

Esta tarde de llover,
Vi gente correr y no estabas tú
El otoño ví llegar,
Al mar oí cantar y no estabas tú
Yo no sé cuanto me quieres,
Si tú me extrañas o me engañas
Pero yo sólo Sé que ví llover,
Ví gente correr y no estabas tú...

Yesterday I saw a city full of shadows without pity
And I heard the steady rain whispering your name
Whispering your name
Y no estabas tú...

sexta-feira, 28 de junho de 2013

CITAÇÃO DO DIA

“Geralmente estamos procurando, procurando e procurando explicações para as coisas que acontecem em nossa vida. Ficamos dias, meses, anos e até partimos daqui sem saber o porquê de determinados fatos. Quando não conhecemos as leis que regem as energias deste nosso planeta, preferimos chamar estes fatos de coincidência, de conspiração do universo, e muitos acreditam que o responsável por tudo isto é o destino. O destino é um processo tão complicado para a mente humana, que o seu produto final é um grande mistério. Talvez seja importante entender a palavra “destino”, mas não decifrá-la, pois se Deus chegasse até nós com o resultado final da nossa existência, a vida ficaria um pouco sem graça. O que nos move é a expectativa por um novo dia. Tenha certeza de uma coisa: Deus é sábio e lhe reserva um grande presente no seu destino final. Basta acreditar!” (Rivalcir Liberato é publicitário, jornalista, escritor, poeta, webdesign gráfico, blogueiro, twiteiro, cozinheiro, pescador e contador de história) 

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

REUNIÃO NESTA SEXTA DEFINIRÁ GREVES, DIZ FORÇA SINDICAL
A Força Sindical informa que reunirá nesta sexta-feira, 28, sindicatos de todo o País para definir os locais de greves e as manifestações do dia 11 de julho. Em nota, a Força relata que a reunião começará às 9h30, no Auditório do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, na capital paulista. A ideia é agregar "representantes de sindicatos de todo o Brasil para discutir como serão realizadas as manifestações e paralisações de suas categorias, em 11 de julho, data do Dia Nacional de Lutas com Greves e Manifestações", conforme cita o texto. "Vamos definir como serão as manifestações pela retomada da luta pelo fim do fator previdenciário, 40 horas semanais, reajuste para os aposentados, transporte público de qualidade e mais investimentos para saúde e educação", afirma o presidente da Força Sindical, deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força. A nota menciona ainda que a "luta contra a inflação, que está corroendo os salários dos trabalhadores, também estará presente nos atos". O texto termina destacando que o Dia Nacional de Lutas será realizado pelas centrais sindicais juntamente com a União Nacional dos Estudantes (UNE) e o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

COPPE E MARINHA JUNTAS PARA EQUIPAR O PRIMEIRO SUBMARINO NUCLEAR BRASILEIRO
O fundo do mar é escuro, mas é muito barulhento. Chuvas, raios, peixes, baleias e navios, entre outros, enchem os oceanos de ruídos que podem se propagar por centenas de quilômetros. Assim, detectar, localizar, identificar e acompanhar os sons produzidos por embarcações inimigas e diferenciá-los dos barulhos naturais sem revelar a própria posição são capacidades fundamentais para que uma das mais furtivas máquinas de guerra já inventadas, o submarino nuclear, cumpra suas missões. Para isso, os submarinos usam os chamados sonares passivos, conjuntos de hidrofones, computadores e programas guardados em segredo pelos países que têm esta tecnologia. Com planos de lançar ao mar seu primeiro submarino nuclear em 2023, a Marinha do Brasil precisa dominar o desenvolvimento deste tipo de sistemas e por isso se juntou à Coppe/UFRJ, que na próxima segunda-feira inaugura na Ilha do Fundão seu Laboratório de Tecnologia Sonar (LabSonar). Segundo José Seixas, professor do Programa de Engenharia Elétrica da Coppe e coordenador do LabSonar, o laboratório é fruto da histórica parceria entre as duas instituições. Ele lembra que os sonares em uso pela Marinha já contam com partes desenvolvidas conjuntamente e desataca que o foco principal do novo laboratório é fabricar um sonar passivo totalmente com tecnologia nacional, desde a captação dos sinais até seu processamento. - O submarino nuclear é uma oportunidade especial para colocar o Brasil em uma posição de destaque na área de defesa - diz. - Este projeto traz grandes demandas tecnológicas que vão exigir um salto de qualidade e inovação da indústria brasileira. A soberania nacional é resguardada quando se tem autonomia nas tecnologias e processos como as dos sonares passivos e temos o conhecimento de processamento, instrumentação e capacitação para fazer isso. De acordo com Seixas, um dos principais desafios é encontrar maneiras de separar e identificar os sons de interesse tático e estratégico no ruidoso ambiente subaquático. - Em geral, o ruído é algo que atrapalha o desempenho dos sistemas de detecção, mas neste caso tudo é ruído, com a diferença que alguns são de interesse e outros não - explica. - São muitos os possíveis contatos para serem identificados e a propagação do som no ambiente subaquático é um processo bem complexo, principalmente quando se tem contatos múltiplos, em que o ruído de um pode interferir no do outro e eles têm que ser desembaralhados. De olho neste problema, Seixas conta que a Marinha já está construindo uma base de dados com a “assinatura” de vários sons subaquáticos, desde os produzidos naturalmente até os de variados tipos de navios. - O sistema tem que conhecer muitas classes de som, reconhecer algo desconhecido que pode representar um problema e fazer tudo isso rápido, já que ele será a base de decisões de vida ou morte, ou de vitória e derrota - conclui.

SAMSUNG INICIA PRODUÇÃO DE TELEVISORES COM TECNOLOGIA OLED
A Samsung Electronics lançou sua primeira TV OLED nesta quinta-feira, levando a tecnologia de tela ultra-fina, usada em smartphones, para um mercado nascente, apesar de desafios produtivos manterem os custos altos, enquanto telas de LCD só ficam melhores e mais baratas. A maior fabricante mundial de TV apostou seu futuro na tecnologia e no sucesso do display OLED - diodo orgânico emissor de luz - com telas menores que têm reforçado a sua fatia de mercado de smartphones e seus ganhos. Mas telas grandes devem demorar muito mais para começar a dar lucro. Acredita-se que a tecnologia OLED ofereça potencial para uma melhor qualidade de imagem do que as telas de cristal líquido padrão, com resolução de imagem mais nítida, tempo de resposta mais rápido e imagens de alto contraste. Ela também permite televisores curvos, que fabricantes dizem oferecer uma experiência mais imersiva. Mas restrições de produção são um problema chave. A Samsung está produzindo telas OLED para TVs a partir de uma linha piloto pequena e alguns analistas estimam que a produção tenha uma perda de 70% - com sete telas defeituosas para cada 10 produzida, devido à dificuldade de espalhar uniformemente materiais orgânicos emissores de luz em telas grandes. Apesar de muitos especialistas da indústria acreditarem que a tecnologia OLED será o próximo marco da indústria, eles não acreditam que ela substituirá as telas LCDs nos próximos anos. A Samsung disse que vai começar a vender televisores OLED curvos fora da Coreia do Sul em julho mas não especificou em quais países. 

ARTE NO BLOG

A ARTE DE JUAN IGUINIS 
Formado em Belas Artes, de nacionalidade uruguaia, nasceu na, cidade de Rocha no ano de 1947. Em 1969 foi morar na Argentina, Buenos Aires. Fez exposições em Buenos Aires, Montevidéu e Punta Del Este. Chegou ao Brasil em 1994,  fixou residência na cidade de Ivaiporã, interior do Estado do Paraná, lá formou seu ateliê, onde ministra aulas de pintura. Na cidade de Tapejara, no Paraná, produziu uma escultura em concreto e bronze na entrada da Prefeitura, trabalho encomendado pelo prefeito da cidade no ano de 1996.
 
 A Viagem - ost. 1,40 x 1.20 cm 

RECEITA DO BLOG

MACARRÃO COM ATUM E CREME DE LEITE
por: Graciete Analia da Silva 

INGREDIENTES PARA 04 PORÇÕES:
1/2 kg de spagueti
1 lata de atum
1 cebola
4 dentes de alho
3 colheres de sopa de maionese
1 lata de creme de leite (ou 1 copo de leite)
1 colher de chá de extrato de tomate
2 colheres de margarina
Sal e pimenta a gosto

MODO DE PREPARO:
·         Cozinhe o macarrão no ponto de sua preferência
·         Refogue a cebola e o alho na margarina, acrescente o atum, o extrato de tomate, sal, pimenta, a maionese, e por último o creme de leite
·         Misture bem e jogue sobre o macarrão
·         Polvilhe com queijo parmesão ralado e leve ao forno para gratinar por 10 minutos

Fonte: http://www.tudogostoso.com.br/receita/19305-macarrao-com-atum-e-creme-de-leite.html

CIRCULA NA INTERNET

CURTA E COMPARTILHE
 Curta e compartilhe AQUI.

IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem da praia mais amada dos mossoroenses: Tibau - RN - Brasil

PIADA DO BLOG

CARREIRA POLÍTICA
A jornalista entrevista um famoso deputado:
- Deputado, o senhor pode nos dizer como começou a sua carreira de político?
- Ah! Foi logo na infância... Eu ainda estudava no primário...
- No primário?! - espantou-se a jornalista.
- Sim! Um dia meu pai me chamou e disse: "Filho, a partir de hoje eu vou lhe dar mil dólares toda as vezes que você tirar uma nota maior que 7". Então, eu cheguei para a minha professora e falei: "Escuta, dona Clotilde, a senhora não gostaria de ganhar quinhentos dólares de vez em quando?".

TEXTO DO BLOG

E AGORA, GALERA?
por Gaudêncio Torquato*

Ante a provável baixa da tarifa de ônibus nas capitais que sediaram as maiores manifestações populares dos últimos tempos, a indagação aguça a curiosidade de todos: qual será o próximo foco?
O primeiro round da guerra que tem, de um lado, exércitos compostos por variados conjuntos da sociedade, e, de outro, guerreiros defensores do establishment, deve terminar com evidente vitória dos primeiros.
O atendimento da demanda por executivos estaduais e municipais (até o alcaide paulistano cedeu) será o jorro d’água para apagar faíscas que ameaçam multiplicar fogueiras acesas nas principais regiões do território.
Urge atentar para o sinal amarelo aceso no farol dos governantes e suas múltiplas significações: o som barulhento das ruas não mais carece de maestros de grandes orquestras, sejam políticos ou lideranças sindicais; não é preciso muito tempo para as massas afluírem às ruas; a tuba de ressonância desses tempos efervescentes é o conjunto das redes eletrônicas da internet.
Se a reivindicação concreta das turbas for acolhida, como governantes de algumas capitais e Estados já o fizeram (gerando o efeito dominó), permanecerá a dúvida sobre os próximos passos da ampla movimentação social, eis que as palavras de ordem tentam expressar a amálgama de carências que compõem o Produto Nacional Bruto da Insatisfação, agrupando, entre outras, os estrangulamentos do sistema de transportes, a precária estrutura de saúde, as deficiências nas frentes educacionais e a crescente insegurança pública ante a avalanche de atos de extrema violência nas grandes cidades.
E agora, galera, as batalhas continuarão? Haverá questões específicas a serem proclamadas? Os administradores públicos, por sua vez, ficarão entre a cruz e a caldeirinha: atenderão as demandas ou farão ouvidos de mercador.
A questão abre um leque de abordagens. A primeira diz respeito à natureza das reivindicações. O pleito da redução da tarifa de ônibus posicionou na linha de vanguarda a esfera estudantil.
Os jovens encontraram na vertente dos transportes uma causa próxima aos seus interesses, sem deixar de avocar outras demandas. Vale registrar a energia de um universo de quem se reclamava inércia, desinteresse, apatia.
Desde os “caras pintadas” da era Collor não se via tanta disposição, a demonstrar que os exércitos estudantis são os primeiros a usar a musculatura e a entrar no palco de guerra, caso tenham motivo para tanto.
A mobilização estudantil ganha expressão diante de uma paisagem urbana tradicionalmente ocupada por soldados comandados por Centrais Sindicais.
Nas últimas décadas, vale lembrar, infiltraram-se elas nas entranhas do Estado, em conluio que deixa transparecer preocupação com os cofres. (Basta anotar as grandes concentrações de massas a cargo das Centrais nas festas do 1º de maio, animadas por sorteios de casas e carros).
É saudável, portanto, enxergar grupamentos jovens voltando às passeatas, empunhando bandeiras e fazendo ecoar demandas e palavras de ordem. Ocorre que, para ser eficaz, a locução cívica dos estudantes carecerá, doravante, de clarificação de metas, sob pena de suas vozes se perderem na polifonia de uma Torre de Babel.
Não se quer dizer que tenham de esquecer o discurso que clama por mudanças em muitas frentes, como este que costurou o pano de fundo da reivindicação da tarifa zero para as passagens de ônibus.
Governantes e atores políticos de todas as instâncias precisam ser monitorados, avaliados, cobrados e, assim, perceber que há vigilantes cívicos fazendo ronda no entorno de palácios, sedes de governo, cúpulas congressuais, assembleias e câmaras.
Mas, para efeito de resultados imediatos, as manifestações de caráter massivo necessitam abrigar metas, de acordo com parâmetros de bom senso e capazes de abrir diálogo entre partes.
Nessa trilha e por conexão com a redução de tarifas, seria razoável que, nesse momento, os entes municipais e estaduais se debruçassem sobre os meios de mobilidade urbana, refazendo programas, reordenando cronogramas, com vistas à expansão dos sistemas e melhoria de qualidade dos serviços. Dessa forma, a movimentação adensará seu escopo e poderá obter mais vitórias.
O recado das ruas serve também de alerta para que gestores públicos passem a lupa sobre os serviços precários em todos os setores da vida cotidiana.
Afinal, aguda dissonância fere a sensibilidade tanto de plateias das cadeiras numeradas quanto de galeras das gerais: de um lado, a estética exuberante dos estádios de futebol, emoldurada por formas e traços futuristas, a denotar a absorção de avançados parâmetros tecnológicos; de outro, a acanhada e esburacada estrutura de serviços, cuja estética é pontilhada por corredores de hospitais locupletados de macas, filas quilométricas em postos de atendimento, superpopulação nos meios de transporte, vielas e becos apinhados de jovens drogados, chacinas seriadas nas periferias.
Para completar o cenário de contrastes, a falta de ônibus para acesso rápido aos majestosos estádios e a indignação por se cobrar de torcedores 8 reais por um cachorro quente. A imagem que se tem é a do reizinho que tenta esconder doenças nas habitações de seu reino com paredes folheadas de ouro.
Chama atenção o fato de que as manifestações se desenvolvem sob o empuxo de integrantes de grupamentos centrais: estudantes de curso superior (e seus pais), simpatizantes de partidos de esquerda, punks, ativistas em defesa de igualdade de gêneros e minorias, funcionários públicos, profissionais liberais etc.
Os exércitos periféricos não formam os maiores volumes dos contingentes. Sabendo-se que as correntes centrais influenciam as margens (a pedra jogada no centro faz marolas que chegam à beira do lago), pode-se imaginar desdobramento perigoso caso bolsões miseráveis sejam afetados em sua parte mais sensível, o bolso. Nesse caso (Deus nos livre dessa ameaça), a fome se juntaria com a vontade de comer.

(*) Gaudêncio Torquato, jornalista, professor titular da USP é consultor político e de comunicação. Twitter: @gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA

BOLSAS DO MUNDO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
TOTAL (PTS)
Dow Jones - Estados Unidos
+0,77%
+114,35
15.024,49
S&P 500 - Estados Unidos
+0,62%
+9,94
1.613,20
NASDAQ COMPOSITE
+0,76%
+25,64
3.401,86
DAX Frankfurt - Alemanha
+0,63%
+49,76
7.990,75
CAC 40 - França
+0,97%
+36,15
3.762,19
Euro Stoxx 50 - Europa
+0,66%
+17,05
2.619,86
Merval - Argentina
-0,85%
-25,43
2.941,08
Nikkei 225 - Japão
+2,96%
+379,54
13.213,55
SSE Composite - China
-0,08%
-1,48
1.950,01
Hang Seng - China
+0,50%
+101,53
20.440,08
27/06/2013 18h48 | Thomson Reuters 

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
2,1987
2,1992
+0,45%
Euro
2,8649
2,8667
-0,04%
Libra
3,3530
3,3548
-0,05%
Peso Argentino
0,4087
0,4091
-0,05%
27/06/2013 18h49 | Thomson Reuters 

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,37%
INPC IBGE (mês)
35,00%
BR IPC-FIPE infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,08%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
0,00%
ICV Dieese (mês)
0,93%
27/06/2013 18h54 | Thomson Reuters 

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
8,00%
CDI (ano)
7,71%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
5,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,0154%
Poupança (mês)
0,500%
27/06/2013 18h52 | Thomson Reuters 

COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
-0,01
18,45
Platina
-
+12,00
1.313,50
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
-25,45
1.199,79
Petróleo Brent
+1,05%
+1,07
102,73
Paládio
-
+15,50
645,00

27/06/2013 18h54 | Thomson Reuters  

quinta-feira, 27 de junho de 2013

CITAÇÃO DO DIA

“O valor, a boa conduta e a perseverança conquistam todas as coisas e obstáculos que queiram destruí-las e se interponham em seu caminho.” (Ralph Waldo Emerson)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...

MERCADO DE TRABALHO DÁ SINAIS DE FRAQUEZA E PREOCUPA GOVERNO
Mais do que qualquer manifestação popular nas ruas das grandes cidades, o foco de maior atenção do Palácio do Planalto é o nível de emprego formal do País. Uma luz amarela foi acesa nos últimos dias no terceiro andar do Planalto, onde despacha a presidente Dilma Rousseff. Depois de sustentar o crescimento e a popularidade presidencial praticamente sozinho, o mercado de trabalho brasileiro dá os primeiros sinais de fraqueza. De posse dos dados consolidados de criação de vagas com carteira assinada referentes ao mês de maio e com as estimativas para junho, o governo já trabalha com o cenário de que o primeiro semestre de 2013 terminará com a criação de aproximadamente 650 mil vagas com carteira assinada. Este é o dado revisado por técnicos, o cenário de emprego formal trabalhado no governo prevê a criação de 710 mil postos formais. Se confirmado, o saldo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) dos primeiros seis meses de 2013 terá sido 30% inferior ao de igual período do ano passado e menos da metade daquele registrado nos anos de 2008, 2010 e 2011, na mesma comparação. De toda a gestão do PT no governo, o resultado que se desenha para o primeiro semestre de 2013 no mercado de trabalho terá sido melhor, apenas, que o registrado em 2003 e 2009, anos de crise econômica. Na última sexta-feira (21), o Ministério do Trabalho oficializou os dados de maio - apenas 72 mil vagas foram criadas no mês passado, pior resultado da série histórica. Na visão do governo, o emprego formal neste ano sofre o efeito defasado da desaceleração econômica iniciada no fim de 2011. A relativa fraqueza do primeiro semestre de 2013 é uma resposta aos dois anos consecutivos de lentidão na economia, associados a um aumento do custo do trabalhador - diante da falta de qualificação da mão de obra, problema sempre apontado por empresários, os salários sobem para aqueles qualificados. As dificuldades seriam maiores hoje, avaliam os economistas oficiais, não fossem as diversas e sucessivas intervenções feitas pelo governo. A gestão Dilma Rousseff já anunciou 20 pacotes com medidas de estímulo à economia, distribuídos em incentivos aos investimentos e ao consumo das famílias. Como afirmou a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, em entrevista todos os pacotes buscaram preservar a renda dos brasileiros e o nível de emprego na economia. Crescimento. Segundo o governo, o ativismo dos últimos anos evitou que o mercado de trabalho fosse contagiado pela desaceleração do Produto Interno Bruto (PIB) - que saiu de um avanço de 7,5% em 2010 para meros 0,9% em 2012. Neste ano, o próprio governo já trabalha com uma expansão da economia de, no máximo, 3%. O entendimento do Palácio do Planalto é de que a melhora na economia, que tende a ganhar força no segundo semestre caso as concessões de rodovias, aeroportos, ferrovias e portos efetivamente saiam do papel, deve estimular as empresas a contratar mão de obra. Neste cenário, o Caged começaria a reagir entre o fim do ano e o início de 2014. A partir de janeiro do ano que vem, o benefício da desoneração da folha de pagamentos será estendido a 15 setores, que se somarão aos 42 segmentos da economia que já contam com estímulo. Com uma folha de pagamentos mais barata, o empresário terá um incentivo para aumentar o número de pessoal ocupado.

HOMENS COM BARBA SÃO OS MAIS SEXY, MOSTRA ESTUDO
Afaste-se dos rapazes da navalha. Um novo estudo mostra que os homens com barba são os mais sexy. Segundo a pesquisa da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, mulheres acharam mais atraentes homens que não faziam barba há cerca de dez dias. No entanto, os homens com aquela barba por fazer, de quem não usava gilete há uns cinco dias, foram considerados os menos atraentes, na comparação até com os barbeados, segundo o Daily Mail. Os pesquisadores mostraram a centenas de mulheres e homens heterossexuais dez fotos de diferentes estágios de crescimento de barba e pediram para pontuarem as fotos por atração, masculinidade, saúde e potencial para parentalidade. Os homens que não faziam barba há dez dias foram os mais populares entre mulheres pesquisadas, enquanto que a barba completa teve a maior pontuação para parentalidade tanto para mulheres quanto para homens heterossexuais. Homens com pouca barba por fazer tiveram os piores número com ambas as categorias. Os pesquisadores investigavam a forma como os humanos veem a masculinidade dos homens e seus “atributos sociosexuais”. O estudo foi publicado no periódico “Evolution and Human Behaviour”.

CELULAR-LUVA TRANSFORMA POLEGAR EM FONE E MINDINHO EM MICROFONE
As tecnologias feitas para se vestir estão ganhando espaço. Depois dos fones de ouvidos para celulares, óculos do Google e relógios de pulso com funções de celular com a cesso à internet, já está em testes o celular luva, onde o dedo polegar funciona como fone e o mindinho como microfone. Para suar o celular luva, basta fazer o gesto que as pessoas geralmente fazem para imitar quem fala ao telefone. Depois, é só falar na ponta do mindinho e escutar pelo polegar.  A ideia do celular luva nasceu de uma experiência tecnológica do desenhista Sean Milhas, da Designworks, que buscava alternativas para a reciclagem de celulares antigos, a pedido da empresa O2 Recycling. Outra experiência na mesma linha é o celular sapato, um aparelho embutido na sola do calçado para ser usado em caso de emergência. Os protótipos das luvas com Bluetooth e sapatos-fone estão sendo testados no estúdio de design em Windsor, onde o desenhista deu uma demonstração para o correspondente da BBC, Dougal Shaw. A tecnologia para vestir ('wearable') também tem pulseiras e medidores de passos para a prática de exercícios físicos. Na última feira de tecnologia Consumer Electronics Show, em Las Vegas, foram apresentados dispositivos que permite monitorar informações relativas à saúde durante a prática de corridas e outros exercícios físicos. Eles funcionam com um chip que permite aos usuários ganhar pontos para cada movimento que fazem. Esses movimentos são rastreadas e integrados a um aplicativo de smartphone, fornecendo estatísticas sobre as medidas tomadas e pontos ganhos.
VEJA OS VÍDEOS:

RIVISTA DO MINO

SAÚDE NO BLOG

FIQUE ATENTO AO SEU FILHO ADOLESCENTE. ELE PODE VIR A APRESENTAR VARICOCELE

Esta doença, principal causa de infertilidade no homem, se caracteriza pela dilatação das veias que recolhem o sangue e as impurezas da região dos testículos. Pode ocorrer em qualquer fase da vida, mas surge mais na adolescência. É mais comum no testículo esquerdo. A indicação básica são veias proeminentes nos testículos. Quanto mais cedo é tratada, menor o risco de sequelas.

por Paulo Egydio*

Chama-se varicocele à dilatação anormal das veias que drenam o sangue e as impurezas da região dos testículos. Ela é mais comum nos adolescentes — as estatísticas indicam que 15% deles são portadores.
O mecanismo de formação da doença é o seguinte. O sangue e as impurezas da região dos testículos são recolhidos por um emaranhado de veias. Como há dois testículos, existem dois grupos de veias, um de cada lado. Logo acima do escroto, elas dão origem a veias maiores. Já no abdome, cada grupo de veias se transforma em uma só, a veia testicular: uma do lado direito e outra do esquerdo. A direita desemboca obliquamente na veia cava pouco abaixo do rim. A posição oblíqua e o fato de a veia cava ser grossa facilitam o desaguar do sangue. Já a veia testicular esquerda desemboca perpendicularmente na veia renal esquerda, formando um ângulo de 90 graus. Esse ângulo e o fato da veia renal ser mais fina dificultam a entrada do sangue nela. Por isso 90% dos casos de varicocele são do lado esquerdo e casos somente à direita são raros.
A causa básica da doença é o funcionamento inadequado ou a falência das válvulas da veia testicular. Quando funcionam bem, o sangue sobe, as válvulas se fecham e ele não retorna. A deficiência ou a falência das válvulas, ao contrário, levam à má drenagem sanguínea e ao acúmulo de sangue nos testículos, forçando as veias e dilatando-as. As varicoceles por mal funcionamento ou falência das válvulas das veias testiculares têm traços familiares. Por isso, homens com histórico da doença na família estão mais suscetíveis. Outra causa de varicocele são os tumores, que pressionam as veias testiculares e dificultam a drenagem sanguínea.
Em geral ela não produz sintomas. Só nas situações graves pode haver dor e atrofia do testículo. Mas a indicação básica são as veias proeminentes sobretudo no testículo esquerdo. Como os homens não costumam examinar seu escroto, descobrem a doença só quando casam e verificam que são inférteis. A razão é esta: o sangue é drenado dos testículos para ser purificado. Com a doença, não circula bem e substâncias nocivas se acumulam neles. A temperatura local eleva-se, prejudica a produção de espermatozoides e altera sua forma e sua capacidade de fertilizar o óvulo. Assim, fica difícil para o homem engravidar a sua parceira.
Pais com histórico de varicocele na família devem ficar atentos a seus filhos adolescentes e, à menor indicação, levá-los a um urologista. O diagnóstico inicial é clínico. Pode-se confirmá-la propondo que o paciente ponha a boca nas «costas» de uma das mãos e sopre com força, que o sangue se acumula na região do escroto e a dilatação se exacerba. Confirma-se a doença, ainda, com ultassonografia.
Não se intervém em pacientes com varicocele discreta. Só se acompanha, fazendo espermograma periodicamente, para se verse leva a prejuízos para os espermatozoides. Quando isso já ocorre, se intervém cirurgicamente, o que é feito logo acima da virilha. A melhor opção, hoje, é a microcirurgia. Com um microscópio, que aumenta a área e permite reconhecer os vasos, se amarra duas vezes a veia testicular doente e se corta entre os dois amarros, para impedir que o sangue desça. Não se interfere em artérias nem em vasos linfáticos, pois pode causar necrose dos testículos. Com essa técnica, o risco de a doença voltar a se manifestar é de apenas 1% — por outras técnicas, é bem maior. 

(*) Paulo Egydio (CRM 67482), médico urologista e andrologista na capital paulista - drpaulo@drpaulo.com.br

CIRCULA NA INTERNET

ANÚNCIO QUE VOCÊ TALVEZ VEJA POR AÍ

IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem na aconchegante e bela Londrina - PR - Brasil, onde lá reside a nossa filha Marcela com o seu amado Robério Passos e breve chegará a netinha Nicole nos meados de agosto deste ano.

PIADA DO BLOG

PEDIDO DE SOCORRO
Toca o telefone na delegacia e um policial atende. Uma voz esquisita falando baixinho faz o seguinte pedido de socorro:
- Mandem alguém urgente! Entrou um gato em casa!
- Mas como senhora, um gato?
- É isso mesmo, por favor, mande socorro urgente!
- Mas quem é que ta falando?
- É o papagaio, porra!!

TEXTO DO BLOG

GATSBY S.A.
por Luis Fernando Veríssimo*

Para coincidir com o lançamento do filme, que abriu o festival de cinema de Cannes deste ano, inaugurou-se uma espécie de indústria de Grandes Gatsbys. Várias editoras aproveitaram o estardalhaço para publicar suas versões do livro de Scott Fitzgerald.
Nas diversas edições em inglês só o que muda de uma versão para outra, claro, é a apresentação gráfica (com ou sem Leonardo Dicaprio na capa, por exemplo), mas nas novas traduções que pipocam pelo mundo imagina-se que a qualidade do texto de Fitzgerald nem sempre sobreviva.
No Brasil há umas quatro ou cinco traduções do “Gatsby”, entre antigas e novas. A melhor das novas no mercado deve ser a que a excelente Vanessa Barbara fez para a Companhia das Letras.
Essa variedade de versões espelha, de certa forma, a variedade de interpretações possíveis do livro. Não que ele seja um texto obscuro a ser decifrado. Pode-se até dizer que é uma lição de narrativa clara, junto com “Suave é a noite”, exemplos máximos do estilo elegante de Fitzgerald e do romance tradicional.
Costuma-se comparar a literatura de Fitzgerald com a do seu contemporâneo Ernest Hemingway, cujo estilo lacônico, “seco”, em contraste com a prosa fluente de Fitzgerald, seria o futuro da literatura moderna. No entanto hoje rele-se “O grande Gatsby” com o mesmo prazer da primeira leitura, enquanto reedições do Hemingway mostram um autor a caminho da pior armadilha que espera um escritor que se repete, a da autoparódia.
Mas, se “O grande Gatsby” não “quer dizer” nada além do que diz com perfeição, o que, exatamente, simboliza aquele estranho personagem enfeitiçado pela luz verde do outro lado da baía que separa o velho do novo dinheiro, a classe legitima da classe comprada, o seu mundo de negócios suspeitos e escroques do mundo encantado da sua amada Daisy?
 “Os ricos são diferentes de nós” é a primeira frase de um conto de Fitzgerald, anterior ao “Gatsby“. “É, eles têm mais dinheiro”, teria comentado Hemingway. Mas Fitzgerald era fascinado pela diferença.
Gatsby é martirizado pela diferença, que o impede, com todo o seu dinheiro, de ter tudo o que quer — Daisy. Simboliza a mentira do sonho americano, pois há sempre pelo menos uma baía separando as categorias de ricos. Ou simboliza a moral mais banal possível, a de que o dinheiro não compra a felicidade.
Nunca uma banalidade foi tão bem escrita.

(*) Luis Fernando Verissimo romancista e cronista brasileiro nasceu em 26-09-1936 em Porto Alegre - RS, é filho do grande escritor Érico Veríssimo. 

INDICADORES DO BLOG

BOVESPA 

BOLSAS DO MUNDO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
TOTAL (PTS)
Dow Jones - Estados Unidos
+1,02%
+149,83
14.910,14
S&P 500 - Estados Unidos
+0,96%
+15,23
1.603,26
NASDAQ COMPOSITE
+0,85%
+28,34
3.376,22
DAX Frankfurt - Alemanha
+1,66%
+129,69
7.940,99
CAC 40 - França
+2,09%
+76,22
3.726,04
Euro Stoxx 50 - Europa
+2,34%
+59,44
2.602,81
Merval - Argentina
-1,54%
-46,64
2.966,51
Nikkei 225 - Japão
-1,04%
-135,33
12.834,01
SSE Composite - China
-0,41%
-8,01
1.951,50
Hang Seng - China
+2,43%
+482,83
20.338,55
26/06/2013 21h00 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
2,1863
2,1868
-1,13%
Euro
2,8473
2,8492
+0,08%
Libra
3,3524
3,3542
+0,13%
Peso Argentino
0,4075
0,4080
+0,10%
26/06/2013 20h58 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,37%
INPC IBGE (mês)
35,00%
BR IPC-FIPE infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,08%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
0,00%
ICV Dieese (mês)
0,93%
26/06/2013 21h00 | Thomson Reuters

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
8,00%
CDI (ano)
7,71%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
5,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,0154%
Poupança (mês)
0,500%
26/06/2013 21h04 | Thomson Reuters

COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
+0,12
18,58
Platina
-
+3,50
1.305,00
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
+3,70
1.228,94
Petróleo Brent
0,00%
0,00
101,80
Paládio
-
-0,03
629,47

26/06/2013 21h03 | Thomson Reuters