Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

terça-feira, 30 de abril de 2013

CITAÇÃO DO DIA


“Não que eu queira negar a importância da inspiração. Pelo contrário, considero-a uma força motriz, que encontramos em toda a atividade humana (...). Essa força, porém, só desabrocha quando algum esforço a põe em movimento, e esse esforço é o trabalho.” (Igor Stravinsky (1882-1971), compositor, pianista e maestro russo)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...


CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO FAZ 70 ANOS COM 18,6 MILHÕES NA ILEGALIDADE
A Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) chega aos 70 anos no próximo dia 1º de maio com o desafio da formalização. Mesmo com a carteira de trabalho obrigatória desde 1932, 20% de toda a mão de obra do país ainda não têm carteira assinada, o que representa 18,6 milhões de admitidos ilegalmente e que, portanto, não são atingidos pelos direitos da lei. E há ainda 15,2 milhões de trabalhadores por conta própria sem qualquer proteção, por não contribuírem para a Previdência Social. Nascida com 922 artigos, número que se mantêm até hoje, o conjunto de leis é objeto de caloroso debate entre economistas e juristas: menos regulação aumentará ou não a formalidade no mercado de trabalho? E os 70 anos da CLT chegam quando o mercado de trabalho passa por um dos melhores momentos. A taxa de desemprego nunca esteve tão baixa, em 5,5% em 2012, os salários continuam subindo mesmo com a inflação crescente e os empresários reclamam de falta de mão de obra. A quantidade de normas — são mais de 1.700 regras, entre leis, portarias, normas e súmulas trabalhistas vigentes no país — também é alvo de críticas e defesas. Nascida em 1943, na ditadura do Estado Novo, sob o domínio do presidente Getúlio Vargas, a CLT reuniu a legislação existente na época. Segundo o professor de História Econômica da UFRJ Fábio de Sá Earp, Getúlio busca o apoio dos trabalhadores num momento de exceção. O Brasil começa a mudar de economia agrária para industrial, de rural para urbana. Era necessário regular o trabalho urbano. As leis reunidas nasceram antes, nos anos 30 e início de 40, como salário mínimo e exigência de carteira. Mas a CLT trouxe um capítulo novo inteiro sobre remuneração, alteração, suspensão e interrupção do contrato de trabalho. Arnaldo Süssekind, um dos integrantes da comissão que montou a CLT, disse em livro escrito em 2004 que a CLT cumprira “importante missão educativa, a par de ter gerado o clima propício à industrialização do país, sem conflitos trabalhistas violentos”. Setenta anos depois, não há consenso entre especialistas se menos regulação impulsionaria o emprego formal. Ex-ministro do Trabalho de Fernando Henrique Cardoso entre 1998 e 1999 e hoje economista da Gávea Investimentos, Edward Amadeo diz que boa parte da informalidade vem do custo e da complexidade da legislação. Na sua gestão, foram instituídos o contrato temporário e banco de horas. Mesmo sem reforma ampla, a CLT vem sendo mudada a conta-gotas nas últimas décadas. O conjunto de artigos já sofreu 497 modificações desde 1943, além das 67 disposições constitucionais de 1988 que se somaram à CLT. Desde a Constituição de 88 já foram propostas 255 ações no Supremo Tribunal Federal questionando a constitucionalidade de regras trabalhistas, conforme levantamento do Grupo de Pesquisa Configurações Institucionais e Relações de Trabalho da UFRJ. — A CLT foi alterada muitas vezes, a conta-gotas. Tem muitos artigos, alguns discutíveis, outros que acredito que já foram revogados. É preciso uma limpeza, uma grande revisão. Isso é urgente e relevante para acabar com as dúvidas — afirma Sergio Pinto Martins, professor de Direito da USP e desembargador do TRT/SP. O detalhamento da CLT também é motivo de debate. São 922 artigos da Consolidação das Leis do Trabalho, 295 súmulas e 119 orientações (precedentes normativos) do Tribunal Superior do Trabalho, 193 artigos do Código Civil, 145 súmulas do Supremo Tribunal Federal e 67 dispositivos constitucionais, de acordo com o sociólogo José Pastore. Há quem considere que o Brasil é um dos países com mais normas trabalhistas do mundo, enquanto outros argumentam que nações como França e Portugal têm legislações trabalhistas tão ou mais detalhistas que a nossa e que a sociedade hoje é complexa e exige tal detalhamento.

CENTRO DA TERRA TEM 6 MIL GRAUS DE TEMPERATURA, MIL A MAIS DO QUE SE PENSAVA
Os cientistas chegaram à conclusão que a temperatura perto do centro da Terra é de 6 mil graus Celsius, mil graus mais quente do que foi estimado em um experimento feito há 20 anos. Esta nova temperatura confirma a tese de que a diferença de temperatura entre o núcleo sólido e o manto, que fica acima, tem de ser de pelo menos de 1.500 graus para explicar por que a Terra tem um campo magnético. Os resultados foram publicados na edição desta sexta-feira da revista “Science”. O núcleo da Terra é composto principalmente de uma esfera de ferro líquido em temperaturas acima de 4 mil graus e pressões mais de 1,3 milhões de vezes maiores que a do nível do mar. Sob estas condições, o ferro é um líquido como a água dos oceanos. E apenas bem no centro deste núcleo da Terra, onde a pressão e o aumento de temperatura são ainda maiores, é que o ferro líquido se solidifica novamente. É através da análise de ondas sísmicas que passam pelo centro da Terra que os cientistas são capazes de dizer a espessura dos núcleos sólidos e líquidos e também a forma como a pressão na Terra aumenta com a profundidade. No entanto, estas ondas não fornecem informações sobre a temperatura, característica que tem uma influência importante sobre o movimento do material no interior do núcleo líquido e o sólido acima do manto. Na verdade, a diferença de temperatura entre o manto e o núcleo é o principal motor dos movimentos térmicos de larga escala que, juntamente com a rotação da Terra, atuam como um dínamo gerador do campo magnético do planeta. Para gerar um resultado preciso do perfil de temperatura dentro do centro da Terra, os cientistas tiveram que simular o ponto de fusão do ferro em diferentes pressões, num experimento de laboratório em que comprimiram o metal com poderosas bigornas de diamante e feixes de laser para aquecer o elemento a temperaturas de até 5 mil graus. - Na prática, muitos desafios experimentais tiveram de ser cumpridos - explica Agnès Dewaele, líder da pesquisa, que envolveu integrantes do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica e do Laboratório Europeu de Radiação Síncroton, também na França. - Mesmo que uma amostra atinja as temperaturas extremas e as pressões do centro da Terra, essa condição só existirá por uma questão de segundos. Neste curto espaço de tempo, é extremamente difícil determinar se ele começou a derreter ou ainda é sólido.

COMPUTADORES PARA VESTIR DOS PÉS À CABEÇA
 O que há alguns anos pertencia ao mundo da ficção científica aos poucos está se tornando real. Há duas semanas, o Google Glass foi distribuído para um seleto grupo de desenvolvedores. As gigantes da tecnologia Apple, Microsoft e Samsung também planejam lançar relógios ou óculos inteligentes. De acordo com a ABI Research, em 2018 serão vendidos 485 milhões de dispositivos para vestir, conhecidos como wearable devices. Algumas empresas, como Nike e Sony, largaram na frente e já oferecem uma série de produtos, inclusive no Brasil. — Todo mundo fala dos wearables devices porque eles se tornaram uma tendência, principalmente com o Google Glass. Mas é uma tendência que enxergamos há muito tempo — diz Joe Takata, gerente de produto da Sony. Desde 2011 a fabricante japonesa possui um smartwatch, que funciona pareado com smartphones Android. Apesar de não fazer chamadas, todas as notificações recebidas pelo celular aparecem na tela do relógio. Também pode-se controlar o tocador de músicas, acessar contatos e agenda, entre outras funções específicas, como localizar o telefone em caso de perda. Com aplicativos baixados da Google Play, o relógio pode visualizar mapas, mostrar a previsão do tempo ou funcionar como um controle remoto. A Nike possui a linha Nike+, composta por um relógio inteligente, duas pulseiras e um sensor para ser acoplado ao tênis. Esses dispositivos são vendidos como acessórios para a prática esportiva, servindo como ferramentas para medir intensidade e frequência dos exercícios. De acordo com a ABI Research, sensores esportivos respondem atualmente por 61% do mercado de wearable devices. Com a chegada da Google e novos players, a tendência é que a visibilidade e a procura por esses produtos aumente. De acordo com relatório da ABI Research, o mercado vai “explodir em popularidade no próximo ano”, transformando os dispositivos para vestir em “norma” para muitos consumidores. — Começa com um ou outro fabricante e de repente vira um padrão no mercado. É positivo para todo mundo — avalia Takata. As duas maiores fabricantes de smartphone do mundo planejam entrar nesse mercado. Segundo rumores, a Apple desenvolve o iWatch, um relógio com sistema iOS que funciona conectado ao iPhone ou iPad. Não existem informações oficiais sobre o produto, mas analistas afirmam que o funcionamento será parecido com o smartwatch da Sony, com exibição de notificações e controle de algumas funções do celular. A Samsung já lançou dois smartwatchs, mas ambos fracassaram. Em 1999, a fabricante sul-coreana lançou o SPH-WP10, literalmente um telefone de pulso. O problema é que o aparelho tinha autonomia de apenas 90 minutos de ligação, enquanto, na época, as baterias dos celulares duravam dias. Dez anos depois a empresa fez a segunda tentativa, com o S9110, que também foi descontinuado. Após surgirem os rumores do produto da rival, o vice-presidente de Dispositivos Móveis, Lee Young, anunciou as intenções da empresa. — Nós estamos trabalhando em um relógio há bastante tempo. Estamos preparando produtos para o futuro, e o relógio é um deles — disse, na ocasião. Para a pesquisadora Luisa Paraguai, professora do programa de mestrado e doutorado em Design da Universidade Anhembi Morumbi, o que está acontecendo é o amadurecimento de um mercado iniciado nos anos 2000. Ela conta que, em 2002, experimentou um protótipo semelhante ao Google Glass. Na época, existia uma jaqueta da Phillips, que se conectava a iPods e celulares. — Eram aparelhos caros, específicos para determinada função. Já a Google planeja criar um produto de massas. Se os óculos da Google vão cair no gosto do consumidor, é uma pergunta para a qual a pesquisadora não tem resposta. Segundo Luisa, as empresas esperam obter sucesso parecido com o alcançado com os smartphones, mas alguns dispositivos, como o Google Glass, possuem a característica de interferir na fisiologia e os consumidores terão que se adaptar a ele. — Não sei se os óculos terão muito demanda. O celular, apesar de estar sempre no bolso das pessoas, não interfere na fisiologia, os óculos, sim. Será preciso uma mudança no comportamento — afirma. As empresas têm muito a ganhar com o lançamento desses dispositivos. De acordo com o analista Toni Sacconaghi, da Sanford C. Bernstein, considerando o preço de US$ 250 por aparelho, se o iWatch for comprado por apenas 3% dos donos de iPhones, a Apple vai faturar em torno de US$ 2,3 bilhões com o produto. Se a adoção for de 5%, os ganhos serão de US$ 3,4 bilhões. Para o futuro, as interferências fisiológicas tendem a se ampliar. O cientista-chefe da Microsoft Research, Rico Malvar, prevê um mundo onde o próprio corpo servirá como interface tecnológica. Nesse sentido, a empresa já desenvolveu um protótipo de óculos que projeta botões funcionais na palma da mão do usuário. — Talvez você faça gestos em frente ao smartphone e ele projete gráficos e informações no ar — especula. Para Malvar, a sociedade terá que se moldar aos wearables devices, mas ele não enxerga nisso uma barreira intransponível. Como exemplo, cita os fones de ouvido Bluetooth, comuns atualmente, mas que já causaram estranheza. — No começo, era estranho ver alguém falando sozinho. Agora, todo mundo faz isso. Imagine não apenas falando, mas vendo coisas no ar? As possibilidades são infinitas. 

VOCÊ SABIA?


PERNILONGO E BORRACHUDO, QUAL A DIFERENÇA?

Você sabe qual a diferença entre pernilongo e o borrachudo???
Muitas pessoas fazem uma confusão, mas esses insetos são bem distintos.
Os pernilongos são maiores que os barrachudos e têm uma semelhança com moscas, só que menores. Pernilongo é um nome popular dado ao inseto que é da família Culicidae, sendo os mais conhecidos o Aedes aegypti (transmissor da dengue), o Anopheles sp. (vetor da malária) e o Culex sp. (chamado de “pernilongo caseiro”). Habitam dentro de residências e seus arredores, enquanto o borrachudo é encontrado perto de córregos e rios d’água.
O borrachudo (Simulium sp.), também conhecido como pium na Amazônia, faz parte da família Simulidae.
Em comum, eles têm hábito de se alimentarem de sangue. É por isso que ambos não perdem a oportunidade de ‘picar’ os humanos, para quem podem transmitir várias doenças. Além da dengue e da malária, os pernilongos são capazes de disseminar a elefantíase, enfermidade caracterizada pelo inchaço das pernas e de outras partes do corpo. Já o borrachudo pode passar a oncocercose, o que pode levar alguns casos leva a pessoa enferma à cegueira.
DIFERENÇA DE CORPO
Além de bem maior (mede cerca de 10 milímetros), o pernilongo tem o corpo mais delgado e com coloração mais clara que o borrachudo. Este (que mede 6 milímetros) tem o corpo mais grosso e quase preto. As pernas e as antenas do pernilongo são muito compridas, principalmente quando comparadas de perto com as pernas e antenas mais curtas que possui o borrachudo.
AGULHADA X MORDIDA
Usado para sugar sangue, o aparelho bucal do pernilongo é formado por uma espécie de tromba. Já o borrachudo tem um aparelho bucal mastigador, que dilacera o tecido da pele antes de chupar o sangue.
SEM DAR ASAS À CONFUSÃO
As asas do pernilongo têm uma série de escamas que formam padrões diferentes de desenhos, enquanto as asas do borrachudo são lisas e transparentes.
NOME
Em Natal-RN chama-se Muriçoca já em Joinville-SC se têm o costume de chamá-los de Borrachudo.

BIOGRAFIA DE CELEBRIDADES


BENEDITO RUY BARBOSA
(Autor de novelas)
BENEDITO RUI BARBOSA é descendente de italianos, portugueses, franceses com “um lance” de índio. Nasceu em 1931, na cidade de Gália, estado de São Paulo. Seu pai, Otávio Elias era tipógrafo, que conseguiu fundar o seu jornal. O pai dele, avô de Benedito, também era jornalista. A mãe de Benedito, Aurora, era filha de fazendeiros de café. Tinha apenas 14 anos quando se casou com Otávio. E com ele ficou casada quinze anos, pois Otávio morreu de repente, do coração, deixando a viuva, muito jovem, com seus filhos. Benedito era o mais velho, estava com 12 anos. A vida então foi difícil, mas a mãe enfrentou com coragem. Benedito, acostumado às discussões políticas do jornal e da livraria que o pai também tinha, era um garoto irriquieto, preocupado, inteligente, resoluto. Alfabetizou-se muito cedo, no manuseio dos tipos na tipografia. Começou cedo a trabalhar. Fazia de tudo, inclusive vender jornais no trem, em que andava de uma cidade à outra, pois não estudava na escola da cidade, e sim em Marília. Estava com 13 anos e já era “um homem”, tamanha a sua responsabilidade. Depois conseguiu emprego em uma empresa como “guarda-livros”. E ele era bom, embora tão garoto. Aos 17 anos, porém, achando que o interior não lhe daria futuro, veio para a capital paulista, sozinho. Mas logo conseguiu emprego na matriz da mesmo empresa em que trabalhara no interior. Ali implantou seus conhecimentos de contabilidade e logo galgou um posto elevado. Ficou aí por cinco anos. Depois passou para o Banco de Boston e foi para o Paraná, mas voltou na sua empresa de origem e foi para Maringá, no Paraná, já como Gerente Contador. Ourtra vez em São Paulo, e não querendo mais ser contador, foi trabalhar em jornal. Começou no “O Estado de São Paulo”. Depois foi para “a Última Hora”. Ali fez reportagem esportiva. Na sequência trabalhou na “Manchete”, no Rio de Janeiro, no “Correio Paulistano”, nos “Diários Associados”. Tinha ao mesmo tempo cinco empregos. Ia bastante a teatro. E foi assistindo “Shapetuba Futebol Clube”, de Oduvaldo Viana Filho, que sentiu a grande mudança de sua vida. Ficou para o debate após a peça, e acabou fazendo amizade com o autor, que o convidou para almoçar. Desse almoço saiu com a responsabilidade de escrever uma peça de teatro. Benedito Rui Barbosa já estava casado com Marlene, a garota que conheceu num bailinho, e que era “uma garotinha”, e com ela está casado até hoje. A esposa não concordou muito com a história dele escrever peça de teatro, mesmo porque ele sentou para começar a escrever, e só levantou da máquina, alguns dias depois, com a peça terminada: “Fogo frio” . Essa era uma estória que o autor escrevera sobre as geadas, e que pensava transformar em livro. Mas a entrega à peça foi total. E seu sucesso também, quando da exibição, bem pouco tempo depois. Estava selada a carreira de escritor e novelista. Para a TV Tupi escreveu “Meu filho, minha vida”, “Somos todos irmãos” , “Simplesmente Maria” , e outras. Para a TV Excelsior fez, com Lauro Cezar Muniz “O Morro dos Ventos Uivantes”. Escreveu a seguir a trilogia “O Tempo e o Vento”; para a TV Record, fez “Algemas de Ouro”, “A última testemuna”: Para a TV Cultura fez, com muito amor e muito sucesso “Meu pedacinho de chão”. Para a TV Globo escreveu grandes sucessos, como: “O feijão e o sonho”, “Cabocla” , “Sitio do Pica-pau amarelo” , “Sinha moça”. Para a Manchete escreveu a imbatível novela “O Pantanal”, novela que não tinha sido aceita pela Globo. Mas, voltou à Globo e escreveu “Renascer”, “O Rei do Gado”. Sucessos, sempre sucessos, eternos sucessos. Por que isso ? Qual o segredo desse autor ? “É meu interesse pelo povo brasileiro, pelas coisas brasileiras, pelo interior, pela terra. pela natureza. É isso. Eu acho que é isso. E também porque sou um privilegiado, por ter nascido na família em que nasci, filho de um pai super dotado, e de uma mãe guerreira. E por amar o que faço. Amo até à loucura. Cada cena, cada personagem. Eles são tudo para mim. Meu trabalho, minha família, e Deus, que é tudo, é a grande energia, que cria o equilíbrio, é o criador de todas as coisas. O resumo de mim e de minha obra é isso, só isso. É o respeito ao meu semelhante. Minha obra é feita de respeito, e de amor”. Esse é Benedito Rui Barbosa, um homem iluminado, vibrante, jovem, eternamente jovem e eternamente vitorioso.

CIRCULA NA INTERNET

SERVIÇO DE ÚTERO! DESCOBERTO COMO FUNCIONA OS DESEJOS DAS GESTANTES

IMAGEM DO DIA

Mais uma linda imagem de um dia ensolarado na bela Fortaleza - CE - Brasil

PIADA DO BLOG


GRAVIDEZ INEXPLICADA
A mulher chega ao consultório médico com a filha de 17 anos.
- Doutor! A minha filha perdeu o apetite, não pára de vomitar, vive sentindo tonturas. . . Por favor, veja o que a minha criança tem!
Depois de um rápido exame, o médico conclui:
- Minha senhora, a sua "criança" está esperando outra criança! Ela está grávida de dois meses!
- O quê? - Grita a mãe, indignada - A minha menina nunca esteve sozinha com um homem! Né, filhota?
- Claro, mamãe! Eu sou virgem!
O médico vai até a janela e fica calado, olhando para o céu.
- O que o senhor está fazendo? - Pergunta a garota, visivelmente nervosa.
- Da última vez que isso aconteceu, nasceu uma estrela no oriente e chegaram três Reis Magos. Desta vez, eu não quero perder o espetáculo!

TEXTO DO BLOG

VOTE LIMPO
por Ruth de Aquino*

É muita cara de pau exigir do eleitor brasileiro que “vote limpo”. Como se a lisura de nossa democracia dependesse de mim e de você. Durante dois meses, a televisão transmitiu 20 vídeos por dia para convencer o cidadão “infrator”, que não votou nas três últimas eleições, a pagar multa e regularizar sua situação. A campanha custou R$ 184 mil – de verba pública. E ameaçava punir pesado. O prazo terminou na última quinta-feira, 25 de abril.
Havia mais de 1,5 milhão de eleitores em falta com a Justiça Eleitoral. Desses, 129 mil ficaram “quites” nos últimos dias. O resto, pau neles. São maus cidadãos. O título de eleitor será cancelado, serão impedidos de tirar documento de identidade e passaporte, não poderão obter alguns empréstimos nem se matricular em qualquer escola ou universidade pública.
Não está certo. Um país que se gaba de ser uma democracia consolidada não pode transformar um exercício de cidadania num dever draconiano. Se não votarmos por impedimento geográfico ou inapetência pelo jogo sujo dos políticos, somos obrigados a nos justificar? Entre as dez primeiras economias do mundo, o Brasil, em sétimo lugar, é o único país a manter o voto obrigatório. Quem defende essa excrescência fala “em nome da representatividade”, mesmo forçada.
Os intelectuais adeptos do voto compulsório dizem que, se o voto for facultativo, menos pobres e mais ricos votarão – e o resultado da eleição será distorcido em favor da elite. É uma bobagem. Reforça a tese discriminatória de que “pobre não sabe votar”. Tantos países ricos têm lamentado a alta abstenção nas eleições. É cansativa, preconceituosa e ilusória essa tentativa de dividir as opiniões, as ideologias e a consciência da sociedade entre ricos e pobres. Como se a vontade de votar dependesse do contracheque. E como se os ricos tivessem mais motivo para votar.
O voto obrigatório mascara o real interesse da população na eleição. Faz muita gente (de todas as classes sociais) eleger “rostos conhecidos” ou “amigos de amigos”. Falta maior consciência do eleitor, falta educação política? Falta. O voto facultativo levaria às urnas quem acha que sua escolha pode mudar o atual estado de coisas. Falta vergonha na cara dos políticos, falta transparência nos gastos públicos? Falta. O voto facultativo obrigaria o Estado a fazer campanhas sobre a importância de participar do processo democrático. Obrigaria os políticos a se preocupar mais com sua ficha corrida e a prestar contas de seus atos. O voto seria dado com consciência e por convicção, não por medo de pagar multa. Hoje, no Brasil, o cidadão que não está em dia com a Justiça Eleitoral “não está em pleno gozo de seus direitos civis”.
Ora, diante de um Renan Calheiros presidindo o Senado... Diante do pastor Feliciano cuidando dos Direitos Humanos... Diante da presença dos mensaleiros José Genoino e João Paulo Cunha e do deputado Paulo Maluf na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara... Diante do senador cassado Demóstenes Torres como promotor vitalício no Ministério Público em Goiás... Diante da manobra casuísta do governo Dilma para boicotar futuros potenciais adversários em 2014, como a ex-senadora Marina da Silva... Diante da lentidão da Justiça, que pode devolver à vida pública o ex-governador condenado do Distrito Federal José Roberto Arruda... Diante da censura do PT nacional a qualquer crítica aos Sarneys na TV do Maranhão, por pedido de Roseana a José Dirceu... Diante do salário de R$ 15 mil para garçom que serve cafezinho no Senado, nomeado por ato secreto... Bem, diante de tudo isso, qual eleitor e cidadão está “em pleno gozo” de alguma coisa? Eles é que estão gozando com a gente. E ainda exigem que eu vote limpo.
Na briga entre Congresso e Supremo, com quem fica a palavra final? É uma briga chata de doer. Não há santos nem no Judiciário nem no Legislativo. Mas o momento favorece o Supremo. É no Congresso que condenados e cassados se locupletam. O deputado Nazareno Fonteles (PT-PI), autor da emenda contra o STF, se queixa de que “o Judiciário vem interferindo em decisões do Legislativo; há uma invasão de competência”. Ou seria “de incompetência”?
Ao ver na semana passada as imensas filas diante de cartórios para justificar a “infração eleitoral”, fiquei constrangida. O voto obrigatório ofende a democracia, desonra a expressão “direito de voto”. Se posso anular meu voto ou votar em branco, por que sou obrigada a comparecer às urnas? Voto porque quero, mas respeito quem não quer. O Brasil se livrou da ditadura. Numa democracia formal, o eleitor vota se quiser, se algum candidato o representar e se achar que sua opinião conta. Um dia essa obrigação cairá, por bom-senso. Por enquanto, se os políticos querem um voto limpo, façam sua parte. Comportem-se. 

(*) Ruth de Aquino é colunista de ÉPOCA raquino@edglobo.com.br

INDICADORES DO BLOG


BOVESPA

BOLSAS DO MUNDO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
TOTAL (PTS)
Dow Jones - Estados Unidos
+0,72%
+106,20
14.818,75
S&P 500 - Estados Unidos
+0,72%
+11,37
1.593,61
Nasdaq - Estados Unidos
-0,72%
-21,65
2.992,16
DAX Frankfurt - Alemanha
+0,75%
+58,74
7.873,50
CAC 40 - França
+1,54%
+58,63
3.868,68
Euro Stoxx 50 - Europa
+1,27%
+33,95
2.717,38
Merval - Argentina
+2,15%
+80,48
3.814,72
Nikkei 225 - Japão
-0,30%
-41,95
13.884,13
SSE Composite - China
-0,97%
-21,40
2.177,91
Hang Seng - China
+0,15%
+33,06
22.580,77
29/04/2013 18h12 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
2,0075
2,0090
+0,48%
Euro
2,6275
2,6285
+0,86%
Libra
3,1094
3,1107
+0,45%
Peso Argentino
0,3872
0,3874
+0,23%
29/04/2013 18h13 | Thomson Reuters

INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IBGE IPCA Month
0,47%
INPC IBGE (mês)
60,00%
BR IPC-FIPE infl
FIPE
IPC-DI FGV (mês)
0,08%
IGP-DI FGV (mês)
1,10%
IGP-M FGV (mês)
0,77%
IPA-DI FGV (ano)
0,00%
ICV Dieese (mês)
0,93%
29/04/2013 18h15 | Thomson Reuters

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
7,50%
CDI (ano)
7,22%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
5,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,0000%
Poupança (mês)
0,500%
29/04/2013 18h19 | Thomson Reuters

COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
+0,49
24,47
Platina
-
+32,25
1.505,25
Petróleo WTI
+1,07%
+1,01
95,25
Ouro
-
+10,94
1.473,44
Petróleo Brent
+0,58%
+0,60
103,76
Paládio
-
+18,35
696,22
29/04/2013 18h18 | Thomson Reuters 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

NOTÍCIA DA HORA


MORRE O COMPOSITOR E CIENTISTA PAULO VANZOLINI
O compositor e zoólogo Paulo Vanzolini morreu 23h35 deste domingo (28), aos 89 anos. Ele estava internado desde quinta-feira (25), na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Israelita Albert Einsten, na Zona Sul de São Paulo. A causa da morte ainda não foi divulgada. O corpo de Vanzolini foi velado na manhã desta segunda-feira (29). O músico será enterrado no Cemitério da Consolação. Enterro e velório são fechados ao público. Composições famosas dede Vanzolini, como "Ronda", "Volta por Cima" e "Na Boca da Noite", foram interpretadas por grandes nomes da música brasileira. Vanzolini não estudou música e nunca pensou em abandonar a carreira de cientista para se dedicar integralmente à música. Como zoólogo, foi ativo colaborador e diretor do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo. Recebeu a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico e foi premiado pela Fundação Guggenheim, em Nova York, por suas contribuições para o progresso da ciência.

CITAÇÃO DO DIA


“Se tivéssemos a força, a coragem ou a possibilidade de pensar totalmente fora das palavras, estaríamos mais avançados do que o estamos agora.” (Arthur Schnitzler (1862-1931), médico, dramaturgo e escritor austríaco, autor de O Caminho Solitário e de O Retorno do Casanova)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...


HÁ VAGAS. FALTA MÃO DE OBRA
Com o emprego batendo recorde no país e os gargalos da educação, as empresas têm encontrado cada vez mais dificuldade na hora de contratar. Pesquisa feita pela Fundação Dom Cabral com 130 executivos de empresas de grande porte em todo o país revelou que 92% deles têm dificuldades para empregar trabalhadores preparados para os cargos que oferecem. Entre os principais obstáculos citados na pesquisa, realizada no ano passado, 81% das respostas mencionaram a escassez de profissionais capacitados; 49% citaram a falta de experiência na função; e 42% reclamaram da deficiência na formação básica. O IBGE informou que o desemprego nas seis maiores regiões metropolitanas do país ficou em 5,7% em março, o melhor resultado para esse mês desde o início da atual pesquisa, em 2002. — Diante deste cenário, as empresas acabam fazendo concessões na contratação, ao empregar pessoas com qualificações inferiores às desejadas. A longo prazo, esse processo vai corroer a competitividade e o nível de produtividade da economia brasileira — diz o professor Paulo Resende, responsável pela sondagem da Fundação Dom Cabral. A Ecil Energia, fabricante de componentes para o setor elétrico, é um exemplo. A empresa emprega mais de cem pessoas em sua fábrica em São Paulo. São funcionários que cuidam, por exemplo, da limpeza das instalações, da operação do maquinário e do controle da produção. Mas, apesar dos bons salários e do pacote de benefícios que costuma oferecer, a Ecil enfrenta dificuldades para contratar. — Sofro quando tenho de repor alguma vaga de analista de sistemas ou de engenheiro elétrico e eletrônico. Não encontro profissionais com o currículo desejado. E, quando encontro, acabo perdendo para setores como o financeiro, que paga mais — reclama o presidente da Ecil, Nelson Luís Freire. A falta de mão de obra aumenta a pressão sobre os cursos de qualificação, como os do Sistema S (que recebe contribuições descontadas sobre a folha de salários das empresas de diferentes categorias para cuidar da educação profissional). — O sistema de educação profissional começa a agir para suprir essa falta de mão de obra, seja por pressão dos empresários ou iniciativa dos governos. Temos aumentado o atendimento — afirma Allain José Fonseca, coordenador de projetos educacionais da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). O número de atendimentos, segundo Fonseca, passou de cerca de 90 mil, em 2010, para 150 mil, em 2012. Para 2013, a meta é chegar a 160 mil. Um investimento grande foi nas unidades móveis de treinamento (veículos que levam oficinas a diferentes regiões do estado): eram três em 2010, chegaram a 20 no fim de 2012 e totalizarão 33 em 2013. De acordo com o Senai, a baixa oferta de engenheiros e analistas de sistemas, por exemplo, nem é o principal problema enfrentado pela indústria: — Há ainda mais dificuldade de contratar os que trabalham no chão de fábrica, na produção. Entre todos os setores, os que mais sofrem hoje são o de construção civil e mecânica — explica Márcio Guerra, gerente-executivo de Pesquisa e Prospecção do Senai. O Senai forma anualmente um milhão de trabalhadores, segundo a entidade. Guerra pondera, no entanto, que mesmo com a abertura de cursos com foco nas atividades em que há poucos trabalhadores qualificados disponíveis, há grande desinteresse da população em frequentá-los: — É preciso fazer um trabalho de conscientização da população. Ensinar que dá para ganhar bem com um curso técnico; não precisa ser bacharel. A falta de mão de obra ultrapassa os limites da indústria e também afeta diretamente o comércio, que recorre cada vez mais ao treinamento de pessoas sem experiência para preencher seus quadros de funcionários. Mas os empresários do setor reclamam que, apesar do gasto com treinamento, acabam enfrentando uma grande rotatividade da mão de obra, que aumenta com o bom momento do mercado de trabalho. — Tem sido cada vez mais difícil contratar funcionários. E precisamos ter sempre alguém ali do lado para explicar as diferentes atividades. É uma espécie de acompanhamento. O problema é que, como o desemprego está baixo, as pessoas não têm mais medo de perder o emprego, acham que logo conseguem arrumar outro — explica Marcelo Reis, gerente da Papelaria Terra Papel. No caso da papelaria Galeria Moderna, a solução também tem sido o treinamento. O sócio Alberto Terra conta que um auxiliar de serviços gerais, por exemplo, passou a trabalhar na área de cópias, depois que o profissional do setor saiu: — O treinamento faz parte do nosso negócio. Quando tentamos contratar alguém, ou esta pessoa nunca trabalhou ou não tem qualificação. Estamos sempre tentando ensinar. Já a exigência de uma renda mais alta é citada por Antonio Pires, da loja Bazar 160, de produtos para construção civil, como um dos desafios a serem enfrentados pelo comércio. — Sinto uma dificuldade maior nos últimos tempos para contratar funcionários e vejo isso também em padarias, lanchonetes e restaurantes. As pessoas têm achado os salários baixos — afirma Pires. No Grupo Redentor — que reúne as empresas de ônibus do Rio Viação Redentor, Transportes Futuro e Transportes Barra — há um esforço constante de treinamento, segundo o psicólogo Mário Mattos. Sua estimativa é que a empresa precise hoje de pelo menos cem motoristas para completar o quadro de cerca de 1.600. Isso sem considerar o aumento da frota que está sendo esperado. — A concorrência de outros setores, como construção civil e comércio, tem sido grande e o motorista é muito cobiçado. Por isso, temos contratado motoristas com carteira de categoria B (para veículos com preso bruto inferior a 3.500 quilos e lotação máxima de oito lugares) e investimos num processo de treinamento intensivo de três a quatro meses, além de financiar o curso para o motorista conseguir a categoria D — diz Mattos. Ao lado do comércio, setores como enfermagem, tecnologia da informação e da comunicação e hotelaria são alguns em que falta mão de obra qualificada. — Temos um investimento grande na formação e a preocupação é ouvir o mercado para saber onde investir. Há uma ampla falta de profissionais nas áreas de logística, enfermagem, tecnologia da informação e hotelaria — explica a gerente de educação do Senac-RJ, Wilma Freitas.

VITICULTURA TRAZ IMPACTO NEGATIVO AO ECOSSISTEMA
Os enólogos vêm discutindo, há mais de uma década, o impacto das mudanças climáticas sobre as uvas. Agora, cientistas estão levantando uma nova pergunta: quando o cultivo de uvas é levado a novas áreas, supondo que as mudanças climáticas tenham deixado os habitats anteriores para a viticultura impróprios, quais serão os efeitos disso para os animais e as plantas dessas novas regiões? Haverá um conflito entre o prosecco e os pandas na China?  Rebecca Shaw, cientista do Fundo de Defesa Ambiental, nos EUA, disse que transferências desse tipo têm "o potencial de ameaçar a sobrevivência da fauna e flora silvestres". Ou, nas palavras de um estudo publicado por ela no periódico "Proceedings of the National Academy of Sciences", "os vinhedos exercem efeitos duradouros sobre a qualidade dos habitats e podem ter impacto importante sobre as fontes de água doce". Além da introdução de fertilizantes e agrotóxicos esterilizantes, os vinhedos maduros "têm baixo valor de habitat para espécies nativas e são visitados com mais frequência por espécies não nativas". Shaw acredita que a chegada da agricultura de todos os tipos em terras antes frias e inóspitas deve se pautar em alguma medida por seu impacto sobre esses ecossistemas. O setor vinícola já passou por mais de 15 anos de mudanças impostas pelo clima, que foram marcadas pelo cultivo de uvas em regiões antes frias demais e o estabelecimento de vinícolas como a Burrowing Owl Estate, na Colúmbia Britânica, e a Yaxley Estate, na Tasmânia. A autora do artigo prevê que, sob a maioria dos modelos climáticos, até 47% das terras próprias para o cultivo de uvas de vinho serão perdidas em áreas do Chile com clima de tipo mediterrâneo. No oeste da América do Norte, 59% das terras produtoras de uvas serão gravemente afetadas. Também 74% dessas terras na Austrália deixarão de ser compatíveis com a viticultura. Nas áreas mediterrâneas da Europa, 85% das terras hoje próprias para a viticultura se tornarão impróprias até 2050. Mas é a chegada da viticultura a regiões mais selvagens que leva os conservacionistas a temer mais pelos animais e plantas nativos que poderão ser deslocados. A cientista Lee Hannah, da Conservation International (com sede em Arlington, na Virgínia), acredita que o oeste da América do Norte passa por um grande crescimento de áreas próprias para o cultivo de uvas para a produção de vinho, especialmente nas montanhas Rochosas, na região de fronteira entre o Canadá e os Estados Unidos. Boa parte dessa região é cobiçada por conservacionistas interessados em criar um corredor de migração livre de fauna selvagem entre Yukon e Yellowstone. O cientista ambiental Robert Pincus, da Universidade do Colorado, observou que viticultores austríacos, dez anos atrás, estavam falando em transferir suas plantações para altitudes maiores. "A dúvida é: queremos nosso Grüner Veltliner ou queremos que ainda restem algumas terras intocadas na Europa?", disse ele. "No caso do Chile e da Califórnia, será mais difícil. É difícil argumentar contra a viticultura, forte nessas regiões."

OPERADORAS INICIAM VENDA DE PLANOS DE TELEFONIA MÓVEL DE QUARTA GERAÇÃO
As operadoras de telefonia celular deram início à corrida para oferecer planos de acesso móvel com tecnologia de quarta geração (4G) nas cidades-sede da Copa das Confederações, que será realizada no País de 15 a 30 de junho. A Oi começou a vender os seus primeiros planos 4G no Rio de Janeiro. Nas outras cinco cidades-sede da Copa das Conferações (Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Fortaleza), a pré-venda e as ofertas comerciais da empresa terão início na primeira quinzena de maio. Já as operadoras Telefônica/Vivo e Claro decidiram antecipar o início da comercialização do 4G em São Paulo. Pelo cronograma inicial da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a capital paulista precisaria contar com o serviço apenas no final deste ano. Segundo as assessorias de imprensa, a Telefônica/Vivo inicia a venda de planos 4G dia 30 e a Claro a partir desta semana. A Claro já lançou o serviço em 11 cidades brasileiras: todas as cidades-sede da Copa das Confederações (Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Fortaleza e Brasília), além de Porto Alegre, Curitiba, Campos do Jordão (SP), Parati e Búzios (RJ). Já a Telefônica/Vivo lançará o 4G inicialmente em São Paulo e nas cidades da Copa das Confederações. Segundo a Oi, as obrigações impostas pela Anatel, de oferecer 50% de cobertura 4G nas seis cidades-sede da Copa das Confederações até 30 de abril serão cumpridas. "Até o fim do mês, todas as nossas obrigações estarão cumpridas", disse o diretor de Operações da Oi, James Meaney, que fez o anúncio em teleconferência. Segundo ele, até dezembro a operadora levará o serviço 4G às 12 cidades que receberão jogos da Copa do Mundo de 2014. As vendas começarão com dois planos, um para smartphones e outro para internet móvel. A internet no celular terá franquia de dados de 5 gigabytes (GB), a R$ 98,00 por mês. Já a internet móvel por modem (para notebooks e tablets) terá 10 GB de franquia e custo mensal de R$ 188,00 ou R$ 125,00 (para clientes Oi Velox, Oi Conta Total e Oi pós-pago).

COLÍRIO DO BLOG


ALICE RAMOS – UM COLÍRIO EM 05 INTENSAS GOTAS PARA A SATISFAÇÃO DOS WEB LEITORES DO BLOG DO BORJÃO




PERFIL DO COLÍRIO
Nome: Alice Ramos 
Data e local de nascimento: 12 de fevereiro de 1981, em Capitólio (MG). 
Cidade onde mora: São Paulo (SP). 
Signo: Aquário. 
Medidas
Altura: 1,68 m 
Quadril: 94 cm 
Cintura: 25 cm 
Busto: 86 cm 
Pés: 36 
Um traço marcante: olhos. 
Comunicativa ou tímida: comunicativa. 
Sonho de criança: ser uma modelo conceituada. 
Sonho de consumo: concretizar minha carreira com meus próprios méritos. 
Estilo: sexy, diva ou cool? Diva. 
Musa inspiradora: Xuxa. 
Uma cidade: Fernando de Noronha. 
Uma tecnologia: iPhone. 
TV e cinema: notícias, romance. 
Gosta de colecionar? Sim, perfumes e canetas. 
Mania: perfeição. 
Fé: em tudo aquilo que tenho em mente. 
Hobby: ler. 
O perfume do sucesso: Promesse, by Cacharel. 
Beleza, qual o segredo?
Dormir bem e muita malhação. 
O que não falta na sua bolsa?
Meu gloss da Victoria´s Secrets. 
Um homem é sexy quando veste: smoking. 
Dentro do perfil do homem ideal, o que não pode faltar?
Senso de humor e muita criatividade. 
Dominada ou dominadora?
Dominadora. 
Já leu o Kama Sutra?
Não. 
Uma dica de lugar, coisa para fazer ou programa: Ibiza - restaurantes, praia e muita diversão à noite nas danceterias. 
Como vê a ideia de se tornar uma musa após fotografar para o Bella da Semana?
Eu vejo a ideia como genial! Me senti muito lisonjeada ao ser convidada para ser mais uma integrante do site Bella da Semana pelo seu grande desempenho e sucesso no mercado. Me faz acreditar mais no meu potencial devido à credibilidade do site que vem abrindo portas para novas modelos, vejo novos caminhos a serem traçados com esta oportunidade única. Muito obrigada a todos! 


EFEITOS COLATERAIS DO COLÍRIO DO BLOG
Aumento da frequência cardíaca, endurecimento dos membros, falta de ar e insônia.

PRECAUÇÕES
O uso prolongado pode causar dependência

CAUSOS DO BLOG


LIÇÃO INESQUECÍVEL

José Américo de Almeida governava a Paraíba, em 1951, quando o Estado enfrentou uma seca dramática. Certo dia, no palácio, ele recebeu o prefeito de uma das cidades mais castigadas, suplicando um caminhão para transportar alimentos para os munícipes mais carentes. José Américo respondeu que seria difícil atender o pedido, porque a cidade era muito longe da capital. O prefeito perdeu a paciência e deu uma lição que o “Velho”, como era conhecido, jamais esqueceria:

- É longe, não, governador. Fica no mesmo local onde o senhor foi pedir votos para se eleger governador.

Fonte:  Coluna do Claudio Humberto

SUA CIDADE NO PASSADO


NATAL – RN NO ANO DE 1960


Imagem da inauguração Posto São Luiz 1 (vizinho ao Habib's), em 1960

CIRCULA NA INTERNET

ESTATÍSTICA GAY NO IBGE - 2010 - ATÉ QUE ENFIM UMA PESQUISA SÉRIA









IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem da aconchegante Gramado - RS - Brasil. Gramado é uma cidade cheia de charme e romantismo. Com forte influência alemã, possui todos os elementos de uma cidade européia: flores e jardins, arquitetura enxaimel, o clima frio e culinária típica germânica. Com 34 mil habitantes, a cidade possui uma excelente estrutura turística. A alta temporada acontece em julho e agosto, quando a população da cidade aumenta muito. Entre os muitos destaques da região está a cidade vizinha: Canela, igualmente charmosa e irresistível. Preste atenção também no artesanato e na culinária, em especial os chocolates.