Seja bem vindo ao "Blog do Borjão"

sexta-feira, 30 de março de 2012

MADE IN BLOG DO JUNIOR ESCÓSSIA


MOSSORÓ QUER PRODUZIR AS FRUTAS PARA O MERCADO AMERICANO


Entrar no mercado americano. Esse é o maior desafio dos produtores de fruta do Rio Grande do Norte anunciado pelo presidente do Comitê Executivo de Fruticultura – COEX, Segundo de Paula, durante o lançamento da 16º Feira Internacional da Fruticultura Tropical Irrigada – EXPOFRUIT 2012. O lançamento, realizado nesta quinta-feira, 29, no Auditório do SEBRAE Mossoró, reuniu além de produtores, autoridades municipais e estaduais. A EXPOFRUIT conta com a parceria da Universidade Federal Rural do Semi-Árido.

Na ocasião, o COEX apresentou a campanha publicitária para divulgação da EXPOFRUIT 2012. Criada pela agência Armação Propaganda, as peças da campanha trazem o tema Ganhar é o único resultado quando se aposta na fruticultura, e é inspirada nos cassinos de Las Vegas com muita cor e brilho. “Mossoró produz a melhor fruta do mundo e a EXPOFRUIT é a maior feira de frutas do Brasil”, justificou o publicitário Jenner Tinôco, da Armação Propaganda. O foco da campanha é ampliar a exportação para os Estados Unidos.

Para a EXPOFRUIT 2012, que vai acontecer nos dias 13, 14 e 15 de junho, estão sendo esperadas 180 empresas e mais de 60 mil pessoas. Ao todo, serão 320 estandes com produtos e serviços nos mais variados ramos da cadeia produtiva de frutas. De acordo com o presidente do COEX, Segundo de Paula, a cada safra o setor gera divisas na ordem de R$ 180 milhões de dólares. “O melão continua sendo o carro chefe produzindo seis variedades”, frisou Segundo de Paula, acrescentando que 80% da produção é da região de Mossoró.

Com relação à edição da EXPOFRUIT 2012 os produtores estão otimistas com um crescimento superior a 30%. “A Feira é uma forma de apoiar e garantir aos produtores melhor comercialização, inclusive, com a exportação”. Segundo de Paula acredita ainda que a qualidade dos frutos produzidos na região é a garantia para a confiabilidade no sucesso da EXPOFRUIT. Ao congregar vários segmentos, “a feira de frutas de Mossoró é a melhor do país”, considerou o superintendente do SEBRAE, Zeca Melo. Uma das novidades, anunciou Zeca Melo, poderá ser o lançamento da aguardente de melão, como mais uma forma de agregar valor a fruta. As pesquisas nesse sentido já estão sendo finalizadas.

Para o reitor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, professor Josivan Barbosa, o sucesso da EXPOFRUIT é graças a contribuição de vários atores que foram responsáveis e ainda são por escreverem a história da fruticultura no Estado. “Quero agradecer ao pioneirismo da MAISA, a Del Monte, a W.G Fruticultura, ao Grupo dos Japoneses, a antiga ESAM e hoje UFERSA, ao SEBRAE, a Prefeitura de Mossoró, ao COEX, enfim, a todos aqueles que direcionaram seu trabalho e o seu conhecimento em prol da fruticultura, em prol do negócio rural”, discursou o reitor Josivan Barbosa.

Assessoria de Comunicação da UFERSA
Jornalista Passos Júnior 

CITAÇÃO DO DIA


“Este é um país extremamente fértil: plantam-se funcionários públicos e colhem-se impostos.” (Georges Clemenceau (1841-1929), político francês)

CHARGE DO DIA



RAPIDINHAS DO BLOG...


BRASIL CRESCERÁ MENOS QUE O ESPERADO PELO GOVERNO
O País vai crescer este ano menos que o esperado pela equipe econômica. Isso é o que mostra o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) divulgado na quinta-feira, 29, pelo Banco Central (BC). A autoridade monetária manteve a projeção de crescimento de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2012 - a mesma estimativa divulgada no relatório de dezembro. A projeção mostra que será mais difícil para equipe econômica alcançar a meta de crescimento de pelo menos 4% desejada pela presidente Dilma Rousseff. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, tem prometido um crescimento ainda maior, de 4,5%. Para atingi-lo, planeja lançar na semana que vem novas medidas econômicas. Para o BC, porém, o crescimento de 3,5% é compatível com o equilíbrio interno e externo e consistente com o cenário de convergência da inflação para a meta de 2012, de 4,5%. O BC já projeta a inflação para abaixo do centro da meta no fim deste ano. Pelos dados do Relatório Trimestral de Inflação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) pelo cenário de referência fechará 2012 em 4,4%. O documento mostra um recuo de 0,3 ponto porcentual na projeção do IPCA para este ano, já que a estimativa anterior era de 4,7%. A meta de inflação fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 4,5%. Pelo cenário de referência, a projeção para inflação acumulada em 12 meses se posiciona acima do valor central de 4,5% ao longo do primeiro semestre de 2012, deslocando-se em direção à trajetória da meta nos dois trimestres seguintes. A inflação acumulada em 12 meses parte de 5,5% no primeiro trimestre de 2012, reduz-se para 5,0% no segundo e para 4,4% no terceiro, encerrando o ano neste patamar, conforme o BC. As projeções anteriores eram de 5,9% (primeiro trimestre), 5,5% (segundo trimestre) e 4,7% (terceiro e quarto trimestres). Os dados do BC levam em conta todo o conjunto de informações disponíveis até 9 de março de 2012 (data de corte). O cenário de referência pressupõe manutenção da taxa de câmbio de R$ 1,75 e taxa Selic de 9,75% constantes no horizonte de previsão. No relatório anterior, de dezembro, a taxa de câmbio era de R$ 1,80 e a Selic, de 11,00%.

VIA LÁCTEA PODE ABRIGAR BILHÕES DE 'SUPERTERRAS', DIZEM ASTRÔNOMOS
Uma equipe de astrônomos afirma que pode haver bilhões de planetas não muito maiores que a Terra circulando estrelas próximas de sua supernova (explosão) em nossa galáxia. A estimativa dos especialistas para o número de "superterras" existentes tem como base as descobertas já feitas sobre a população das chamadas estrelas "anãs vermelhas" na Via Láctea. Para chegar a essas conclusões, a equipe utiliza equipamentos com a tecnologia Harps (High Accuracy Radial Velocity Planet Searcher, ou Buscador de alta precisão da velocidade radial dos planetas na tradução do inglês) do Observatório de Silla, no Chile, que identifica a existência de planetas por meio das alterações que a gravidade de tais corpos provocam na estrela cuja órbita habitam. "Nossas novas observações com o Harps mostram que cerca de 40% das anãs vermelhas tem uma superterra na zona habitável de sua órbita, onde pode haver água líquida na superfície do planeta", disse Xavier Bonfils, líder da equipe de astrônomos. "Como essas estrelas são comuns - há cerca de 160 bilhões delas na Via Láctea -, isso nos leva ao incrível dado de que há dezenas de bilhões desses planetas somente na nossa galáxia", completa. As descobertas foram feitas depois de 102 anãs vermelhas - estrelas menores, menos brilhantes e menos quentes que o Sol - serem cuidadosamente analisadas. Foram encontradas nove superterras (planetas com até dez vezes a massa da Terra), e duas orbitando dentro da zona habitável da órbita das estrelas. Com todos esses dados, incluindo a observação de estrelas que não abrigavam planetas em sua órbita, os astrônomos fizeram estimativas sobre a probabilidade de certos tipos de planetas poderem estar perto das anãs vermelhas. Tudo isso sugere que a existência de uma superterra na zona habitável de uma estrela ocorre em 41% dos casos, com uma ampla margem que varia entre 28% e 95%. Dada a quantidade de anãs vermelhas próximas do Sol, poderia haver até cem superterras nas zonas habitáveis a menos de 30 anos-luz do nosso planeta. "A zona habitável de uma anã vermelha, onde as temperaturas são ideais para a existência de água líquida na superfície, é mais perto da estrela do que a Terra está do Sol", comentou Stephane Udry, outro dos pesquisadores. "Mas nas anãs vermelhas há erupções, que banham os planetas com radiação ultravioleta, por exemplo, o que torna a existência de vida menos provável", completa.

SATÉLITE VAI LEVAR BANDA LARGA A TODO O BRASIL
O Brasil se prepara para lançar um satélite de comunicação que vai permitir o acesso à banda larga em todos os municípios do País, disse o ministro de Ciência e Tecnologia, Marco Antônio Raupp, na Índia. Tanto a construção quanto o lançamento do satélite vão ficar sob responsabilidade da Telebras e da Embraer e foram orçados em R$ 750 milhões — R$ 80 milhões apenas para realizar o lançamento. No próximo mês, o governo deve lançar um edital de licitação internacional para que empresas interessadas possam enviar suas propostas. O satélite geoestacionário de comunicação vai fazer parte do Plano Nacional de Banda Larga e vai servir outros projetos do governo federal e das Forças Armadas. Raupp integra a delegação da presidente Dilma Rousseff na cúpula dos Brics realizada nesta quarta e quinta-feira em Nova Délhi, na Índia. Segundo ele, o Brasil quer fazer uma parceria de cooperação técnica com a Índia para o desenvolvimento do satélite. Brasil, Índia e África do Sul também discutiram a possibilidade de lançar um segundo satélite voltado à observação climática do Atlântico Sul, que vai permitir aos três países fazer medições necessárias para entender “as anomalias do campo magnético terrestre que deixam passar radiações ultravioleta”.

RÁPIDAS & CURTAS DO BORJÃO:

# SÓ BAFÔMETRO E EXAME DE SANGUE COMPROVAM EMBRIAGUEZ, DIZ STJ – O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta semana que o bafômetro e o exame de sangue são os únicos meios que podem provar embriaguez ao volante. A decisão foi tomada por um placar apertado de 5 votos a 4, e o entendimento deve ser aplicado a todos os outros casos que tratarem do mesmo assunto. A Lei Seca determina que é crime dirigir com uma quantidade de álcool acima de seis decigramas por litro de sangue, o que só pode ser atestado por exame de sangue ou bafômetro, segundo decreto do governo federal. Porém, o motorista não é obrigado a produzir provas contra si mesmo. A decisão do STF esvazia o que o Ministério Público defende. Para o órgão, nos casos em que os sintomas de embriaguez são indisfarçáveis, o bafômetro ou o exame de sangue poderiam ser substituídos por exame clínico ou por testemunhas.

# ELETROBRAS LANÇA SELO PROCEL PARA VENTILADORES PORTÁTEIS E CIRCULADORES DE AR - A Eletrobras concede, a partir desta semana, o Selo Procel para quatro novas categorias de produtos: ventiladores de mesa, ventiladores de pedestal, ventiladores de parede e circuladores de ar. Com a inclusão, o Selo alcançará a marca de 35 categorias de equipamentos mais comuns nas residências do país. Segundo uma pesquisa realizada pela Eletrobras, três em quatro residências brasileiras usam ventiladores portáteis ou circuladores de ar. Os quatro tipos de aparelhos de ventiladores se juntam aos ventiladores de teto, que já participavam do programa do Selo Procel desde 2008. Para conseguir o Selo Procel, o fabricante do ventilador ou circulador de ar deve comprovar junto à Eletrobras que o equipamento ventila mais e consome menos energia. É estimado que, ao optar por um desses aparelhos com o Selo Procel, o consumidor tenha a oportunidade de obter uma economia na conta de luz de até R$ 30 por ano. Além disso, terá um equipamento que foi submetido a testes e ensaios rigorosos, os quais atestam que não oferecem riscos aos usuários.  Coordenado pela Eletrobras, o Selo Procel foi instituído em 1993 pelo governo federal e tem por finalidade ser uma ferramenta simples e eficaz para informar ao consumidor quais são os equipamentos e eletrodomésticos mais eficientes à disposição no mercado, além de incentivar o desenvolvimento e aprimoramento tecnológico desses produtos.

# SENADOR DEFENDE NOBEL PARA SUASSUNA - O senador tucano Cássio Cunha Lima (PB) apresentou requerimento que propõe a inscrição do paraibano Ariano Suassuna para Prêmio Nobel de Literatura. Para ele, “Ariano nos permite a catarse que é o encontro de nossa História com nossa realidade”. Cunha Lima diz que espera contar com o “apoio do intelectual, escritor e imortal José Sarney” para solicitar a colaboração da Academia brasileira de Letras para a instrução do pedido, bem como para gestões junto à academia sueca.

# AOS AMIGOS - “Os amigos do acaso são como as folhas de outono, espalham-se rápido ao vento. Os amigos de boemia são feito fogo de palha e arduamente nos custam os olhos da cara. Os amigos da onça são parentes de “Judas” somos santos na presença, crucificados na ausência. Os amigos de trabalho se não houver nenhum tapete nos aplaudem, vão ao delírio, em troca pagamos o ingresso. Os amigos interesseiros nos contatam diariamente mas, só pedem favores e favores esquecem até de dar “bom dia”. Mas, os amigos verdadeiros permanecem ao nosso lado em qualquer tempo… De alguma maneira presente. Os amigos do coração são fiéis, acendendo o sentido da vida não importa a distância… Sempre dão um toque de magia.” (Rivalcir Liberato

ARTE NO BLOG


A ARTE DE WASSILY KANDINSKY – PARTE 01
por Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa
  
  Pintura: “Grupo em Crinolina” (1909) é óleo sobre tela, e mede 95,2 x 150,1cm.


Wassily Kandinsky nasceu em 4 de dezembro de 1866 (no novo calendário, 16 de dezembro), em Moscou, e faleceu em 13 de dezembro de 1944, em Neuilly-sur-Seine, França. O artista russo é um dos fundadores da abstração na arte moderna. Após várias exposições avant-garde de muito sucesso, ele criou o grupo Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul; 1911-1914) que foi muito influente e dessa época em diante sua pintura tornou-se inteiramente abstrata. Suas formas evoluíram de fluidas e orgânicas para geométricas e, finalmente, para pictográficas, i.e, onde as idéias se exprimem por meio de cenas figuradas ou simbólicas. A tentativa que faço é mostrar um pouco da evolução desse pintor tão importante nas artes plásticas de nosso tempo. Kandinsky viveu em Paris entre 1906 e 1907 e a cidade e o ambiente artístico muito o influenciaram. Escolhi telas que vão desse período até quase sua morte, e vocês poderão ver como ele de influenciado passou a influenciador. O Grupo em Crinolina, jovens mulheres com as anáguas que então usavam para dar volume às saias, é obra de transição do pintor, marca sua mudança de rumo: é quando ele começa a se dedicar à arte abstrata. Apesar de pintado em Munique dois anos depois de Kandinsky ter deixado Paris, recorda claramente o quanto ele apreciava a arte moderna francesa. A reunião ao ar livre, de homens e mulheres vestidos na moda da época, é reminiscente dos quadros de Manet. Percebe-se a herança impressionista mas também o esquema de cores brilhantes e intensas dos fovistas. Durante sua estadia em Paris, Kandinsky expôs no Salão de Outono de 1906, no qual as estrelas eram os Impressionistas e os Fovistas. Sua admiração por Matisse, um dos expositores, está registrada em seu tratado “Do Espiritual na Arte”, escrito em 1911 (Ed. Martins Fontes, 2000) onde ele afirma que Henri Matisse era um dos maiores pintores modernos franceses. Em 1909 ele pintou uma segunda versão de “Crinolinas”, hoje na Galeria Tretiakov em Moscou. Em 1911, pintou a tela “Pastoral”, obra com tema similar embora formalmente mais abstrata, na qual ele coloca o grupo numa paisagem utópica francamente estilizada.


Fonte: Acervo Museu Guggenheim, Nova York

RECEITA DO BLOG


FILÉ MIGNON SUÍNO EM CROSTA DE LARANJA E PIMENTA


 INGREDIENTES

1 filé mignon suíno
2 xícaras (chá) de ameijôas (marisco branco)
1 batata-doce cortada em 6 gomos no sentido do comprimento, pré-cozidos e grelhados na chapa de ferro ou frigideira antiaderente
1 colher (sopa) de pimenta calabresa
raspas de uma laranja
gomos de 1/2 laranja
1 xícara (café) de vinho branco seco
1 dente de alho cortado em brunoise (cubos mínimos)
azeite de oliva
sal marinho, flor de sal e pimenta-do-reino moída na hora
brotos e flores comestíveis variados
1 folha de papel de carvalho (ou papel alumínio)
barbante (no caso de usar o carvalho)

MODO DE PREPARO

1. Em um prato raso, disponha as raspas de laranja e a pimenta calabresa.
2. Salpique o mignon com sal marinho e passe-o pela mistura da pimenta com as raspas de laranja, formando uma crosta.
3. Aqueça uma frigideira antiaderente, pincele a superfície com um fio de azeite. 4. Sele o mignon até que cada lado fique dourado com uma leve crosta.
5. Retire o filé do fogo e envolva-o com o carvalho, amarrando o embrulho com o barbante. Leve ao forno pré-aquecido em temperatura alta por 25 minutos.
6. Em uma sauteuse (frigideira) sue o alho no azeite com uma pitada de sal, acrescente as ameijôas e salteie levemente. Acrescente o vinho, deixe o álcool evaporar (30 segundos). Ajuste o sal, polvilhe com pimenta-do-reino moída na hora. Apague o fogo, tampe a panela. Reserve.
7. Em um prato, disponha as fatias de mignon (aproveite todo o suco que conseguir colher da folha de carvalho), as batatas e alguns gomos de laranja. Salpique com flor de sal. Cubra o filé com as ameijôas e seu suco. Disponha os brotos e pétalas de flores.

Fonte
Chef Letícia Massula - Cozinha da Matilde, São Paulo
Tempo de Preparo : Rápido - 1 hora 
Rendimento: 2 porções
Dificuldade de preparo: Médio
Custo aproximado: Alto
Utensílios: sauteuse (frigideira)

CIRCULA NA INTERNET

A NOVA ALEGRIA DA GALERA RUBRO-NEGRA

Que Adriano, que nada! O clube da Gávea está de olho no artilheiro Tufão de Avenida Brasil, novela de João Emanuel Carneiro. Uma reunião com os atores foi marcado ainda ontem à noite, logo depois que o Flamengo de Novela ganhou o campeonato carioca – em pleno Maracanã lotado. Os dirigentes acreditam que Tufão fará uma grande dupla com Vágner Love. “E o Flamengo já está acostumado com craques barrigudos”, diz a presidente Patrícia Amorim. Aliás, Patrícia Amorim, pretende contratar também Adriana Esteves, a vilã da trama Carmen Lúcia, para aprender algumas maldades. “Nesse tipo de cargo, é preciso ser durona!”, afirma.






IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem em Lambari - MG - Brasil

PIADA DO BLOG


COMUNICAÇÃO PERFEITA.
Manoel veio tentar a vida no Brasil. Como única referência, tinha o endereço de um amigo que havia conhecido aqui, o José. Ao descer do navio, debaixo de uma chuva imensa, o papel com o endereço de seu amigo borrou. Desesperado e com apenas alguns trocados, Manoel resolve escrever um telegrama ao Joaquim, em Portugal, pedindo sua ajuda:
- "Joaquim, sabes o endereço de José no Brasil?"
No dia seguinte, chegou a resposta:
 - "Sei, sim!" (???)

TEXTO DO BLOG

O PLANALTO E A PLANÍCIE

por Gaudêncio Torquato*

A conclusão é inescapável: Dilma Rousseff tem vestido o figurino de governante mais corajosa do ciclo da redemocratização. Em pouco mais de um ano de mandato, sob o escudo de mais de 60% de aprovação popular, decide enfrentar experimentados exércitos, envergando a bandeira da “mudança de paradigma” na esfera da política, pois “chegou a hora de enfrentar antigas práticas”, conforme bem frisou o novo líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM).
Mudar a política, como ensina o professor de Harvard, Albert Hirschman, implica reduzir o poder de grupos até então privilegiados e melhorar o status de setores desprivilegiados.
Quem patrocina uma reforma há de guerrear não apenas contra blocos tradicionais, aqueles que temem perder poder, mas contra “núcleos revolucionários”, os que lutam para transformar a política numa dicotomia entre “progressistas e reacionários”, bons e maus, mocinhos e bandidos.
Uns receiam diminuir sua participação no processo governativo; outros querem impor sua visão de mundo, rompendo elos com o passado e tradições.
O reformador, por sua vez, deverá demonstrar alta habilidade para implantar um programa de mudanças, evitando fazer tudo bruscamente.
A sabedoria da ciência política recomenda que a agenda das necessidades seja adaptada ao calendário das possibilidades.
Diante desse quadro, emergem as dúvidas: a presidente Dilma encaixa-se no perfil capaz de limpar finas louças na cristaleira sem arranhar nenhuma? Ou, como reza o ditado popular, exerce a habilidade de chupar cana e assoviar ao mesmo tempo?
Teria feito uma análise de viabilidade sobre a mudança de paradigma da política? Avaliou poder extirpar da cena institucional, com uma só canetada, vícios, práticas e mazelas que formam nosso DNA político desde a era colonial?
Ninguém soprou em seu ouvido que há ingredientes culturais difíceis de serem eliminados por simples atos de vontade, mesmo que as decisões partam de fontes que detenham o máximo poder, como é o caso da mandatária-mor? Será que seu patrocinador, o ex-presidente Lula, que lhe dá apoio público para “virar a mesa dos velhos costumes” acredita ser isso possível sem abrir feridas ao governo?
Pelo andar da carruagem, a predisposição da presidente é a de promover mesmo as mudanças necessárias para oxigenar os pulmões da política. Sem transigências ou barganhas. Como diria o arrependido ex-presidente Collor, o tempo é o senhor da razão.
Antes, porém, de inferir sobre o que poderá acontecer a favor ou contra o governo, vale lembrar que a análise de viabilidade no campo político separa duas esferas: a da decisão e a da operação. Uma coisa é a capacidade de a presidente decidir sobre o modelo de gestão política que pretende implantar; outra é a execução das tarefas, que pressupõe o envolvimento de elementos e fatores exógenos, fora do controle do tomador de decisões.
A materialização de um projeto de “mudança de paradigma” na política implica verificação do conjunto de forças e participação ativa de senadores e deputados no processo. E se não concordarem com a intenção da nossa governante de mudar “antigas práticas”?
Alteração de padrões e métodos sinaliza orientação para uma administração de resultados, modelagem que abriga conceitos como meritocracia, racionalidade, qualificação de quadros, predomínio da visão técnica sobre a motivação política e desenvolvimento de estruturas especializadas para o desempenho das funções do Estado.
O escopo é bom. Mas a realização de uma obra desse molde em um território com raízes profundas no passado soa como utopia. Imaginemos o caso da barganha, a troca de apoios por votos no Congresso. Se o Executivo decide mudar a liturgia de entrega de Ministérios e autarquias aos partidos, é lógico supor que seus projetos serão rechaçados pelo Legislativo.
Aliás, os parlamentares já deram o primeiro recado semana passada. O governismo de coalizão é um sistema de mão dupla: parceiros podem travar ou destravar a dinâmica governativa à medida de inputs recebidos.
Urge reconhecer que se a presidente Dilma pretende desenhar a administração à sua imagem e semelhança – conferindo a ela uma identidade técnica – o momento adequado é este, quando alcança elevada taxa de apoio popular. Nenhum governante é capaz de segurar a montaria do governo quando as rédeas são longas.
Dilma plaina nas alturas do balão da opinião pública. Mas a distância entre o planalto das glórias e a planície dos apupos é pequena, sendo a rota bastante tumultuada pelas nuvens da imponderabilidade. Por isso, a presidente deveria medir a temperatura do corpo político para passar o remédio mais apropriado, algo entre o desejável, o necessário e o possível.
Inusitada é ainda a estratégia governista de abrir muitas frentes de luta ao mesmo tempo. Basta registrar as ondas de indignação que se formam no entorno do governo Dilma, além da correnteza que engolfou a base governista no Congresso e resultou no afastamento do PR da base situacionista.
Entre as marolas, registra-se a da indústria, que vê seu PIB despencar sob a proliferação de produtos importados, particularmente os chineses. Setores liderados pela FIESP acusam o governo de inércia ante o processo de desindustrialização que assola o país.
Militares da reserva fazem manifesto com críticas à presidente pelo fato de permitir mudança no comportamento do governo sobre os tempos da ditadura; a onda é pequena, mas faz barulho.
Centrais Sindicais, que, em tempos idos, desfilavam seu poder de pressão no Palácio do Planalto, sob as boas vindas de Lula, sentem-se, hoje, desprestigiadas. Preparam manifestações.
Na área da cultura, artistas de todos os naipes pedem a substituição da ministra Ana de Holanda.
É fogueira por todos os lados. Estrategistas ensinam que um guerreiro deve travar uma batalha por vez. E, como ensina o velho general Sun Tzu, “há estradas que não devem ser percorridas e cidades que não devem ser sitiadas”.

(*) Gaudêncio Torquato, jornalista, é professor titular da USP, consultor político e de comunicação. Twitter@gaudtorquato

INDICADORES DO BLOG


BOVESPA

  
BOLSAS DO MUNDO
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
TOTAL (PTS)
Dow Jones - Estados Unidos
+0,15%
+19,61
13.145,82
S&P 500 - Estados Unidos
-0,16%
-2,26
1.403,28
Nasdaq - Estados Unidos
-0,31%
-9,60
3.095,36
DAX Frankfurt - Alemanha
-1,77%
-123,65
6.875,15
CAC 40 - França
-1,43%
-49,03
3.381,12
Euro Stoxx 50 - Europa
-1,76%
-43,94
2.452,74
Merval - Argentina
-0,94%
-25,44
2.658,74
Nikkei 225 - Japão
-0,67%
-67,78
10.114,79
SSE Composite - China
-1,43%
-32,72
2.252,16
Hang Seng - China
-1,32%
-276,03
20.609,39
29/03/2012 18h03 | Thomson Reuters

MOEDAS
MOEDA
COMPRA (R$)
VENDA (R$)
VAR (%)
Dólar Comercial
1,8195
1,8207
-0,39%
Euro
2,4228
2,4259
-0,14%
Libra
2,9073
2,9103
+0,44%
Peso Argentino
0,4164
0,4173
-0,05%
29/03/2012 18h06 | Thomson Reuters

 INFLAÇÃO
ÍNDICE
VALOR (%)
IPCA IBGE (mês)
0,45%
INPC IBGE (mês)
0,39%
IPC Fipe (mês)
-0,07%
IPC-DI FGV (mês)
0,24%
IGP-DI FGV (mês)
0,07%
IGP-M FGV (mês)
0,43%
IPA-DI FGV (ano)
-0,02%
ICV Dieese (mês)
0,93%
29/03/2012 18h06 | Thomson Reuters

JUROS E POUPANÇA
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
Selic (ano)
9,75%
CDI (ano)
9,47%
TJLP - Taxa de juros de longo prazo (trimestre)
6,00%
TR - Taxa referencial (mês)
0,1106%
Poupança (mês)
0,611%
29/03/2012 18h10 | Thomson Reuters

RISCO PAÍS
ÍNDICE
VALOR (PTS)
Risco país Brasil
181,00
Risco país México
160,00
Risco país Argentina
894,00
29/03/2012 18h09 | Thomson Reuters

COMMODITIES
ÍNDICE
VARIAÇÃO (%)
VARIAÇÃO (PTS)
COTAÇÃO (US$)
Prata
-
+0,19
32,20
Platina
-
-5,74
1.624,19
Petróleo WTI
-2,06%
-2,17
103,24
Ouro
-
-2,23
1.660,89
Petróleo Brent
-1,29%
-1,60
122,56
Paládio
-
+1,12
643,45
29/03/2012 18h09 | Thomson Reuters

ATIVIDADE ECONÔMICA
ÍNDICE
VALOR (%)
Desemprego (mês)
5,50%
PIB (variação em relação ao trimestre imediatamente anterior)
0,00%
PIB (variação em relação ao mesmo trimestre do ano anterior)
2,10%
Dívida pública como proporção do PIB
37,20%
Produção industrial (mês)
-2,10%
Produção industrial (ano)
-3,40%
Vendas do Varejo (mês)
2,60%
29/03/2012 18h09 | Thomson Reuters

quinta-feira, 29 de março de 2012

CITAÇÃO DO DIA


“Se você tiver talento, conquistará o sucesso — porém apenas se persistir naquilo que faz.” (Isaac Asimov (1920-1992), escritor norte-americano nascido na União Soviética)

CHARGE DO DIA


RAPIDINHAS DO BLOG...


BRICS AVALIAM CRIAR BANCO CONJUNTO E APROXIMAR BOLSAS DE VALORES
O grupo Brics (que reúne as potências emergentes Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) deve lançar nesta semana a proposta de um banco conjunto de desenvolvimento, e medidas para aproximar suas bolsas de valores. Autoridades dizem que as iniciativas vão demorar, já que ainda precisam ser definidos os detalhes. Mas elas marcam um novo grau de ambição para o bloco que reúne cerca de metade da população mundial. O Oriente Médio e a segurança energética também serão discutidos, disseram autoridades. A sigla Bric foi cunhada em 2001 pelo economista Jim O'Neill, do Goldman Sachs, para descrever a guinada econômica global na direção dos grandes mercados emergentes. A África do Sul aderiu ao grupo em 2010, transformando-o em Brics. Os países realizaram sua primeira cúpula em 2009, e têm sido criticados como nada além de uma mera sigla, já que têm dificuldades para encontrar uma causa comum dos quatro continentes, com economias, sistemas de governo e prioridades radicalmente diferentes. O anúncio mais relevante da cúpula desta semana na Índia deve ser a intenção de criar um banco de desenvolvimento nos moldes do Banco Mundial. A iniciativa permitiria que os países reunissem recursos para obras de infraestrutura e também poderia ser usada, em longo prazo, como instrumento de crédito durante crises financeiras globais como a que assola atualmente a Europa, segundo autoridades. O ministro brasileiro de Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, disse na semana passada a jornalistas em Brasília que os países devem assinar na cúpula um acordo para estudar a criação do banco.

MUNDO ESTÁ INTERCONECTADO GRAÇAS A E-MAIL E REDE SOCIAIS
A maior parte do mundo está interconectada graças aos recursos de e-mail e de redes sociais como o Facebook e Twitter, de acordo com uma nova pesquisa divulgada nesta semana. E-mails são enviados e recebidos por 85% das pessoas que estão conectadas à internet, e 62% delas se comunicam por sites de redes sociais, especialmente na Indonésia, Argentina e Rússia, que apresentam as maiores porcentagens de usuários. Mais de 80% dos indonésios e 75% dos argentinos, russos e sul-africanos visitam sites de mídia social, de acordo com a nova pesquisa Ipsos/Reuters. Ainda que o Facebook e outros sites populares de redes sociais, blogs e fóruns de discussão tenham sido criados nos Estados Unidos, a porcentagem de usuários no país era menor, com 6 a cada 10 usuários, e no Japão ela caiu a 35%, a menor entre os 24 países pesquisados. "Mesmo que o número nos EUA seja de 61%, a maioria dos americanos usa sites de redes sociais", disse Keren Gottfried, gerente de pesquisa na Ipsos Global Public Affairs. O fato de que mais de seis em cada dez pessoas do planeta usem redes sociais e fóruns, acrescentou, sugere uma transformação na maneira pela qual as pessoas se comunicam. "É uma verdadeira interconexão e contato com os outros. Não se trata apenas de enviar e receber mensagens, mas de construir mensagens em diversas comunidades, e apenas as mensagens significativas se firmam", ela explicou. "Parece que a maioria do planeta está se comunicando dessa maneira", disse, acrescentando que os números eram superiores à metade da população em quase todos os países pesquisados. A Ipsos entrevistou 19.216 adultos em todo o mundo, na pesquisa online. A Hungria lidera no uso de e-mail, com 94%, seguida por Suécia, Bélgica, Indonésia, Argentina e Polônia. O uso mais baixo de e-mail ocorre na Arábia Saudita, com 46%. A pesquisa envolveu entrevistas com pessoas da África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, França, Hungria, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Polônia, Reino Unido Rússia, Suécia e Turquia.

SEU ‘LIKE’ NO FACEBOOK PODE VIRAR DINHEIRO PARA CRIMINOSOS
Aplicativos como “Veja quem te visitou” ou “Mude a cor do seu perfil” não são apenas brincadeiras desagradáveis de algum hacker que quer se divertir. Eles servem também para um esquema fraudulento de venda de “curtidas” (ou “likes”) a empresas ansiosas por audiência no Facebook. Uma investigação feita por Fábio Assolini, analista da Kaspersky Lab e integrante do Grupo de Análise e Resposta a Incidentes de Segurança (Aris), revela que cibercriminosos brasileiros vendem pacotes de “curtidas” que variam de R$ 50, para mil “likes”, a R$ 3.990, para 100 mil “likes”. “Uma maneira rápida e fácil, adquira cem mil curtidas em sua fan page no Facebook. Compre este plano, escolha a melhor forma de pagamento que desejar”, diz o site que comanda o negócio – encontrado sob os domínios hxxp://publicidadesonline.com e hxxp://publicidadesonline.net. Eles foram retirados do ar após Assolini comentar o comércio de “likes” em um blog. De fato, a companhia que compra o serviço consegue movimentar o seu perfil na rede social. Mas o que ela pode não saber é que isso é feito às custas de usuários infectados por aplicativos do tipo “Mude a cor do seu perfil” — gente que não necessariamente admira a marca “curtida” ou que até acaba ficando com raiva da empresa por ver seu rosto exposto onde ela nunca pensou em estar. O esquema, que promete também milhares de seguidores no Twitter, é totalmente brasileiro, segundo o analista da Kaspersky. Um dos sites estava registrado em nome de um usuário localizado em Goiânia. Para tomar conta de um perfil no Facebook, os cibercriminosos geralmente criam aplicativos falsos com motes apelativos para atrair usuários e convencê-los a baixar o que, na verdade, é uma porta para um malware (software usado para fins criminosos). A pessoa, sem saber, está instalando um plug-in no navegador (Firefox ou Chrome) que roubará o seu nome de usuário e senha, não importa quantas vezes eles forem trocados. A menos que o plug-in seja excluído, ele continuará lá como um espião — e com o poder de usar o seu perfil como bem entender. Caso o usuário suspeite ter instalado aplicativos maliciosos ou plug-ins estranhos, é aconselhável verificar as extensões no navegador, segundo Fábio Assolini. O analista alerta que é provável que o plug-in esteja disfarçado de Adobe Flash Player, por exemplo, um dos mais populares na web e usado como isca em outros ataques virtuais. Essa extensão força o usuário acessar o Facebook por um domínio não-seguro que começa com http:// em vez de https://, que representa o site seguro. Quando isso ocorrer, é preciso excluir o plug-in malicioso do navegadorVeja como: No Mozilla Firefox, vá em Ferramentas > Complementos > Extensões. No Chrome, vá em Ferramentas > Extensões. Procure pelos últimos plug-ins instalados. Especialistas dizem que o Facebook, hoje com mais de 36,1 milhões de brasileiros, costuma ser eficiente na exclusão de aplicativos cuja intenção é espalhar vírus pela rede. Mas, apesar dos esforços, a empresa diz ser necessária a colaboração do usuário. “Em caso de dúvida, confirme antes com seu amigo se aquela mensagem ou post é segura”, disse a empresa em uma de suas campanhas. 

RIVISTA DO MINO







Hermínio Macêdo Castelo Branco (Mino) é cearense, natural de Fortaleza. Filho de Francisca Macêdo e Raimundo Castelo Branco, nasceu no dia 3 de maio de 1944. Formado em Direito pela UFC (inscrito na OAB), a lista de suas atribuições é extensa: desenhista, artista plástico, cartunista, programador visual, projetista gráfico, poeta bissexto, livre pensador, autor de histórias, fábulas e contos infantis, ilustrador e publicitário. Trabalhando em agências de publicidade e colaborando com quase todos os jornais de Fortaleza, passou vários anos dedicado ao trabalho de criação de marcas, programação visual e projetos gráficos. Edita sua própria publicação mensal "RIVISTA", distribuída através da editora "RISO" (de sua propriedade) para vários colégios no Ceará. RIVISTA contém toda a diversificação de seu trabalho: fábulas, contos, frases, pensamentos, artigos, poesias, ilustrações e cartuns. O "Blog do Borjão" em homenagem ao Mino disponibiliza às 5ª feiras o tópico "RIVISTA DO MINO".

SAÚDE NO BLOG


VOCÊ BEIJA MUITO? SAIBA QUE PODE CONTRAIR MONONUCLEOSE INFECCIOSA

Também chamada “doença do beijo”, a mononucleose infecciosa é causada pelo vírus Epstein-Barr. Contrai-se esse microrganismo ao se entrar em contato com a saliva de alguém que tem ou teve a doença. Os sintomas, que se manifestam 30 a 50 dias após o contágio, são: mal-estar que deixa o portador de cama, febre alta, dor de garganta intensa e aumento dos gânglios linfáticos.

por Celso Granato*

Se você beijou muito no carnaval, ou se beija muita gente nas baladas, saiba que pode ser portador de mononucleose infecciosa. Conhecida também como “doença do beijo”, ela é causada pelo vírus Epstein-Barr.
Denomina-se mononucleose um grupo de doenças que têm como característica aumentar o número de linfócitos, um tipo de glóbulo branco — célula de defesa —, na corrente sanguínea do portador. Uma pessoa sadia tem 2000 a 3000 glóbulos brancos no sangue; no portador de mononucleose esse número sobe para até 15000.
A mononucleose infecciosa é comum. Se se fizer uma análise se constatará que 80% a 90% dos doadores de sangue têm anticorpos contra o vírus. Ele vive em quem teve a doença — no momento em que alguém o contrai, aliás, nunca mais o elimina do organismo. Quando entra no corpo humano o vírus se multiplica e se aloja em áreas ricas em linfócitos B, como garganta, baço e tecido que forra os intestinos. O curioso é que, não se sabe por quê, de tempos em tempos ele “acorda”, passa a se multiplicar e atinge a saliva, podendo contaminar “beijoqueiros” sadios.
No passado, quando os casais tinham vários filhos que conviviam intimamente, um usando a chupeta do outro, por exemplo, o vírus era adquirido dos 3 aos 6 anos. Nesse período, como as defesas orgânicas são imaturas, a doença produz sintomas discretos, que até passam despercebidos. Com o crescimento do País, a melhoria das condições de vida da população e a diminuição do número de filhos dos casais, contraem-se algumas doenças virais mais tarde. No caso da mononucleose, passou da infância para a adolescência. Com isso, como as defesas orgânicas são mais desenvolvidas, os sintomas se tornam mais exuberantes. Os sintomas da mononucleose infecciosa, que ocorrem 30 a 50 dias depois do contágio, são: febre alta, dor de garganta intensa, aumento dos gânglios linfáticos e mal-estar que leva o portador para a cama.
Em geral a doença é benigna, ou seja, o organismo da maioria das pessoas neutraliza a ação viral e se cura. Mas, embora raro, pode haver complicações, como o rompimento do baço por esforço excessivo ou num acidente. Rompimentos do baço que não são tratados logo com cirurgia podem ser fatais. A mononucleose também é mais complicada para imunodeprimidos. Neles, pode causar uma moléstia semelhante à leucemia. É a doença linfoproliferativa póstransplante (PTLD), que pode destruir o fígado e até matar. Felizmente, tem tratamento com remédios, mas são bastante caros.
O ideal, claro, é evitar a contaminação. Pode-se fazê-lo não beijando pessoas em série, sem cuidado, nas baladas. Isso é importante também para se evitar outros vírus, como o que causa o herpes labial.
Pessoas com sintomas devem consultar logo um infectologista. A doença é diagnosticada com exame de sangue, que detecta o anticorpo contra o vírus e/ou o aumento dos linfócitos. É importante comprovar que uma pessoa teve mononucleose porque no futuro ela pode vir a integrar o grupo dos imunodeprimidos, nos quais, como disse, a doença é mais grave. Como não existem remédios específicos para o vírus, o tratamento consiste em combater os sintomas. Também se recomenda repouso por um mês, para uma recuperação mais rápida. Quem tem aumento do baço não pode praticar esportes, pelo risco de rompimento do órgão.

* Celso Granato (CRM 34307), médico na capital paulista, é chefe do Laboratório de Virologia da Universidade Federal de São Paulo – e-mail: celso.granato@grupofleury.com.br


CIRCULA NA INTERNET


IMAGEM DO DIA

Uma bela imagem do Parque das águas em São Lourenço - MG - Brasil

PIADA DO BLOG


TIRANDO PARA DANÇAR
Começou a música e um bêbado levantou-se, cambaleando e trocando as pernas, dirigiu-se a uma senhora de preto e pediu:
— Hic... Madame, me dá o prazer dessa dança?
E o bêbado ouviu a seguinte resposta:
— Não, por três motivos: Primeiro, o senhor está bêbado em pleno velório!
— Segundo, porque não se dança o Hino Nacional!
— E terceiro porque "madame" é a p#ta que o pariu, eu sou padre que vai celebrar a missa!